>
29.2.04
  Achas para a fogueira
Há fogueiras que devem manter-se acesas enquanto a noite for fria.
Rui Baptista, homem de amor e ócio e de Aveiro, passou pel'O lado esquerdo e deixou recado.

Falou da Ana S. Lopes, a mulher que escreveu que o aborto de que se fala não é só um problema de consciência, é também ou principalmente(?) um problema da lei, e lembrou-me o artigo -- Embirrações e Bom Senso que o Rui Baptista escreveu num dia da semana passada. Enquanto o tio passeia o seu ódio inteligente (como eu o compreendo!) pelos economistas, um economista, que toma conta da economia intelegível, acrescenta-nos dados para olhar o problema da IVG. Para ler, claro!

Boa dica!
 
  Dicas para a memória na passagem.
Aconselho vivamente o texto de Ana Sá Lopes O Debate, da última página do Público. Porque sim.
E ver o que desenha Maitena -- na Pública -- sobre as mulheres

E o texto do A. Barreto - Ainda as escutas , sobre direitos humanos entre o que cada um sente e o que o Estado pode sobre cada um. Tratra-se de assunto essencial da democracia, mesmo quando não parece.
E todos os que escrevem sobre escutas daqui, dali e de todo o mundo, ... na ONU, por exemplo.
E a entrevista de Alexandra Lucas Coelho a J. Cutileiro sobre o Iraque, os senhores da guerra, a diplomacia, a mentira, etc.

E o que é o bartoon de hoje , artigo do meu cronista social preferido - luis afonso.

A. Fernandes lembrou-me que tenho em casa um livro da biblioteca da escola, que já devia ter sido devolvido. O livro de puyg adam sobre geometria projectiva olha para mim pedindo que o leia. Sem sucesso, tenho de reconhecer. Tinha sido esquecido, estando mesmo a olhar para mim todos os dias, como culpa e remorso. E, no entanto, ele vale mais do que os outros afazeres e tudo o que gasta o meu tempo. Mais me valera ler o livro do que os jornais.

Hei-de ver chegar o tempo em que me dedique (a todo o tempo) aos livros por ler e passe sem ler jornais? Porque tornar a vida no acidente do dia de hoje, 29 de Fevereiro - público, diário de notícias, expresso, ... ? Isto dos jornais passa e, em cada dia, torno-me o arrependido do meu dia de ontem.

 
  Os dias que passam a correr
É bom escrever alguma coisa a 29 de Fevereiro. É coisa rara só por isso. Devia mesmo procurar um livro de poemas escrito a soluços, garantidamente só em anos bissextos. E nada melhor do que concentrar isso a 29 de Fevereiro. Escrever os bissex(t)os da vida deve ser uma vitória. Com a vantagem de poder descansar verdadeiramente entre cada poema ou texto ou pintura ou desastre. A vida nos bissextos. A vida num dia exclusivamente bissexto. Sacrificar a vida toda ao descanso para garantir um produção gloriosa e bissexta.
Daqui para diante, se acabar o meu relatório hoje, a 29 de Fevereiro, começo poupar-me para o próximo dia 29 de Fevereiro. Só a qualidade do que for esse longínquo dia passa a interessar-me. Dou de barato todos os outros dias dos próximos anos para que esse dia acorde luminoso, cheio de harmonia criativa, capaz da revolução, capaz de ser capaz. Posso esquecer-me mesmo de mim e das minhas óbvias e visíveis fraquezas no resto dos dias. Sofro menos com tal projecto de vida e talvez até dure mais. Só sobra um problema: e se eu me esquecer do que ando a preparar, do que me espera e para que me estou a guardar. Então toda a minha vida seria inútil, exactamente como é hoje.
 
26.2.04
  o que não era para ser feito
Quando não consigo dar conta dos meus recados, dou por mim a fazer outras coisas que não têm tempo e podem não ter qualquer utilidade aparente. Umas vezes desenho o desconforto, que é o que faço na maior parte das reuniões. Outras, adormeço à espera de nova tentativa que dê frutos. Hoje decidi vaguear por alguns “blogs” e até acrescentar ligações à medida que os ia descobrindo.


não devia enviar isto à Raquel, mas não fiz outra coisa.



 
25.2.04
  A ave e as asas: aveiro e o lado esquerdo
Raramente sinto necessidade de me explicar. Penso sempre que não sou objecto de curiosidade ou estudo. Muito menos o que escrevo ou deixo de escrever. Penso que pouca gente lê o que escrevo. Mas para evitar ideias erradas, embora bem intencionadas vale a pena explicar a origem dos títulos "O lado esquerdo" e "aveiro.blogspot.com".

