>
31.7.07
  des envolvimento
O que mais me incomoda é a distância feita de desprezo e é, por isso, que muitos dos governantes modernos me parecem selvagens.

Educados para a compaixão real, feita de gestos tão anómimos quanto dirigidos a pessoas reais que se cruzam no nosso caminho, não atinamos com aqueles que falam dos desempregados como se eles não fossem nossos vizinhos e não fossem mais que unidades estatísticas. Não atinamos com políticos que justificam as suas políticas com um futuro radioso para todos os filhos dos que nem vislumbram o pão nosso de cada dia presente e menos ainda o futuro dos seus filhos. Não nos entusiasmam perspectivas de desenvolvimento se elas existirem em detrimento das pessoas reais, sem se fundarem e fundirem com pessoas realmente existentes.

Estes jovens governantes selvagens falam de pessoas em abstracto, livres de qualquer comoção humana perante as dificuldades das pessoas reais, ganharam uma falha de carácter e uma desmemória sobre os cíclicos descalabros da espécie até ao desprezo pelas pessoas reais quando elas são o contra-exemplo para as suas políticas. E enriqueceram.

Depois olhámos esses políticos como parolos a tentar agradar a patrões e a padrões estrangeiros. Habituaram-se a pensar em desenvolvimento e progresso como coisas neutras iguais para todos em todo o mundo e para os quais há uma só receita universal. Parecia-me uma desculpa inventada por tolos. Nunca me passaria pela cabeça que houvesse alguém tão tolo que pudesse impingir esta ou aquela teoria ou tese de uma ciência social como se fosse tese de uma ciência exacta, válida para o exótico e imprevisivel universo humano.

Nesta última semana, fiquei a saber pelas organizações não governamentais a trabalhar no Iraque, que, em nome da democracia, os políticos selvagens fizeram a guerra que lhes permitiu agitar o mercado que, mesmo selvagem, funciona bem até num país transformado num campo de batalha. As ONG não denunciam a falta de interesse dos países da coligação. Não. Dizem que eles estão a sacrificar grandes massas de crianças e adultos de hoje às suas estratégias de desenvolvimento. Fome e penúria mais extrema, ao lado do mercado florescente e, porta com porta, com a riqueza mais obscena.

Os políticos selvagens não reconhecem os seus pares humanos, não se envolvem. Eles são a favor do des envolvimento humano.


[o aveiro; 1/8/2007]
 
25.7.07
  quem a vésper espera

aqui onde aves fazem uma algazarra de família
regressada a casa
ao fim do dia

espero a estrela da tarde
e imagino um sino que dobra um bater de asas

um instante a morte e a vida juntas
 
  o que esconde, mostra-se
 
  mau exemplo, mau é
Ainda na oposição, com os olhos na cadeira do poder, a um povo que se revia grego, Sócrates bradava garantias referendárias para as grandes questões. Também para as questões do tratado que estabelece uma constituição para a Europa. Dar a palavra aos povos tinha chumbado aquele giscardiano texto assinado então, em nome de Portugal, pelo fantástico Lopes de Lisboa. Passados poucos anos, Sócrates é um poderoso primeiro ministro de uma presidência europeia (em) investida contra referendos a uma nova versão de tratado agora destinado a ser votada nos parlamentos. Sócrates vem enaltecer a democracia representativa e lança anátemas aos que, por defenderem os referendos e a participação popular, diminuem a representação democrática e parlamentar. Opinião de sofista. Ninguém melhor que Sócrates para saber que a Assembleia onde o PS tem maioria absoluta foi eleita para defender o referendo. Pretérito mais que perfeito, imperfeito, condicional? Mudam-se os tempos para que futuro? Ninguém melhor que Sócrates para saber que o que apouca a democracia parlamentar são as palavras por cumprir, a falta à palavra dada, a desonra e a pouca vergonha.

Eles têm agora a espinhosa missão para nos convencer que tudo o que fazem colhe o seu valor nos resultados futuros, nos maravilhosos frutos do exercício do seu poder. Os fins, os fins, os fins justificam os meios. Se perdermos tempo a discutir, perdemos eficácia, competitividade, a oportunidade de ouro, etc. E já há quem queira ver assim e ache coisa pouca a participação popular mesmo quando ela foi prometida em troca da maioria cor de rosa. Até porque ela é tão pobre! Não é? Não é tão evidente?

