>
31.3.04
  O céu dos pobres de espírito
Confirmaram o que já sabíamos: mais de metade das empresas e dos patrões portugueses não paga impostos. Ou aguentam com espírito de missão prejuízos imensos ou ficam ela por ela. Passeiam-se pelas ruas de corda ao pescoço. Houve logo quem viesse falar de fraude e evasão fiscal e da necessidade de as combater com o fim do sigilo bancário e cruzamento com os dados do património visível das famílias empresariais. Pelo meu lado, que conheço os princípios religiosos em que fomos formados, acredito em todo o povo católico. Eles eram lá capazes de cometer o pecado de roubar o estado de todos nós, mentir e exigir indevidamente serviços ao estado! Não. Eu fico é cheio de pena e rogo a cada um dos contribuintes que invente dinheiro para que o estado possa subsidiar os empresários que vivem abaixo da linha de pobreza. Penso mesmo que aqueles números horríveis sobre a pobreza estão a ser mal interpretados, já que o que devemos ter é uma bolsa de empresários sem abrigo e sem sopa e são precisas medidas de novo tipo. O nosso problema de pobreza é de um novo tipo: sabemos que o filho do patrão vai às aulas num bmwz3 da moda, mas, na privacidade das casas, é só pobreza envergonhada e falta de pão. A primeira medida de apoio aos nossos pobres empresários deve passar por acabar com rendimentos mínimos garantidos e similares. Penso mesmo que, caso o agravamento da carga fiscal sobre os trabalhadores por conta de outrem não chegue, se deve activar um pedido de ajuda internacional para debelar a pobreza persistente do nosso empresariado. Claro que, se algum confessar o pecado da gula e da fuga ao fisco, merece uma absolvição e “nada de propósitos firmes de emenda” que há muito a fazer com o dinheiro que, a cair nas mãos do estado, é mal gasto.
Pena que as semanas ricas não paguem impostos.

No Sameiro, Braga, algum diabo deitou fogo em vários locais ao mesmo tempo e o inverno fez-se inferno em vez de primavera. As árvores de Águeda, Sever do Vouga e Oliveira de Frades arderam porque alguém se deve ter posto a queimar os restos de alguma lida ao fundo de uma leira. Uma semana de vento pode abrir uma temporada de incêndios. Pobres bombeiros. Pobre mata. Não podemos atear fogueiras ao vento.

Banalizamos os gestos dos chicos espertos que fogem aos impostos e tolhem todas as iniciativas da sociedade. E banalizamos a coragem de fazer coisas erradas sem medo consequências. Na estrada quando conduzimos para matar ou se ateamos uma fogueira e pomos em risco a casa e a vida das pessoas. Se uma ponte cai e temos de chorar os mortos, porque haveríamos de chorar pelos culpados? Pobres de espírito, rica semana!

Absolvamo-nos uns aos outros!

[o aveiro; 1/04/2004]
 
  Felgueiras
Em 1974/5, era eu aspirante ou alferes miliciano dos serviços de cartografia do exército, andei a fazer reconhecimentos em Felgueiras e Fafe. Passaram 30 anos até que lá voltei ontem. Encontrei Felgueiras, de novo, agora mudada, de vila em cidade. Não vi a Fátima. Depois da saída da autoestrada e até Felgueiras é que as estradas ainda devem ser bocados da antiga. Quando por lá andei tinha de parar amiúde para provar o vinho às portas ou na pensão onde me alojava. [Sabem quantas vezes tentei entrar em Fafe fardado
nesses tempos? Sem conseguir. Há mapas difíceis.]

No regresso, por razões matemáticas, recebi umas garrafas de vinho de Felgueiras. Como hei-de reconhecer alguma mudança no sabor do vinho?
 
30.3.04
  ;-)
As flores que enfeitavam de cores
o prado do teu cabelo
foram comidas pelos teus piolhos
hervíboros

Os pequenos esquilos que brincavam na floresta
dos teus cabelos
foram comidos pelas tuas pulgas
carnívoras

Os tubarões que nadavam no mar dos teus olhos
sob as franjas do teu cabelo
foram devorados pelas carraças
das tuas mesquinhas ideias

Tens tão pouca graça agora
que eu já nem sei se a gente inda namora.

