>
28.3.07
  a frente do progresso


A partir do dia 29, a Frente do Progresso é no Porto. Visões Úteis no Auditório Carlos Alberto, até 8 de Abril.
 
27.3.07
  ouro sobre ouro sobre azul
Vivemos um tempo de comemorações. Para exemplo, tomemos as bodas de prata da Comunidade europeia e as bodas de ouro da RTP.

Recentemente, dei por mim fascinado com um passeio marcial de poderosos numa daquelas praças desertas que se abre para um arco de triunfo berlinense. Ouvi os tacões picando o chão até que um eco ficou a pairar no ar enquanto os poderosos se perfilavam em duas filas para a fotografia oficial das bodas de prata. Como se a Comunidade fosse uma “passerelle” onde desfilam modelos de poderes públicos, em vez de uma casa habitada pelas pessoas dos defeitos vulgares.

Na Rádio Televisão Pública, tal como em qualquer outra Rádio Televisão Privada, falaram das bodas de prata da Comunidade e mostraram os passeios marciais e as fotografias oficiais. Alguns entrevistadores perguntaram sobre a Europa para que entrevíssemos algum ar europeu. Pouca coisa, pouca prata. A RTP foi um portador sovina em mensagens sobre a prata comemorativa da comunidade. Daí resulta um empobrecimento na importância do acontecimento da prata europeia.

Inversamente ao desdestaque atribuído à realidade europeia pela RTP, esta andou mergulhada na criação de múltiplos eventos e programas comemorativos das suas próprias bodas de ouro. A RTP destacou todo o esplendor dos seus 50 anos de vida. Tratou de coleccionar as fotografias de toda a sua vida para as mostrar. Desde o preto e branco até às cores todas de hoje. Sem distinguir a realidade da televisão de antes e depois do 25 de Abril, mostrando as notícias e imagens consentidas pelo regime fascista como se não tivesse havido censura, mostrando a grande família da RTP como se a RTP de hoje fosse a RTP de ontem, modelos culturais sucedendo-se como se o molde fosse o tempo que passa e o regime salazarento não tivesse sido molde para coisa alguma.Vimos sucederem-se os diversos tempos louvando-se e beijocando-se mutuamente.

Chegámos ao espectáculo deprimente do festival rtp da canção deste ano que podia ter sido, a menos do detalhe da cor e da coreografia, o primeiro festival da rtp em que rezámos de tal modo mal que fomos abandonados por Deus desde então. Os dentes de ouro da RTP brilharam em todo o seu esplendor.

E, finalmente, este ambiente podre desembocou no último acto designado como “o diz que é uma espécie de benção ou de eleição” do benzido por um cardeal e eleito de deus.

O ouro que brilha esconde e cega as falhas, as rupturas - por exemplo, a democracia portuguesa e a comunidade europeia.

[o aveiro; 29/03/2007]

A RTP teve as suas bodas de ouro ao mesmo tempo que a Comunidade Europeia? O Portugal salazarento não queria ser uma democracia europeia e é por isso que escrevo sobre as bodas de ouro da rtp e as bodas de prata (ianda futuras) aproximadas e já diminuídas da Europa com Portugal dentro. O ano de ouro é só o da rtp.
 
25.3.07
  sábado
 
  sábado
 
20.3.07
  a pontaria dos cegos
Não dei pela passagem do tempo? Ou não dei pelo tempo que passou? Ou foram os acontecimentos que se repetiram em tempos diferentes para parecerem um só num só tempo? Já não são as pessoas que se acotovelam. Não podemos deixar de ver que são os acontecimentos que se acotovelam uns aos outros. É estranho ver os acontecimentos a ser as pessoas em vez delas e a ocupar o lugar do tempo.

Há pessoas que aceitaram existir como personagens ou figurantes de acontecimentos previstos para ser a sua existência. Fora desses acontecimentos filmados para serem reais, tais pessoas não existem. Podemos imaginar que há um tempo de vida fora das câmaras, mas todo dedicado à preparação das cenas, aos costureiros, ao cabeleireiro ou peruqueiro, à maquilhagem e ao aquecimento dos músculos ou das próteses e das cordas vocais. Não há pessoas arrebatadoras, há acontecimentos arrebatadores.

Ainda não estava recuperado do arrebatador recomeço independente com uma cerimónia presidida por um reitor quando o vi a ser interditado por um tribunal do comércio cuja sentença foi executada por um ex-vice-verde-reitor acompanhado de advogados e seguranças para ser reposto em seu poiso com apoio da polícia para ser de novo retirado daquela cena já não sei por quem mas com certeza por razões puramente comerciais e substituído por um conselho de reitores. Se ouviram e viram aquelas personagens têm de concordar que elas não parecem particularmente interessantes em si mesmas, mas os acontecimentos urdidos são arrebatadores, comercialmente falando. E aterradores, se nos lembrarmos que tudo se passa numa unidiversidade.

Paulo Portas passa os dedos pela testa. Mostra com gestos firmes como controla a melena. Enquanto nos olha de frente com olhos bem abertos e riso mais branco que franco, domina o partido do passado no tempo presente, tomando a via directa pela direita. Insensível à informalidade do colarinho de portas abertas, uma mulher decide abusar do seu poder formal momentâneo para afirmar a formalidade do respeito pelos estatutos como condição da democracia partidária e nela inscrita para emperrar portas à entrada dos penetras - ora invasivos, ontem evasivos. Ficamos a ver como uma reunião pode ser arrebatadora. Viram que não há pessoas envolvidas, mas só figurantes e figurões para uma peça sobre a receita de poder instantâneo, filmada numa cozinha de um partido com dote.