Nestes tempos de comunicações rápidas, para uma parte dos nossos políticos, até a participação (que não se puder dispensar) pode ser representada por figurantes recrutados entre velhinhos da província que aceitem pagar uma excursão à capital com uma hora de bandeirinha em campanha de autarquia de costa ou entre jovens que, bonitos, empenhados e bem comportados pela mão de uma agência de modelos, aceitem vender-se por 30 dinheiros ao serviço da ministra da boa (?) educação tecnológica. A ministra acha que isso é nada quando comparado com o anúncio tecnológico. Mau exemplo, má educação democrática são pequenos nadas, sendo tudo.

Ainda que tenham bom aproveitamento como eficazes figurões tecnocratas, nunca lhes perdoaremos o mau comportamento como democratas.


[o aveiro; 26/07/2007]
 
  Santiago

A ignorância e a tristeza
não olham como eu olho para a beleza.
 
  Santiago
As pessoas que passam sem ver a cor da rua
não caminham para a luz



e a sua vida finge carregar uma cruz
que nem existe ou não é a sua
 
24.7.07
  A fortuna dos dias
Abro a caixa do correio todos os dias mas há dias em que a fortuna me bate à porta: Hoje recebi "A fortuna dos dias" de José Vicente Lopes. Um abraço apertado de Cabo Verde.
 
18.7.07
  vegetal doméstico
criei-te como quem cuida
de um girassol doméstico:

água e horas de parapeito

e persianas de correr: ora
luz ora sombra para te ver
o pescoço esguio rodando

em movimento lento, vegetal.
 
17.7.07
  o que sobe, cai
Um homem seguia pela vereda, incomodado com os silvados a roçar-lhe o fato. Com o cotovelo levantado, protegia a cara dos ataques. Entredentes, não parava de falar de si mesmo para si mesmo. Um pouco atrás, a mulher caminhava ligeira. Sorria para dentro. Parecia que lhe dava algum prazer a atrapalhação do homem e não conseguia esconder a satisfação. Isso era o que me parecia enquanto olhava para baixo a vê-los, subindo encosta acima. A certa altura, do meio do matagal, vejo sair o garoto. Pareceu-me ver o homem embaraçado pela finta do garoto. Não tardou muito, aos meus ouvidos chegavam os palavrões do homem, os gritos do garoto e a gargalhada feminina cantada por cima dos palavrões e gritos. Pouco depois, deixei de os ouvir e também deixei de os ver. Tinham entrado num daqueles túneis vegetais que as veredas nos reservam. Não me preocupei e fiquei à espera de os ver reaparecer mais perto do cimo do monte, onde me encontrava. O tempo fez-se mais lento e dei por mim a preocupar-me. Não me parecia que pudessem ter tomado outro trilho diferente daquele em que eu os vigiava. Porque terão deixado de falar? O que aconteceu ao garoto? Que é feito da gargalhada da mulher para as costas do fato tão inadequado para a subida montanha acima? Parecia que a terra os engolira naquela curva da vereda. Já começava a desesperar no meu posto de guarda, quando os vi ao longe seguindo pela vereda que dava uma grande volta, para poupar na subida inevitável. Verifiquei que a partir dali, onde eles reapareceram, o trilho se alargava e aparecia desenhado como um risco em volta da montanha. Se o pudesse ver de mais alto, pareceria uma escada em caracol para o céu que o monte arranhava. Contente por voltar a vê-los de novo, fiquei preocupado ao constatar que me veriam ao passarem por aqui. E tinha razões para temer que reconhecessem a cara da campanha de todas as promessas.

Ainda nem tinham chegado ao cume do poder, já o homem perguntava: “Sócrates?” E, sem pausa, a mulher atirou certeira: “Vens pagar alguma promessa?” Não me lembro do que se seguiu. Disseram-me depois que o garoto, que nem me conhecia, enquanto me empurrava, repetia: “Prometeste, subiste!... Mentiste, não cumpriste e...caííííste!” E mais nada!

Porque é que o homem me chamava pelo nome de um grego?


[o aveiro; 19/07/2007]
 
16.7.07
  alta voz!
Finges que não os vês quando passas
mas sabes que eles vagueiam por aí
porque lhes aconteceu mais cedo
o que bem pode acontecer-te a ti.

Ai, quem sabe se não foi um simples "não!"
que lhes mandou o emprego pró caraças!

Pelo sim pelo não, à força do hábito ou do medo,
vergado, tudo farás às ordens do patrão.



Se todos sabem o que não esquecem,
porque é que os que mandam e os que obedecem
consultam de novo a lista dos tiques da servidão?
 