O blog "o lado esquerdo" é nome herdado de alguma coisa que escreveu Carlos de Oliveira (em "Sobre o lado esquerdo"?) e que, se a memória não me atraiçoa, dizia-me ( a mim que o lia!) que me deitasse sobre o lado esquerdo se quisesse esmagar o coração. O título tem mais a ver com a poesia do que com a política. Mas já houve quem atribuísse a "o lado esquerdo" a representação oficial ou oficiosa do Bloco de Esquerda em Aveiro. Não é verdade.

E o endereço url - aveiro.blogspot.com – só tem a ver com o motivo proximo por que foi criado. Numa dada altura, o meus "G4 titanium - mac" de serviço abandonou-me com o correio às voltas. Uma das minhas obrigações era o envio semanal de uma crónica para "o aveiro". Para não ter problemas com mensagens perdidas e por não estar sempre no mesmo sítio e à mão de semear, abri o "blog" mais como depósito de crónicas de "o aveiro" que outra coisa. Só por isso, foi registado com aquele nome. Aveiro como endereço tem mais a ver com o semanário que esperava que eu escrevesse, mesmo quando contrariado, do que com a cidade ou o que nela se passa. É a vida.


Espero ter esclarecido os nomes "O lado esquerdo" e "Aveiro".

Como prevenção aos que possam esperar de mim respostas sistemáticas a críticas sobre o que escrevo, aproveito para denunciar a minha fraqueza na vontade de ir a guerras, que não travo, em torno das minhas próprias opiniões que não são mais do que isso. Salvo raras excepções, a exposição das diversas opiniões conrtraditórias permite a formação de juízos por quem lê.


E, já agora, aproveito para me disponibilizar a ajudar à resolução de algum problema que haja entre “macs” e “blogs”.

E aproveito para confessar que tenho a opinião que vinga em aviz , que leio, a respeito do trabalho de Paulo Querido e do weblog.pt. Eu cheguei mesmo a tentar migrar, mas houve uma grande quantidade de problemas com caracteres e, sem tempo para os enfrentar, abandonei a ideia. Um dia, hei-de voltar a ela.
 
24.2.04
  A percentagem de nós
Não admira que haja tantos problemas nas cervicais do povo do meu pais. Começo a desconfiar que é mais por excesso de exercício que por falta. Nós damos voltas à cabeça para perceber o que passa pela cabeça de alguns governantes e políticos. Eles dão-nos volta à cabeça. Ficamos feitos num nó ou num (dois ponto) oito e aprendemos como uma dor difusa pode tomar a forma de um nó na garganta.

De um lugar da plateia do povo, vejo fazer operações financeiras puras, passes rascas de magia e fantasia. De facto, não conseguimos reduzir as despesas nem aumentámos as receitas e também não produzimos mais riqueza verdadeira. E sobre isto, todos estamos de acordo. Apesar disso, o governo da nação consegue diminuir o défice. Qual défice? O real excesso de passivo ou despesa relativamente ao real activo ou receita? Não. De facto. o que a imaginação contabilística faz é tapar o buraco de uma conta. Como é que se tapa um buraco destes num instante? Vende-se o máximo que se pode do que se tem e penhora-se, etc. O mandato para quatro anos de um governo pode dar-lhe tempo para vender o património público de dezenas, quando não centenas de anos. Abrem-se novos buracos para obter receitas extraordinárias, na falta das ordinárias. Sem falar, é claro, no que se foi deixando de pagar (por exemplo, à indústria farmacêutica) para diminuir a despesa. Se comprarmos sem pagar, não aumentamos a despesa? De facto, transformamos o que não foi uma despesa de hoje numa enorme despesa de amanhã. Não tem custos vender à banca, a despesa para que seja ela a pagar? Não tem custos vender à banca as receitas por cobrar?
Porque é que devemos ficar todos contentes com o “dois ponto oito”? A percentagem tem alguma coisa a ver com rigor? Que números nos importam?
Os números de desempregados, de falências da produção e do comércio, da formação, os números da sida, da droga e da gravidez precoce, os números da justiça, das prisões e dos suicídios nelas, os números da fraude e evasão fiscais e da corrupção, os números da dominação do futebol em coberturas noticiosas das televisões, … só nos dão a medida da nossa tristeza. Relativamente à Europa, cada um destes números faz de nós campeões em percentagem de nós cegos.