:-)
[escrito vai para uma eternidade, reencontrado hoje]
 
  Perguntas sobre o terrorismo.
António Aurélio Fernandes recomendou a leitura do artigo - Perguntas sobre o terrorismo - de Frei Bento Domingues, poublicado no Público de domingo. Eu acho que ele tem razão. Para o caso de alguém passar por aqui, fica a recomendação.
 
23.3.04
  A eternidade.
Saio da escola para a manhã de vento. Inclinado para a frente, contra o vento procuro uma parede ao sol. Nos últimos dias, o vento mais forte mudou-se para Aveiro. Ouvimos as suas zangas dentro e fora de casa. Acabamos por nos habituar à sua presença intrometida em todos os lados da nossa vida.
Antes de alcançar a salvação da parede do Museu, ouço o meu nome. Viro-me para trás. Uma cara sorridente começa a dizer: - Claro que não se lembra de mim! E eu ensaio uma das minhas saídas de velho: - És o …! Ele corrige-me na primeira parte do nome já que eu tinha acertado na terminação. Também nunca consegui melhor em qualquer dos sistemas de apostas mútuas autorizadas e mesmo a terminação é rara.
A conversa não vai durar mais que uns momentos.
- Também não admira que não se lembre. Quando fui seu aluno, tinha 16 anos e agora tenho 38. Já lá vão 22 anos.
- E que fazes agora?
- Agora trabalho numa ETAR. E comecei a fazer trabalhos em madeira. Tirei um curso de carpintaria.
- A última vez que te vi, trabalhavas aqui perto no balcão da …
- Essa foi à falência há muito tempo! Depois disso, já andei 5 anos embarcado. Mas não era pescador. Trabalhava na copa.
- Estás muito mais magro.
- Estive doente. No mar, as condições das pessoas que lá trabalham são más e, quando o corpo estava mais fraco, apanhei-a. Fiquei parado e quis fazer uma grande dieta.
Depois de mais umas palavras para a troca, sobre a minha vida de sempre sem mudanças nestes 22 anos que passaram, despedimo-nos. Sigo até á parede do Museu que me esperava. Não chega e vou ter de me sentar encostado ao vidro da janela do café para poder ser acariciado pelo calor do sol.

Comecei a pensar nas notícias terríveis sobre a miséria em Portugal, que não pára de crescer nestes tempos de politicas promotoras do desemprego do presente em nome do emprego do futuro.

É então que fico a saber que Ariel Sharon assassinou o velho Ahmed Yassin, paralítico chefe espiritual do Hamas. Nem o velho Ahmed, sempre a contar o tempo em eternidades de vinganças, tinha conseguido fazer tanto pela guerra. Há dezenas de anos que Ahmed ansiava, sem o conseguir até agora, tornar-se um mártir da causa palestiniana. Uma rajada fria de estupidez criminosa varre as ruas do mundo, enquanto regresso à escola.

E o vento de Aveiro continua a soprar, mas já não presto a mínima atenção a qualquer das suas brincadeiras. Preciso que voltem a chamar-me pelo nome.

[o aveiro; 25/3/2004]
 
21.3.04
  o outro
Por muitas razões que não vêm ao caso, António Florentino poderia ser considerado o outro. Não se sabe bem porquê, mas várias vezes ele declinou essa identidade e profissão. Da lista de mil nomes que lhe apresentaram à data de nascimento, ele assinalou a última linha correspondente a Outro. Quando, no nono ano, lhe pediram que assinalasse a profissão que escolheria entre as trezentas páginas de profissões presentes no cat?logo do orientador profissional, ele escolheu Outro. No estado civil, ele não escolhe solteiro, nem casado, nem viúvo, nem divorciado, nem separado de facto. Ele escolhe Outro. No que respeita ao sexo, incapaz de optar pelo M de masculino ou pelo F de feminino, ele desenha cuidadosamente um novo quadradinho, onde escreve a sua cruzinha e por cima Outro. Quem não o conhece, deve pensar que António Florentino não se enquadra nesta sociedade e é completamente marginal. Mas não é verdade. Ele é sociável, não morde e parece-nos feliz à vista desarmada.
Um psicoterapeuta, que o queria ajudar, deu-lhe a escolher um de entre os diagnósticos: "problemas na infância", "problemas na adolescência", "problemas na puberdade", "problemas na hipófise", "problemas na mão direita de deus". E ele, depois de muito pensar, escolheu Outro.