Quando o alvo fala, nem o cego falha.


[o aveiro; 22/03/2007]

Etiquetas:

 
13.3.07
  o passeio que passeia
Antes de mais nada, devo dizer que ando contente com coisa pouca. Como é natural em mim, devo confessar. Há mais de uma dúzia de anos que vim morar para o bairro da cooperativa. À volta da casa, continuaram as pequenas e grandes obras. Antes da minha rua que nem demorou muito a ser feita, viveram-se tempos desesperados para as primeiras ruas do empreendimento cooperativo. Só que uma rua ainda é a rua dos carros e a rua que os meus pés pisam só agora está a surgir completa. Fico contente e vou fingir que esqueço de toda a lama e poeira que nos cercou todos estes anos passados. De facto, tudo foi feito para acolher os automóveis e, por isso, já nem estranho ter ficado rodeado de carros por todos os lados e até ver que eles galgaram das ruas para os passeios dos peões. À porta da escola onde trabalho, as horas de entrada e saída de jovens mostram o atraso da minha cidade: jovens fazem manobras com grandes automóveis para mostrar a máquina às catraias, mães e pais fazem filas de blindados para despejar as crianças e jovens, ... Tudo está feito para os carros e, mesmo quando não está, a vontade das máquinas tomou de assalto o espírito dos lugares e ouve-se um ronco de (a)celerado. Mesmo assim, fico contente por ver o passeio da minha rua e ganho nova esperança em ver nascer passeios nas ruas de entrada de Esgueira que os meus pés não encontram hoje, quando lá chegam vindos do outro lado da linha. Contente também fiquei por ter conseguido pisar passeios (ainda em obras em alguns sítios) desde a cidade até ao Parque de Exposições. É bom pisar passeios. Dá-nos algum conforto e segurança. Coisa pouca e fico contente.

Na sexta e sábado passados, discutiram-se tecnologias da informação desde o passado até ao futuro, desde o Portugal até ao Aveiro-Digital. E veio Ministro, para o enceramento. Na segunda, vieram as tecnologias limpas até Aveiro pelas mãos do Presidente. O dia seguinte acordou as PME com um deputado despertador... Os porquês dos temas desfilaram? Quem é quem desafiou o futuro?

Claro que nenhum deles pode perceber o meu sapateado de alegria pelos passeios. Talvez nem saibam da importância do tema dos passeios de Aveiro. Talvez saibam.


[o aveiro; 15/03/2007]
 
11.3.07
  personagem
 
  entre outros
 
  o outro
 
  o desenho
 
  quem estava?
 
  quem estava na reunião?
 
7.3.07
  o caso independente
A Independente é um caso. Mais um caso. Quando ouvimos falar os responsáveis e ex-responsáveis daquela Universidade ficamos sem fala. Sem qualquer ponta de vergonha, os amigos de ontem esfrangalham as hipóteses de honra que sempre se presume existir em responsáveis por estabelecimentos de ensino homologados pelo nosso governo. Num combate sem tréguas, travado num terreiro de lama, os frangos velhos dizem quem são quando falam de si mesmos e de cada um dos outros. Mais claros ainda, quando falam de milhões, de dinheiros mal parados ou de origem duvidosa para não dizer tenebrosa, quando dizem eles mesmos o que fizeram por cada um dos outros com o dinheiro de quem não sabemos. Pela boca do escol da universidade independente, ficamos a saber de que escola se trata. Cada um deles é dono daquilo, cada um deles está cheio de papel, de razão, de despachos, de processos em segredo de justiça e sem segredo nenhum, acções entregues e depositadas aqui ou ali em algum vão da escada da justiça portuguesa.

Por uns tempos, a universidade independente fica fechada e, em vez das aulas dos professores, os estudantes assistem a aulas dadas pela televisão, em directo da boca do magnífico reitor ou de algum magnífico qualquer outra coisa. Em directo também, assistimos a uma cerimónia de reabertura das actividades da universidade com as aves raras fardadas de negro com enfeites amarelos nos chapéus magníficos. Quando assim aparecem, ficamos mudos de espanto. Mais espantados ficamos com a nomeação de alguns figurões pescados da imensa lista dos novos figurantes negociados sob a pressão do fragor dos combates dos frangos que se depenaram em público até termos visto as vergonhas que as togas nunca conseguirão esconder.

Cada um dos três melhores deste processo independente disse de cada um dos outros que é gatuno, sem esquecer menções especiais aos membros da família do citado. Esta universidade continua e continuará aberta e como universidade, porque o governo homologou cursos e graus e há jovens envolvidos cujos interesses têm de ser acautelados. Já não é a primeira forma de universidade que sobrevive por via desta chantagem, com prejuízo para todas as instituições de ensino superior.

Será que não há outra maneira de acordar destes pesadelos?

[o aveiro; 8/03/2007]
 

o lado direito




(...) o homem que não dorme pensa: «o melhor é voltar-me para o lado esquerdo e assim, deslocando todo o peso do sangue sobre a metade mais gasta do meu corpo, esmagar o coração».
Carlos de Oliveira
Google

o lado esquerdo
World Wide Web

LIGAÇÕES


escreva-me que bem preciso.


bloGeometria
infinitamente Pequeno
mesura
desenha
combate pela Geometria

homem à janela


ARQUIVOS
Maio 2003 Junho 2003 Julho 2003 Agosto 2003 Setembro 2003 Outubro 2003 Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

Site Meter
Powered by Blogger


sob licença
Licencia de Creative Commons