voltar a pedir...


São estas conversas, as mais íntimas, que nós mais procuramos ... para as ouvir. Temos de aprender a desenhar e a não perder pitada do que só os surdos podem ouvir sem querer.

a descoberta de São Tomé de não ver nem ler................. para crer...


perdidos de 1980:


lendo
o que não entendo
não vendo.
Só vendo.

…a coisa é séria por etapas


  1. A coisa é séria -
    Diz o homem debruçado
    num buraco do cais.
    A água verde azeitona
    é também a cor dos seus olhos.
    Na sua face líquida de lágrimas
    nadam destroços de alma.

  2. Tocaram a campainha.

    (Ouvi a campainha
    Quem é? Quem é?
    Sou eu, talvez me tenha enganado doutor,
    mas não se esqueça de dizer
    à dona maria da luz
    o que acabo de lhe dizer.)



  3. Tinha enlouquecido.

    Antes quando se via
    Ao espelho da baía
    e as lágrimas se confundiam
    nas águas, pensava
    em estudar direito
    numa universidade europeia.


  4. Quando me sentava na escadaria

    Sentado na escadaria
    olhava-me espelhado
    no alcatrão luzidio
    e era como se houvesse mar e baía
    lá ao fundo da escadaria
    ao chegar ao lodo.


  5. Nada à superfície

    Nadam à superfície
    pelas ruas do cais
    os destroços do meu rosto
    e as minha sombras
    passam sonâmbulas
    pelas portas


  6. Sonâmbulas

    Sonâmbulas fazem vénias
    e desculpe desculpe doutor
    mas não se esqueça de dizer
    à dona maria da luz
    o que acabo de lhe dizer.


  7. Está bem?

    Está bem. Fique descansado
    que a mim nada custa dizer

    nada a ninguém.




…sede fiéis



Reconhecei oh dogmáticos sinceramente que a urgência
Com que manejais a ansiedade
Vos ilude mas vos prepara para a eternidade

Cercai-vos de muralhas altas
Ainda mais altas que o voo dos pardais
Para que não vos acordem mais

Cercai-vos de ilusões e escrevei-as em lindas frases
Como se fossem novas e decisivos mandamentos
Para que não preciseis de mais pensamentos

Adorai-vos, exaltai do vosso legítimo orgulho
Vós que vos descobristes aliás com barulho
Que a cabeça do povo é o vosso bandulho

Fortalecei a vossa crença, benzei-a
Pedi ao vosso CC cume altíssimo sabedoria
Que escreva em letras de fogo a liturgia

Expulsai o vosso seio, da vossa prenda
Tudo o que seja sinal de desavença
E até à última geração os sinais de descrença.

Sede fiéis.



… ilha desencantada



Aqui quando faz bom tempo podemos ir pescar
À linha
o céu está quieto e brilhante como o mar
pescamos o sol pela tardinha

Aqui às vezes deparamos com deus
Atrás de uma escrivaninha
Cumprimentamos: como vai? Como vão os seus?
E já ele se escondeu numa entrelinha.



Aqui há um sossego quente no ar
Um silêncio quebrado um assobio
Nas águas paradas e doces do mar
Nada de costas um navio


Vivemos numa ilha do vento
Uma vassoura enorme
Varre de norte a sul incansável
A areia levantada do seu túmulo


A areia morta passeia pelo ar
E fustiga quem se aventura
Pelos corredores da ilha
Entre as casas de pálpebras fechadas.



…Crepúsculo



                                    Nós, os velhos
Amamos das noites os crepúsculos
As alvoradas veem-nos de joelhos
Com dores de ferrugem nas dobras dos músculos

                                     Nós os antigos
Preferimos a angústia amarela
Do sol morto      e odiamos a janela
Preferimos o mundo reduzido dos postigos
                                    Nós
Preferimos a completa noite
O invisível caído como um açoite
Enquanto ficamos mais sós
                                    Nós



… círculos




Habituavam-se as aves à gaiola
E os peixes coloridos aos aquários

Habituavam-se os pedintes à esmola
E os operários aos salários.

Habitavam bairros inteiros
Figuras destacáveis de cartão
Que quitavam a solidão
Com gratuitos fogareiros
Desenhados a carvão.

Pela madrugada nevoenta dos escarros
rodavam pelas circulares do destino
Autocarros
Desatino ao desatino

Quando as sirenes fabris uivavam
Os autocarros tropeçavam
Às portas por onde entravam
Sem rosto pernas mortas
De operários de desgosto.

E tudo se repetia
Maquinalmente
Cada dia mais mais se esfria
A máquina da gente.



……de solidão




Há homens que o não são
Que são bolsas de pedras na mão
pontaria feita à humanidade

São uma manada de cães ladrando aos homens
que o são
Açulados por febres de classe alta
Atiçados pela inteligência que lhes falta
pelo medo cão.

Nas grandes capitais dos homens que o não são
Que deixaram de ser o que não é programado
Para a sua condição
Descem ao mundo povoado.

Para que os reconheçam trazem sorriso rebuçado
Desprezo programado
Olfacto apurado
E cueiro de alma desinfectado.