António Florentino é um caso. Dual é o caso do Outro, mas para este muito mais difícil. Sempre que Outro tem de efectuar uma escolha, escolhe António Florentino.

[pretextos 56; 1993]
 
  embora
embora vibre
o dourado junco está morto:
à malícia do vento ainda obedece

o dourado vegetal é uma cor de moribundo
que se despede numa falta de ar e ao ar se esquece.


onde os cabelos são juncos e o meu corpo apodrece
a água parada transparece
 
20.3.04
  tonino guerra
26. La dmènga specialmént

La dmènga specialmént
quant ch' u n gn'è niséun ad chèsa
e a sémm a là vérs la fóin ad zógn,
a vagh ad fura se teràz
par stè a sintói che adlà di méur
la zità la sta zétta.

26. La domenica specialmente

La domenica specialmente
quando non c'è nessuno in casa
e siamo là verso la fine di giugno,
vado fuori sul terrazzo
per stare a sentire che al di là dei muri
la città sta zitta.


41. La farfàla

Cuntént própri cuntént
a sò stè una masa ad vólti tla vóita
mó piò di tótt quant ch'i m'a liberè
in Germania
ch'a m sò mèss a guardè una farfàla
sénza la vòia ad magnèla.

41. La farfalla

Contento proprio contento
sono stato molte volte nella vita
ma più di tutte quando mi hanno liberato
in Germania
che mi sono messo a guardare una farfalla
senza la voglia di mangiarla.


[tonino guerra; il poverone]
 
17.3.04
  a ferida. a cicatriz



 
16.3.04
  Os olhos de Madrid.
Entraram nos comboios da madrugada dos trabalhadores e estudantes dos arredores de Madrid e neles abandonaram as suas mochilas carregadas de bombas. Que viram eles nas caras sonolentas daqueles filhos da madrugada no instante em que lhes encomendavam a morte? Na sossegada manhã das rotinas das multidões de trabalhadores, os assassinos disfarçam-se como peças humanas das mesmas rotinas.
O que o terrorismo tem de mais terrível é ser prova de que o homem, sentado no banco em frente ao meu sorriso confiante, pode ser o assassino da multidão de que faço parte. É a sua humanidade (ou a falta dela) que nos aterroriza. Porque é que voltamos sempre atrás, como se perseguíssemos a nossa própria sombra? Com que olhos olhamos por cima dos ombros?

De nacionalidades, culturas e religiões diferentes, duzentos inocentes foram sacrificados em Madrid, muitos deles imigrantes ilegais na fortaleza europeia. Todos morremos um pouco na manhã da última quinta feira de Madrid. E todas as pessoas vulgares se sentiram madrilenos feridos pela incerteza dos dias do ódio e das guerras sujas.

A frieza nas mentiras do governo de Espanha sobre os factos e os autores dos atentados dão uma medida do que é hediondo na luta politica pelo poder ou pela sua manutenção. Ficamos também a saber como os órgãos de comunicação social podem ser controlados pelos governos no poder.

E resta-nos a esperança da mobilização dos povos de Espanha. Já se tinham rebelado contra a participação da guerra no Iraque. E agora, nas ruas, esse mar de mágoas, exigiram a verdade ao governo do Partido Popular sobre o que se tinha passado de tal modo que se sobrepôs à manipulação do governo, tendo alterado o sentido de voto e derrotado o partido da guerra. A luta pela verdade derrotou o partido do governo e da manipulação mentirosa.

Aos nossos ouvidos, soam familiarmente (mas estranhas) as vozes de alguns analistas a estranhar que Zapatero do PSOE venha confirmar que vai cumprir a sua promessa eleitoral de retirar as tropas espanholas do Iraque. Dizem que é um perigo, já que tal gesto pode ser interpretado como uma cedência ao terrorismo e pode ser um incentivo a novos actos de terror. Devotados ao estilo de vida do consumo das suas ideias, achariam perfeitamente natural que a democracia fosse indiferente ao voto do povo. A sua sabedoria leva-os a pensar que só é democracia aquela que confirma, no plano do poder, a sua opinião, que é, espanto dos espantos!, a mais servida à mesa dos mais poderosos.

