>
26.4.05
  A família e os amigos.
1.
Há assuntos de família. Os assuntos de família dos outros não me dizem respeito. Não me interessa minimamente a família de Freitas do Amaral. Mesmo quando algum membro da família de Freitas do Amaral foge ao fisco e aos credores, penso que cabe à justiça tratar do caso. Não é assunto que me leve a escrever.
Mas quando o membro da família de Freitas do Amaral que foge ao fisco e aos credores (também trabalhadores por conta dele) aparece com cargo (e mais que bem remunerado) no Ministério dos Negócios Estrangeiros já tenho de me preocupar com ele e com Freitas do Amaral. É mau sinal. O homem não paga ao estado o que lhe deve e recebe do bolo para o qual não dá. E o estado paga-lhe mesmo quando não deve? Não temos um Ministério de Negócios Estranhos.
Denunciado, o familiar demitiu-se. Mas é preciso não esquecer.

2.
E as amizades? As amizades de alguns políticos são curiosas. O nosso Durão Barroso é uma das maiores atra(i)cções de amigos. Há menos de 30 anos, Durão Barroso era um jovem militante maoísta e os amigos que então tinha não vêm ao caso. Há cerca de seis anos chegou ao topo do PSD e a primeiro ministro. Nessa altura, ainda mal aquecera o seu lugar de primeiro quando um amigo de Durão Barroso, com ilha no Brasil, o convida (família incluída) para uma de boas festas com viagem em jacto particular. Quanto custará a prenda do milionário amigo? Durão não deu cavaco ao espanto do povo que maldisse entredentes a compra pelo governo de um magnífico topo de gama à empresa do amigo, bem como a concretização de outros chorudos negócios.
Ainda não passou um ano de chefe dos comissários da União Europeia e já nos dizem que Durão e família teve direito a um cruzeiro de milionário. Durão Barroso alargou o seu leque de amizades milionárias e foi um milionário grego quem lhe ofereceu o cruzeiro. Por acaso, é alguém que não quer ver-se grego nos negócios que mantém com a união de que Durão é chefe executivo.
A família não se escolhe. Os amigos escolhem-se. Os negociantes milionários escolhem, para amigos, primeiros ministros e presidentes de comissão. Há um primeiro ministro e presidente da comissão europeia que é português e aceita prendas milionárias. Em exercício.
Quem disse que estes tipos prestigiam o nome de Portugal? O bom nome?

3.
Foi para estes que se fez o "25 de Abril"?


[o aveiro, 28/04/2005]
 
  podes dar-me
podias dar-me o céu
da boca num beijo

assaltimbanco
 
25.4.05
  O que é a inovação?
Inovação é pegar em conhecimentos novos e transformá-los em riqueza! - diz uma mulher na televisão.
 
  25 de Abril, sempre!
Não parámos de correr ao lado do nosso tempo. Ás vezes pensávamos que corríamos à sua frente. Mas isso sabemos hoje que é o puro engano que queríamos ou de que precisávamos para continuar a correr para o lado da frente, onde, por convenção, o tempo se está a desenrolar sem parar.

De todos os rumos que a conversa podia ter tomado, rumámos para o lado da liberdade e da democracia. Não demos tanta importância ao desenvolvimento sempre que ele nos aparecia como coisa desgarrada da liberdade, da democracia e até da igualdade. Houve tempos em que mantivemos uma confusão entre igualdade e igualitarismo. Mas não foi isso que estragou a caminhada.


De resto, a nossa vida não chegou para mais do que uma conversa intermitente sobre a cultura em geral, a matemática como tema e o ensino bem sucedido na aprendizagem como obsessão. Comprámos todas as ideias que havia para comprar. Tudo se resumia em encontrar uma que funcionasse. A ideia foi estratégia e táctica, pedagogia e didáctica, actividade e tarefa, situação e problema, teoria e prática, etc. Fora isso, navegámos sempre com os amigos à vista e eram eles quem nos guiavam nos disparates maiores sobre a ilusão das criação do homem novo pela educação e pelo bem estar geral, pela fraternidade universal,... A idade leva-nos a pensar que nada é tão profundo assim e que o nosso papel e o da nossa época é infinitesimal. De facto, até esses amigos fomos perdendo de vista à medida que os víamos do lado dos poderosos e sem serem os exemplos que nós queríamos ver.