A realidade social não conta. O que conta são os números que a mostram ou a escondem, porque somos um pais de trespasses (e trespassados). O objectivo de muitas empresas não é a produção de bens ou a prestação de serviços – é o negócio do lucro no trespasse. Tudo tem de ser rápido, em pequenos prazos – vantagens e lucro a qualquer custo e para ontem. Quem fala de empresa governativa hoje, fala disto… e de "tangas".

[o aveiro; 26/02/2004]
 
21.2.04
  O sexo dos educandos e dos educadores
E não resisto a recomendar a leitura dos diálogos entre filho e mãe-professora, escritos por Graça Barbosa Ribeiro, sob o título E alguém os vai ensinar? no Público de hoje. Quem não se reconhece na dúvida?

E já agora, vale a pena ler o artigo de hoje de Santana Castilho - Fazer bem e bater certo . A certa altura, escreve ele: "Agora é a educação sexual, como se tal não devesse e não pudesse ser tratado em várias disciplinas e programas já existentes. Antes foram as novas tecnologias, assunto do foro metodológico transdisciplinar, ridiculamente remetido para disciplina autónoma. Outrora trataram de ignorar o dever que qualquer professor tem de ensinar o aluno a trabalhar e estudar para entregar a tarefa ao designado "estudo acompanhado", orientado por dois docentes em tempo específico. Farão bem, em seu entender. Fazem errado, no meu." E sobre a nossa inefável e inestimável educadora-chefe, ele escreve: "Luís XIV é por certo o Sol que ilumina a inefável secretária de Estado Mariana Cascais. Não me admirarei mesmo se do retrovisor da sua viatura oficial pender um galhardete com guizos e a inscrição "L'État c'est moi". Li Sua Excelência no "Diário de Notícias" e pasmei. Disse a dita: "... Se eu quisesse, não havia educação sexual..." Para os mais distraídos, recordo que esta senhora é a mesma que foi à Assembleia da República afirmar que a religião oficial do Estado português é a católica. Estará ela convencida de que faz bem?"

E chamo a atenção para uma outra opinião de passagem, agora sobre a religião nas escolas, depois de uma primeira parte de critica à posição do governo de Chirac sobre a proibição de sinais exteriores de riqueza religiosa: "O segundo vem de Inglaterra e conta-se em três linhas. Lá, os programas escolares e as demais decisões curriculares não são remetidas para comissões "ad hoc", como nós, erradamente, fazemos. Outrossim, competem a um serviço autónomo, a "Qualifications and Curriculum Authority" que, atenta à crescente expressão dos agnósticos e dos ateus, decidiu recomendar que, no âmbito da educação religiosa, se passassem a estudar, também... as convicções não religiosas. Chamo a isto fazer certo. Bem podíamos seguir o exemplo."

A finalizar, Santana Castilho, denuncia: "Quando em Óbidos, com pompa e circunstância, o Governo anunciou mil milhões de euros para investir na ciência, mais não fez que mera propaganda. Sabem os mais informados que se trata apenas de uma redistribuição geral de capitais afectos a programas anteriores, cujo nome foi mudado. À boa maneira das manipulações contabilísticas das Finanças e da Saúde."

Em tempos, que já lá vão, tive oportunidades desgraçadas de me cruzar com Santana Castilho, quando ele era secretário de estado de um governo de Cavaco Silva, a respeito de modelos para a profissionalização de professores ao serviço. E ele fazia o seu papel. Lembra-me sempre a maior humilhação que sofri às mãos dos poder (que tanto está acantonado no governo como nos sindicatos de que, ao tempo, integrava a comissão de negociação técnica para o assunto como membro do conselho nacional da fenprof).

A vida não se cansa de me surpeender.
 
  Já reparámos, claro
Já tínhamos reparado. Fomos ler no papel do nosso "Público" diário, por insistência de Aurélio Fernandes. Pouco pão e muito circo, diz o amigo José Pacheco Pereira, falando do circo do futebol e do círco da política. Deste último, a grande estrela é o Santana Lopes. Já repararam? - pergunta ele. Já tínhamos reparado.

Logo no dia seguinte, Miguel Sousa Tavares, com um lápis afiado de bandarilheiro espeta uma bela estocada no Santana Lopes, ao mesmo tempo que estabelece uma fuga ágil para longe de tal touro, caso ele ganhe força e poder. Diz ele: "Se algum dia Santana Lopes for Presidente da República, eu, pelo menos, vou passar a ter vergonha de ser português. Quero ser bielorrusso, apátrida, monárquico, anarquista, qualquer coisa, menos cidadão de uma República de que ele seja Presidente." E acrescenta, para explicar tal falta de patriotismo: " Para além de qualquer juízo subjectivo sobre o valor que fulano ou beltrano tenham como candidatos a determinado cargo, há um mínimo - um mínimo que toda a gente entende qual é - exigível a quem quer ser chefe de uma nação. E Pedro Santana Lopes não cumpre esses mínimos." Vale a pena ler o texto completo de MST - Só nos faltava esta .