14.7.07
  podemos rezar

a luísa seguiu pelo corredor até à sala de memórias,
aí chegada, correu as persianas até fechar os olhos
e rezou pelo passado

até ter a certeza que dele só sobram restos
das traças

o que nem as traças encontraram.
 
  poeta

a luísa escreve do passado, o branco
sobre o branco:

e espera alguém que leia uma parede branca
em cal viva


uma morte em carne viva
uma prece.
 
  o que eu vejo

o que eu vejo quando olho pela minha janela
é só o que existe
e é igual todos os dias desde que me levanto:

não preciso ver nem saber mais para ser triste.
 
12.7.07
  dispor as pedras

a luísa encostou-se à parede em frente da janela
e atirou certeira as pedras com seus riscos

de tal modo que elas cobriram as suas sombras

e nem sobrou a sombra que cai como a tarde cai até ser noite
 
  vira as costas ao comboio
 
  pelo telefone
talvez ninguém possa falar das medidas
contra a educação

(por exemplo, morte das jóias da coroa de ontem: TICS, CEFs, cursos tecnológicos
seguidas de outras mortes "por inerência",
medidas tão excepcionais como um arrepio,
ao arrepio do planeado há pouco tempo ainda,
demonstração de falência da gestão do sistema educativo,
coisa mal educada, demonstração da cobardia
de cruéis trapalhões
para quem as pessoas deixaram de existir)


porque elas não existem realmente

já que
o que existe é o telefonema que anuncia
que antecipa

o que mais tarde cairá mais como facto consumado
do que como directiva de papel

ou

lei avulsa
que não é agora mais que uma forma
onde cabe o uso do abuso

contra a democracia e contra o direito
contra os direitos todos
individuais
dos profissionais

e sociais
das profissões

e
 
10.7.07
  o exercício do dever.
O funcionário público sempre se levantara, manhãzinha cedo, para o seu exercício diário. Com a surdina ligada, para não acordar os vizinhos, o funcionário público marcava o ritmo dos movimentos: um, dois, três, quatro, cinco, um, dois, ... Depois do duche rápido, vestia-se e saía para a rua. Chegava cedo e ajeitava os papéis ao longo da pequena bancada, ao seu alcance e fora do alcance de quem se dirigia ao guichet onde se escondia e se mostrava o funcionário público para distribuir o exacto papel e não um qualquer papel. Ali sentado do lado de dentro do balcão antigo, não deixava ver mais que os seus olhos de ave, uma gravata e a mão cuidada que entregava o papel exacto, necessário para um determinado acto.

Uma destas semanas, às ordens do governo, o funcionário público deu por si espantado sem saber qual o seu papel nem que papel havia para dar. Sem aviso aos utentes e ao funcionário, o papel de ontem que e ainda não se cumprira em qualquer acto, já não servia, porque os actos e serviços, ontem necessários para os utentes, tinham deixado de o ser para o governante que os tinha altianunciado. O funcionário público nem sabia o que acontecia para fazer acontecer a ordem do dia. E isto começou a repetir-se com uma frequência assustadora. Alguns trabalhadores que, a confiar nos governantes, ontem desempenhavam tarefas absolutamente necessárias, revelavam-se inúteis e mesmo prejudiciais hoje, por ordem do governo. O funcionário público via como cada uma das pessoas acolhia a dor ao deixar de ser a pessoa que era, pessoa em si mesma e para os outros que a reconheciam pelos serviços imprescindíveis que prestava. Não só tinham baralhado os papéis no seu guichet, como as pessoas da fila em espera tinham perguntas para as quais as respostas de ontem não podiam ser repetidas hoje e nem havia resposta que se pudesse dar. E que papel para as pessoas à sua volta?

Num instante, os governantes mudavam decisões para nenhumas decisões mais caras.



Sem saber bem qual é o seu papel, o funcionário público levanta-se manhã cedo, desliga a surdina e acorda toda a gente a gritar para quem o quer ouvir que é urgente mudar estes governantes antes que eles gastem todo o dinheiro a desfazer o que ontem era uma boa razão para gastar o dinheiro de amanhã.

O dever de um funcionário público pode ser pedir a demissão dos seus governantes?