Há quem arranje novos amigos dos novos conhecidos que são ricos e poderosos. Conhecemos militantes marxistas leninistas que, em trinta anos, se tornaram políticos nos partidos do poder e ganharam amigos milionários ou são eles mesmos milionários. Amigos? Estranho, não é?
Talvez não! Provavelmente não estamos a falar de amigos, mas de trocas de favores e tráfico de influências. O mais provável é que nem haja amigos nesse mundo para onde eles foram.

Fugimos desse mundo. E arriscamo-nos a ser acusados de crimes vários e cobardia. Mas se é verdade que a democracia é o melhor de entre todos os maus sistemas políticos, continuamos a acreditar que os tipos da nossa geração que foram para o poder fizeram algum mau serviço quando foram exemplos de corrupção e levaram multidões a pensar que o poder corrrompe, que todos os políticos são uma merda sem excepção e que não foi para alimentar estes filhos da puta que se fez o 25 de Abril.

Não podemos resumir o que fizemos e o que falhou de tudo o que fizemos, nem podemos saber o que sobrou do que fizemos. De certo modo, podemos fazer a lista dos desejos que perseguimos, sabendo que hoje continuamos no caminho, um pouco mais à frente no caminho para o que sabemos inacessível e não desistimos de atingir.
 
21.4.05
  ... la verdad es un armario lleno de sombra
Juro que la belleza
no proporciona dulces
sueños, sino el insomnio
purísimo del hielo,
la dura, indeclinable
materia del relámpago.


Gamoneda
 
  Hábitos de leitura?
O   prego no sapato   pergunta e eu respondo:

1. Não podendo sair do Fahrenheit 451, que livro quererias ser?

Confesso que nunca me passaria pela cabeça querer ser um livro.


2. Já alguma vez ficaste apanhadinho por um personagem de ficção?

Também me deixei maravilhar com velhos eternos que vivem no realismo fantástico latino-americano ou personagens dos romances de Amado, London ou Gorki ou ... de Umberto Ecco, por exemplo. Mas eu sou apanhado por tudo quanto é personagem dos romances que leio. Sou um fraco.


3. Qual foi o último livro que compraste?

O último? Geometria, do Eduardo Veloso, num encontro de professores de Matemática ali para os lados de Albufeira. De vez em quando compro mais uma Geometria do Veloso. Antes, para além de alguns livros de divulgação científica, tinha comprado a "Poesia" de Montale, "A Tábua de Flandres" de Pérez-Reverte, "Glória" de Vasco Pulido Valente e "Documentos Arabicos para a História Portugueza copiados dos originais da Torre do Tombo...." de Fr. João de Sousa. E comprei as "Cartas a Lucílio" de Séneca. Não sei qual foi o último.

4. Que livros estás a ler?

Poesia, de Montale. Rimas, de Petrarca (VGM). A Tábua de Flandres, de Arturo Pérez-Reverte. E descanso a cabeça na geometria deste e daquele

5. Que livros (5) levarias para uma ilha deserta?

Nunca saberei. Porque iria para uma ilha deserta? Para morrer? Para ler? Para fugir daqui? Escolhia alguns desafios matemáticos que pudessem dar bons desenhos na areia. E talvez levasse "A ordem alfabética" porque numa ilha deserta teria de ter presente todos os perigos de alguma boa ordem, um Vian qualquer, uma Lírica de Camões para ser feliz e infeliz com todo o encanto.


6. A quem vais passar este testemunho (três pessoas) e porquê?

Ao Arcêncio de "Um murtoseiro" porque sim, ao Delfim de "A sebenta" porque não? e à Rosário Fardilha de "Divas e Contrabaixo" por não a conhecer e não conhecer outra diva com contrabaixo.
 