Somos todos madrilenos nestes dias. Tanto na mágoa e na radical oposição ao terrorismo como na oposição ao jogo sujo e à mentira como armas politicas. Contra quem somos madrilenos?

[o aveiro; 18/03/2004]
 
11.3.04
  lata de bolachas
havia uma lata de bolachas. cheia dos trocados da infância.
tantos anos a esqueci que as poupanças da infância se perderam com as mudanças das moedas.
hoje lembrei-me delas e fui buscá-las, à infância e à lata.
despejei as moedas inúteis e, em seu lugar, para dentro da lata, amassei a esperança que me resta para dela me esquecer.
e guardei a lata, no lugar das coisas esquecidas, a lata de bolachas e a infância.

desde hoje sou madrileno e vivo num lugar povoado pela dor de saber.
 
10.3.04
  portugal profundo
1.
Se o último livro de Cavaco Silva trouxesse uma página que fosse com um pormenor do Pulo do Lobo no Alentejo profundo, eu não resistia a comprá-lo. Em cada acontecimento que me lembre, há um detalhe que o lembra .

As viagens que fiz ficam perdidas no mapa de estradas da vida, a menos que um detalhe luminoso se transforme em sinal perene a piscar ao futuro. Não interessa nada ter ido a Moncorvo falar com professores de Matemática e ouvir o Presidente da Câmara falar do sentido do desenvolvimento, do betão em falta ou em excesso, das estradas que ainda não há, etc. Nem me marcou especialmente ver que há faixas à entrada e em frente à Câmara de Moncorvo a defender a Barragem do Sabor, tão combatida pelos defensores do rio selvagem e seus moradores sem voz. Há aqui algum desencanto com o falhanço do desenvolvimento de Foz Côa. Não acreditam em desenvolvimento feito sobre o património existente e o ambiente natural e, em troca de uma agitação desenvolvimentista ainda que efémera, não hesitam em afogar parte da vida natural que o esquecimento salvou do sacrifício ao progresso.
São poucas e de pouca monta para os interesses locais as pessoas que descem e sobem as encostas do Sabor selvagem. Não estão disponíveis para a vista desarmada do comércio e das ruas urbanas. Não contam, como não conta tudo o que não se vê à luz (que cega!) de um certo progresso,
Ali perto, no Freixo, alongamos o olhar para o céu já que o Douro se cerca de paredes altíssimas a toda a volta do olhar. Nem a mais leve agitação à superfície da água que parece(?) parada.. Na fotografia confundem-se as montanhas e o céu que vemos acima com as imagens das montanhas e do céu que vemos reflectidas no espelho das águas. Um lago entre duas barragens? Numa das encostas portuguesas, abrem-se janelas sobre o rio parado. Na margem portuguesa, há um café, um parque limpo e um cais para barcos de recreio com anúncios de viagens pelo douro internacional.
Qual é o detalhe que lembra? Sem guarda, as retretes públicas estão abertas e limpas com vários rolos de papel higiénico bem à vista. Não parece português.

Como é no Pulo do Lobo? Que terá ficado na memoria de Cavaco Silva?


2.
Mas profundo, profundamente português, é ter sido notícia de televisão (com entrevistas e tudo) o facto do filho de um comandante de policia de uma das nossas cidades do interior ter pago uma multa que lhe foi aplicada justamente. E o pai não lhe tirou a multa? Esta pergunta é portuguesa e profunda.

[o aveiro; 11/03/2004]
 
9.3.04
  Freixo de Espada à Cinta

Entre Portugal e Espanha, o espelho do Douro

fotografia de Pedro Carreira

 
8.3.04
  O prego no sapato
Um amigo que é pai preocupado e prego no sapato publicou no passado domingo um comentário sobre a avaliação no ensino básico. Para os professores, como eu sou, a leitura de notas dos pais sobre o ensino e a prática dos professores ajuda a olhar para o nosso mundo. Passo a minha vida a falar sobre os problemas que ele levanta. Ainda hoje me deram a oportunidade de falar com professores estagiários da Universidade de Aveiro e só posso dizer que as suas preocupações não me são estranhas e, tenho de o confessar, que as partilho (não para o básico só - para todo o ensino). Avaliação urgente? Pois claro! De quem, afinal?