Na mesma semana, estar de acordo com dois articulistas de "O Público" é obra. Só o Santana Lopes podia conseguir tal façanha.

 
17.2.04
  Prisão de vento
Nas últimas semanas, muito se tem falado da produção e consumo de energia eléctrica. Por um lado, prepara-se mais um mergulho de paisagem para uma nova grande barragem. Mobilizam-se jovens cientistas a contrariar esse empreendimento que, para um tempo de vida útil de 70 anos, tem um impacto eterno de destruição de ecossistemas, extinção e redução substancial de espécies. Esses especialistas e activistas da “Plataforma Sabor Livre” acham que falta definir um plano energético nacional que identifique as necessidades do país e proponha um conjunto de alternativas de produção e gestão energética, abandonando de vez a opção por pontuais barragens. Consideram que deve ser dada prioridade total à implantação de políticas de incentivo à eficiência energética e às energias renováveis que não contemplem grandes obras hidroeléctricas. Finalmente acham que Portugal deve adoptar “medidas ao nível da indústria, transportes e habitação, de incentivo às energias renováveis, nomeadamente solar e eólica, de economia de energia”.

Ao mesmo tempo, as directivas de planeamento europeu apresentam prazos para que os países membros atinjam metas, impossíveis de cumprir por Portugal, no que respeita à produção de energias renováveis. A instalação de parques eólicos, que já vamos vendo, também não é pacífica para os que se preocupam com a paisagem e, dia sim dia não, somos informados de falhas de planeamento que impedem a realização de projectos.

É certo que o consumo de energia não pára de crescer. E os interesses do negócio da energia electrodoméstica apostam em artificiais novas necessidades de consumo de energia. Aveiro é uma cidade de vento e sol e é o exemplo mau. Os planeadores da cidade e os construtores unem-se vezes sem conta para inibir as famílias de expor ao vento a roupa lavada que é preciso secar. Os lençóis e os vestidos de todas as cores deviam corar ao sol da nossa cidade e, batidos pelo vento, ser sinais de poupança de energia. Fechadas nas casas, torturadas nas máquinas de secar, as nossas roupas e a nossa cidade só podem corar de vergonha.

As politicas para aumentar a produção de energias renováveis têm de ser acompanhadas de politicas que evitem consumos supérfluos. Não fazemos uma coisa nem outra. E começamos a suspeitar que há ganâncias combinadas. Há quem tente mudar à força os hábitos saudáveis das famílias. Com pequenos gestos se fazem grandes roubos. Cabe aos cidadãos desfraldar as suas roupas ao vento como antes… e, pelo futuro!, como bandeiras de revolta.


[o aveiro; 19/02/2004]
 
10.2.04
  O cardume.
Nos últimos tempos, o pais foi abanado por iniciativas da sociedade civil supra-partidárias que, face ao desastre nacional, pretendem influenciar uma sagrada aliança dos dois maiores partidos (um no governo, outro na oposição) para um pacto de estabilidade e crescimento. Lembro-me de muitos deles, pelas caras ou pelos nomes, que nos aparecem acima destas pequenas querelas de governo e oposição com uma força moral e intelectual "devastadora". Descubro-os em antigos governos, em administrações de patrimónios públicos e privados, fundações, etc. Lembro-me deles como sendo aqueles que eram isto e se mostraram competentes para outra coisa qualquer. Não é preciso lembrar-me das suas formações iniciais, porque a competência que lhes é reconhecida é tão vaga nas palavras e nas acções quanto precisa na conquista do poder e de salários milionários (nos sectores públicos ou privados, ou entre uns e outros). Há mesmo alguns que são chatos desde a juventude militante, tendo ficcionado uma versão de eminências pardas (literalmente pardas!). Quase todos eles foram e são elementos da cadeia de negociantes políticos que nos trouxeram até aqui. Ouvi-los a pensar é de arrepiar!