20.4.05
  Como vamos de amores?
O homem olha para trás, por cima do ombro. Os olhos pouco vêem, mas não lhe escapa uma sombra na parede. Apressa o passo para o lugar inundado pela luz. Ali chegado, descansa encostado a uma parede que nem existe. Ali sente-se bem e seguro: tem governo europeu, nacional, regional e local, tem presidente, tem pároco, bispo, cardeal e tem... papa. Não lhe falta nada porque ninguém lhe falta.
O homem olha para trás, por cima do ombro. Agora que o afastaram de todas as sombras e de todas as dúvidas, o homem pode descansar. O homem, da sua varanda de luz, diz para quem o quer olhar que nem tudo o que lhe é dado ver merece ser olhado com compreensão.
[ Cada um de nós sabe que algumas verdades apregoadas já foram desmentidas pelo rigor dos factos observados e dos resultados das experiências vividas e não mostramos compreensão pelo relativismo. Podemos combater as ideias perniciosas e opostas a evidências científicas sem condenar ou agredir fisicamente quem as defenda. E não mostramos a mínima compreensão para quem defenda a violência, viole os direitos de outros, destrua o património natural e construído de todos e de cada um, ... ]
O homem olha para trás, por cima do ombro. Ensinaram-lhe isso, mesmo antes de lhe darem a sua quota parte de ciência e de lhe cederem um lugar humano. Ensinam-lhe isso dando-lhe a beber crenças que o incluem numa parcela humana e o excluem das outras.
[Mas a aldeia global que o mundo é oferece-nos a visão do outro com suas crenças, muitas vezes tão opostas nos interesses sectários como unidas em origens comuns. E isso fez-nos olhar para os outros, para compreender e não excluir. Sem nos obrigarmos a mudar de crenças, sabemos da variedade e da unidade e aprendemos a olhar.]

O homem olha para trás, por cima do ombro. Por medo das sombras e das dúvidas. Nesta semana, ouvimos muitas vezes falar da necessidade de negar e renegar o relativismo neste sentido das crenças religiosas. De que falamos quando falamos de relativismo? No que respeita à universalidade dos direitos humanos não aceitamos qualquer relativismo cultural ou étnico nem relativismo contra as evidências científicas.

Da obra humana, o que mais há que não seja relativo?


[o aveiro; 21/04/2005]
 
15.4.05
  sol na pedra
 
  por onde andas
 
  por onde andas
 
14.4.05
  ombro
encolhes
os ombros
ao verme


de tanto
encolher
os ombros

os tolhes
d'espanto

fisiotera
peito-te?
fisiotera
peuta-me!
 
  ombreijo
com cuidado medido quem te abraça
de lev'em fugidio voo solta o beijo

e a ternura mais forte que o desejo
talha o mau olhad'ombro: já passa!
 
  desenhei, logo existiu
 
  desenhei, logo existe
 
13.4.05
  o que se encontra


De um caderno antigo, cai-me um papel que tinha um recado


Do outro lado, da folha há quem exista por ter sido desenhado



em 1986, em alguma reunião do sindicato.

 
  Babe, outra vez



Fotografias de José Carlos Soares

 
12.4.05
  sonito
arranjei uma des
culpa para te te
lefonar esta vez
foi bom ouvir-te


mas saber-te dis
tante tão que es
queceste o feliz
riso entredentes


não te lembrares
do meu nome inda
vá mas do cheiro

o nada guardares
triste'sim find'a
mor num tinteiro
 
  A aranha
Não há dia que passe sem que se desvele uma ou outra faceta mais ou menos confidencial de algum ex-ministro. Não fico muito perturbado ao saber que eles são quem são e o que são e o que fazem ou fizeram.

Na última semana, ficamos a saber da natureza das habilidades de Paulo Portas quando utilizou militares fardados para dar credibilidade aos ecos da propaganda americana durante a guerra do Iraque. Os militares cumpriram ordens expressas do poder político. Durante o tempo que durou a guerra, isso aconteceu sistematicamente. Há quem saiba que os militares não podem tomar a iniciativa de serem comentadores. Mas há muita gente que pode ter pensado em liberdade na iniciativa dos fardados e que essa presença dos militares era enriquecimento da informação e não manipulação pura.
Sabemos agora que mentiam com quantos dentes tinham na boca quando falavam das decisões sobre a Bombardier e a produção disto ou daquilo, ou quando enchiam a boca com a segurança interna, o reequipamento das polícias, etc.
Para além dos louvores e das nomeações de conveniência, ex-ministros trataram de formalizar negócios de milhões em fim de linha, em que o dinheiro corria dos cofres do estado para os cofres das empresas dos amigos. Apressados negócios feitos por governantes sempre de boca cheia para a moralização das contas públicas, para o controle do défice, ... para a necessidade de sacrifícios por parte dos trabalhadores, a começar na função pública. Os nomes a lucrar do lado do sector privado são figuras, figurantes e figurões que aparecem nas televisões como vasos comunicantes de sabedoria e honestidade. Andam por aí esses políticos que são banqueiros ou administradores por serem ou terem sido influentes políticos, etc. Sabemos dos negócios e sabemos dos nomes dos figurões, badalados em congresso. Sabemos até dos negócios porque o novo governo teve de anular alguns deles.