Os pais que assim falam ajudam a escola e os professores. É para ler.
 
7.3.04
  De regresso de Moncorvo
De regresso de Moncorvo, onde estive a cumprir um dever de ofício, falando para professores de Matemática, dei pelo recado de A.A. Fernandes a recomendar a leitura de uma coluna do Público de quinta feira passsada - Aborto - em Defesa da Moderação - escrita por João Pedro Henriques. Aqui fica o recado de A.A.F.
 
3.3.04
  Segunda
Na segunda feira, fui surpreendido por um título de tipo que já não lia há muito tempo -- Tópicos Sumaríssimos Sobre IVG de Sottomayor Cardia. Recomendo.

Do mesmo Público, de segunda, também recomendo a leitura de A Conspiração de Helena Matos que Alexandra Lucas Coelho escreveu. Bate bem, em meu entender.
 
  A chave dos sonhos.
Quando se juntam dois velhos, de que falam eles? A maior parte das vezes falam do passado, umas vezes tomados por estáticas lembranças do bom que foi (mesmo que não tenha sido bom), outras vezes falando sobre o que podia ter sido e sobre se podia ter sido como se tinha pensado que era bom que viesse a ser. Estranha frase!

Se juntarmos duas pessoas com 25 anos de sócios da mesma cooperativa de habitação, de que falam eles? Do que era a cooperativa e do sonho que morava nas casas da sua imaginação, do que afinal não foi, de quem e do que se perdeu pelo caminho. De passagem, falam de quem travou o quê, de quem fez o quê. Falam dos 15 anos de dança entre terrenos, desde a fundação da cooperativa até às primeiras chave e fechadura de casa construída no que é a sua urbanização.

Sabem que a Cooperativa não é o que inicialmente sonharam como obra cooperativa. Eles lembram-se bem do que defenderam, dos terrenos em direito de superfície, da propriedade colectiva, da casa para habitação própria e só transmissível de pais para filhos, etc. Também sabem que afinal adquiriram casas em regime de propriedade individual e que há pessoas que venderam as suas casas a preços do mercado(o que é isso?), ou que as alugaram, … Eles estão rodeados da vida inteira e não só dos seus sonhos feitos realidade.

Viram as pessoas mudar entre os valores cooperativos e os do mercado. Hoje em dia, as pessoas são sérias (e espertas!) se aproveitam as oportunidades de acordo com a lei ou legalmente e não são sérias por o serem simplesmente. Os governos empurraram a actividade social das cooperativas para o mercado e as cooperativas não podem controlar a vida e actividade individual dos seus membros. Podemos lamentar que parte dos sócios das cooperativas não actuem de acordo com a ética cooperativa? Podemos. Haverá sempre bons e maus cooperativistas e cooperativistas que têm valores muito diferentes dos nossos. Assim acontece com todas as actividades humanas.

Sendo uma actividade humana contraditória, como todas, as cooperativas construíram casas e nós sentimos que fizeram bem, mesmo que tenha havido quem delas se aproveitou para outros fins menos legítimos, não menos legais. A cooperativa é feita de sonhos também por não controlar consciências.

Em 25 anos, tudo muda numa cidade. A Cooperativa de Habitação de Aveiro, CHAVE, faz 25 anos neste mês de Março e é uma parte da cidade que mudou. Merece humanos parabéns!

[o aveiro; 4/2/2004]
 

o lado direito




(...) o homem que não dorme pensa: «o melhor é voltar-me para o lado esquerdo e assim, deslocando todo o peso do sangue sobre a metade mais gasta do meu corpo, esmagar o coração».
Carlos de Oliveira
Google

o lado esquerdo
World Wide Web

LIGAÇÕES


escreva-me que bem preciso.


bloGeometria
infinitamente Pequeno
mesura
desenha
combate pela Geometria

homem à janela


ARQUIVOS
Maio 2003 Junho 2003 Julho 2003 Agosto 2003 Setembro 2003 Outubro 2003 Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

Site Meter
Powered by Blogger


sob licença
Licencia de Creative Commons