[o aveiro; 12/07/2007]
 
5.7.07
  sala de espera
 
  pela casa
na multidão que habita a cidade não podes esconder-te:

cada par de olhos te vê como se te conhecesse desde criança
e sentes que te seguem na tua deambulação sem esperança:

sabes bem que mão procuras e também sabes perder-te
 
3.7.07
  o quadro
 
  Praça do peixe
Nos dias que correm, para serem elegantes e poderosos, os homens mostram-se a correr pelas ruas e praças. Aproveitando a frescura da manhã ou da tardinha, um homem poderoso e elegante deve tomar a dianteira de uma fila de homens seguros treinados em ordem unida e em limpeza de bermas do trilho. Há fotógrafos que correm, em rápida marcha atrás, tanto como os homens poderosos e elegantes, para fotografar o andar saudavelmente enérgico dos homens elegantes estampado nas caras sorridentes que trazem sempre afiveladas. Os fotógrafos que tiram estas fotografias são admitidos nos trilhos e chegam mesmo a aparecer como matilha.

Os homens poderosos e elegantes são optimistas, nunca esquecem o sorriso, o brilho no olhar e a palavra fácil sobre uma grande cimeira, razão directa da ciumeira oposicionista e invejosa. 

Podem surgir do nada os homens elegantes e poderosos, podem ser feitos de nada, podem ter sido feitos para nada como se fosse para serem tudo que é o nada do outro lado. O maior encanto dos homens elegantes e poderosos reside no milagre da sua criação por uma revista de recados, modas e bordados. A essência “chic” dos homens elegantes transparece tanto na passada elástica sobre passadeiras vermelhas como na forma do tornozelo que se vê nas fotografias das tão significativamente importantes saídas dos automóveis negros. Há mesmo quem diga que neste mundo atapetado e apatetado importa mais a riqueza do pormenor que o pormenor da riqueza e que um homem poderoso pode ser elegante na medida da marca do sapato ou do verniz. 

Em momentos de grande pompa, o mais importante para os homens elegantes é não mostrar uma única estaladela no verniz e dar para a fotografia a ruga de simpatia, quase humano sinal de compaixão por quem precisa de ver a fotografia para acreditar na benção da sua existência. 

As pompas civis repetem-se: assembleias de accionistas, cimeiras, estreias de teatro superbemestar ou exposição de rica colecção em instituições subsidiadas pelo estado, velórios, baptizados e casamentos de estadão.  O cerimonial com artistas poderosos e elegantes não é subsidiado, porque é o estado a representar(-se). Até um mosteiro pode virar camarim. Não falta arte para representar, nem ponto para a asneira mais artística, nem fresco papel moeda.

Quem lhes dá corda aos sapatos? 

[o aveiro; 5/07/2007]
 
  a leitura que nós somos
Se for verdade que nós escrevemos o que somos, é também verdade que nós somos o que lemos e diferentes seríamos se tivessem sido outros livros os que nos conduziram até aqui. Quanto mais leio, mais me sinto desmentido e, por isso, mais necessidade tenho de mentir a mim próprio para que o meu mundo não entre em derrocada.

Há quem diga que nós olhámos a religião como ópio do povo e a religião é afinal baseada na crença da imperfeição do homem terreno e que isso sim é a humanidade que anseia pela perfeição noutra vida que não nesta. E que procurar na vida terrena a perfeição humana transformou-se numa nova religião, ópio dos intelectuais que não se habituaram ao ópio do povo.

Quem assim nos olha, está sentado no penhasco mais alto e mais aguçado enquanto lê um livro de viagens escrito por um cavalheiro, e, sem acreditar em coisa alguma, deixam à turba a esperança na salvação eterna e aos intelectuais a degradação no culto do ópio e da perfeição humana em vida.
 
  pobre e pedinte
Não me penteio e, por isso, um espelho anda atrás de mim pela casa. Não sou capaz de o partir porque o barulho da sua choradeira acordava o prédio inteiro. De vez em quando vai à minha frente em marcha atrás com um pente na mão. O desgraçado do espelho é cego, mas eu não dou esmolas ao primeiro espelho que me aparece.
 

o lado direito




(...) o homem que não dorme pensa: «o melhor é voltar-me para o lado esquerdo e assim, deslocando todo o peso do sangue sobre a metade mais gasta do meu corpo, esmagar o coração».
Carlos de Oliveira
Google

o lado esquerdo
World Wide Web

LIGAÇÕES


escreva-me que bem preciso.


bloGeometria
infinitamente Pequeno
mesura
desenha
combate pela Geometria

homem à janela


ARQUIVOS
Maio 2003 Junho 2003 Julho 2003 Agosto 2003 Setembro 2003 Outubro 2003 Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

Site Meter
Powered by Blogger


sob licença
Licencia de Creative Commons