Não fiquei perturbado por saber o que afinal sabia.
O que me perturba é que estas actuações de Paulo Portas e governos só foram analisadas e criticadas pelos jornalistas e suas organizações depois da queda do governo. E dos negócios? Soubemos quando? De quantos?
Fico perturbado, porque me sobra uma ligeira sensação de controle da comunicação social que conta mais poderosos políticos comentadores que jornalistas livres de exercer a sua profissão.

[o aveiro; 14/04/2005]
 
7.4.05
  para onde vou
para onde vou
a vida sucessiva rolante
basta como transporte

por quem eu sou
apressa-se vítima confiante
a amante rente à morte
 
5.4.05
  A regra dos três simples
José Sócrates é Primeiro Ministro, Lurdes Rodrigues é Ministra da Educação e Valter Lemos é Secretário de Estado da Educação. Escrevo aqui os nomes, porque ainda hoje há professores nas escolas públicas sem saber quem é quem no Ministério da Educação.

Vi os três juntos em visita a uma escola dos arredores de Lisboa. Juntos e ao vivo enunciaram a regra falhada e a que chamo agora a regra dos três simples, enunciada também em comunicado do governo: "Os tempos escolares devem ser totalmente preenchidos...", isto é, que "em caso de falta de alguma actividade lectiva prevista, a escola disponibilize imediatamente uma resposta para os alunos" e, para conseguir isso, diz-se que "há em todas as escolas professores cuja disponibilidade deve ser plenamente utilizada pela escola para ensinar e acompanhar os alunos em todo o dia escolar" e que ?as escolas dispõem de recursos como bibliotecas,"etc... para "a ocupação plena dos tempos escolares".

Esta regra toca um dos pontos nevrálgicos do sistema - disciplina do horário escolar dos estudantes e horário dos professores. E, se é verdade que felizmente começa a haver instalações equipadas para o trabalho escolar com os estudantes não é menos verdade que não há condições mínimas para o trabalho não lectivo dos docentes e que é, por isso, impossível garantir a presença dos professores quando não estão a dar aulas aos seus alunos. Os professores do ensino não superior carregam toda a vida numa pasta ambulante, podem não ter sequer uma gaveta, não têm certamente mesa ou cadeira para o seu trabalho não lectivo que pode ocupar mais tempo que o lectivo.

Num país em que se lê pouco, não devia ser difícil fazer o mais simples: sempre que há tempo, cada um lê, todos lêem. Porque é que uma coisa tão simples como essa não funciona? Não deve ser só por dificuldades dos professores e das instalações.

É preciso criar condições para a permanência dos professores na escola e restaurar a exigência sobre a qualidade dos serviços de educação e ensino, exigindo aos estudantes responsabilidade e cumprimento de obrigações, iniciativa e disciplina.

Sem questiúnculas sindicais de horários a contaminar o que é um problema cívico de exigência, aproveitemos para lutar pela dignidade e exigir respeito e condições para o trabalho dos profissionais nas escolas públicas.

E se faça escola rigorosamente simples.


[o aveiro; 7/04/2005]
 
4.4.05
  desenhei, logo existe



 
  desenho, logo existe



 
  desenho, logo existe



 
  desenho, logo existe



 
  chão de flores



 
  chão de flores



 
  Chão de flores



 

o lado direito




(...) o homem que não dorme pensa: «o melhor é voltar-me para o lado esquerdo e assim, deslocando todo o peso do sangue sobre a metade mais gasta do meu corpo, esmagar o coração».
Carlos de Oliveira
Google

o lado esquerdo
World Wide Web

LIGAÇÕES


escreva-me que bem preciso.


bloGeometria
infinitamente Pequeno
mesura
desenha
combate pela Geometria

homem à janela


ARQUIVOS
Maio 2003 Junho 2003 Julho 2003 Agosto 2003 Setembro 2003 Outubro 2003 Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

Site Meter
Powered by Blogger


sob licença
Licencia de Creative Commons