Nos últimos dias, os miúdos do peixe graúdo (novos de cabelos brancos, tão novos como “jovens agricultores” ou “dirigentes de juventudes partidárias”), gestores, administradores e similares também vieram a terreiro com um grande encontro - no convento do(s) beato(s) – para influenciar e promover sagradas alianças em torno de um novo modelo de desenvolvimento. O meu coração quase não resistia à excitação. Finalmente iria ouvir palavras de salvação. Devo ter perdido o essencial, mas ouvi as palavras do costume: #flexibilizar e agilizar; emagrecimento do estado; a Europa e a Espanha não constituem quaisquer perigos, antes são desafios e oportunidades; quem não tem medo da competição não tem medo de Espanha; "etc. Fiquei menos sossegado. No que respeita ao capital, não só não há sério conflito de gerações, como os mais novos aspiram ao paleio dos “cotas”.

Pelo que me foi dado ouvir, o modelo de desenvolvimento que lhes passa pela cabeça não é novidade que nos aqueça e, quem nos dera! que não arrefeça. É “Boss botled” – no convento do beato. Viva o "25 de Abril" que permite todas as reuniões.

[o aveiro; 12/2/2004]
 
9.2.04
  Eu sei que quero
Eu sei que quero tocar nas tuas teclas em carne viva
Na tua pele nas extremidades dos teus nervos mais sensíveis
é aí que procuro o destino das casas improváveis mas possíveis
paredes da clausura para que a minha na tua alma sobreviva
 
3.2.04
  quem chega e quem parte

 
  tu li(m)pas!

 
  aramadilha cercada

 
  A armadilha
Na última semana, prestei especial atenção a alguns analistas e políticos que trataram dos assuntos da justiça, das trapalhadas dos Ministérios da Justiça e das Finanças, do congresso da CGTP e das declarações de Carvalho da Silva e Mário Soares, para além de uns trocados sobre a economia em crise e o pacto de estabilidade.

Sempre com dificuldade em engolir as suas opiniões, até é possível que tenham razão e é mesmo possível que falem de evidências que só a mim escapam. Para continuar saudável, tenho de recusar o seu mundo tão simples quanto terrível. Para eles, o discurso de Carvalho da Silva no Congresso da CGTP não é o natural discurso politico de um dirigente sindical para este tempo de crise, de congelamento de salários, de encerramento de empresas e despedimentos em massa, de desemprego, de cortes no sistema de saúde pública, de privatizações de sectores que são considerados essenciais para garantir o acesso universal a certos bens e serviços, etc. Para eles, o discurso de Carvalho da Silva é o discurso de um indivíduo que dá sinais de querer ser secretário geral de um partido. Não são as circunstâncias da situação politica que determinam os actuais discursos de Carvalho da Silva ou de Mário Soares. Para eles, os discursos não passam de manigâncias individuais no cenário da conquista de um poder qualquer. Em que mundo foram criados estes analistas? Os seus conhecidos trazem punhais afiados nos bolsos prontos a ser enterrados nas costas de seus rivais ou aliados que lhes perturbem a caminhada. Só pode ser. E, a ser isso verdade, pelo que nos é dado ver, o modelo de que se servem para analisar os actos dos indivíduos em geral, só pode espelhar a gente que está no poder ou nela se reflectem. Não é perturbador este jogo de espelhos?

E, ao contrário do Reino Unido, em que a mentira matou e ainda demite (como aconteceu recentemente na BBC), os políticos, militares, comentadores e jornalistas que mentiram e influenciaram a opinião pública a favor da guerra não mostram quaisquer sintomas de culpa ou interesse em estabelecer a verdade e, em Portugal, esse passado próximo foi assassinado e está enterrado em parte incerta. Não é perturbador que a honra se tenha suicidado?

O jogo consiste em abafar com barulho o ranger de dentes e imaginar brilhantes futuros como vestidos do pobre presente. E sobre alguns incómodos de consciência, que se estenda uma mortalha de silêncio. Quem anda a montar a armadilha?

[o aveiro; 5/2/2004]
 

o lado direito




(...) o homem que não dorme pensa: «o melhor é voltar-me para o lado esquerdo e assim, deslocando todo o peso do sangue sobre a metade mais gasta do meu corpo, esmagar o coração».
Carlos de Oliveira
Google

o lado esquerdo
World Wide Web

LIGAÇÕES


escreva-me que bem preciso.


bloGeometria
infinitamente Pequeno
mesura
desenha
combate pela Geometria

homem à janela


ARQUIVOS
Maio 2003 Junho 2003 Julho 2003 Agosto 2003 Setembro 2003 Outubro 2003 Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

Site Meter
Powered by Blogger


sob licença
Licencia de Creative Commons