São pagos a ouro
E têm na algum tesouro
Que tudo merecem até um bom agoiro
Porque sem eles coitado do moiro
Coitado do preto coitada da preta
Que não saberia dar aos filho em chupeta
Em vez do leite da teta
Nem usaria inoxidável a grilheta.

Veem do benelux
Com os respectivos lux-sabonetes
Trazem suas bebidas e comidas de luxo

Em latas assépticas trazem salmonetes
E chicletes

Vêm de paris
E de Lisboa
Senhores do seu nariz
“numa boa”
Vêm
O pior é que vêm.


aniadversário de professor

  • Qual é a sua opinião sobre o regulamento?

    - Levanto-me para gritar, para cantar;
    à luz reflectida na baía levanto uma flor como emblema.
    Proponho antes outro tema:
    em vez do regulamento, a alegria.
  • Senhor Professor, não lhe pedi alternativa
    para esta discussão,
    só lhe pedi uma crítica construtiva
    para o regulamento da organização.


    - Que me desculpe o camarada,
    mas eu, de regulamentos sei nada.
    Mas ainda assim, proponho
    que do regimento com força de lei,
    faça parte o direito de gozar a vida
    e a arte das carícias do vento
    e que seja incentivado o deslizar
    do pensamento
    que ele se possa dispersar
    numa flor, no silêncio e na voz deste poema;
    que se possa e deva conversar
    para descanso, por alegria, e sem tema.

  • Senhor professor, está a desviar-nos do assunto da agenda.

    - Eu só quero conversar,
    “serrar presunto”
    que a minha conversa faz parte da lenda:
    Quando nasceu o primeiro homem e começou
    a falar por falar inventou nesse exercício fútil
    o lobisomem para ter uma sombra para ser
    par. A felicidade é o homem e o seu
    lobo, é a propriedade e o roubo, é a luta de
    línguas contrárias e uma unidade de ideias
    adversárias.
    O avô do homem era um lérias:
    Deus conversava sozinho, até sozinho
    inventava na ponta da língua o caminho das
    coisas mais sérias. Diz a lenda das escrituras
    que Deus andava à solta pelo céu e a
    terra era a sua aventura, uma ideia livre que lhe
    caiu do chapéu.
    E diz, outra vez a escritura,
    que foi o homem quem
    inventou a censura.
  • Senhor Professor, peço-lhe que tenha paciência
    e chamo-lhe a atenção:
    aqui somos homens de ciência
    e queremos regulamentar tudo e até a paixão.


    - Que seja reconhecido o direito ao erro,
    até desse erro em que cai a ciência de, em nome do homem,
    lhe cavar o enterro
    para, em seguida, lhe pedir paciência.
    Eu só quero conversar sobre a liberdade do ar.
    Eu só me quero resgatar
    do tempo de tanto tempo que perdi a organizar
    em nome da felicidade e da natureza
    que algumas coisas há
    que já só há em ficheiro:
    como o ar, como a volúpia, como a beleza…
    Eu só quero despejar da alma as palavras ao ar e ficar a vê-las voar.

  • Senhor Professor, mais uma vez lhe digo que não lhe permito…

    - Que do seu regulamento, meu amigo, eu faça
    um mito.
    Mas deixe-me desenvolver outra mitologia,
    falar como quem fala para o seu
    umbigo, sem me preocupar com signos, com
    semiologia; deixá-las só elas as palavras
    compreender o que digo. Falo por falar
    com as palavras que me não deixam calar.

  • Senhor Professor, estamos a perder tempo e isto não é um passatempo.

    - Eu sei que sou um contratempo; a minha
    paisagem é um quadro pintado de azul claro,
    de verde , de cores frias…

  • Senhor Professor, dou o nosso encontro por acabado que não estamos para aturar as suas manias.
    Eu farei o regulamento necessário que dele depende o meu salário.


    - Obrigado, obrigado por esta prenda de aniversário de ficar a saber...




… da noite



Dorme meu amor

Embrulha-te na escuridão,
Protectora da noite, nela imersa

Pelo meu lado, agarro-me a um clarão
e rasgo-me em vários para uma conversa.


Dorme meu amor

Crisálida de noite liberdade
Pela manhã ao sol brilhante borboleta de ar

Pelo meu lado esfaqueio a cidade
Rua a rua veia a veia para me sangrar..

(ás vezes conto as batalhas perdidas
As ganhas contam-se pelos dedos
Assinalá-los-ás por épocas por vidas
Por amores por sonhos por medos)

Mas dorme meu amor

Tranquila a esperança é amanhã
Hoje foi só uma dura passagem
pelo meu lado urdo uma via sacra em teia de lã
a quente, bordada na minha alma a vida via viagem

(ás vezes canto pelas esquinas
Uma desdita maior do que a minha
Pelo mesmo preço ainda canto duas sinas
A minha bem triste e a da pobrezinha)

Dorme meu amor
Nas dobras da noite da solidão
Da minha ausência

Pelo meu lado carrego os erros numa canção
Numa vibração da voz um cristal de demência.

Dorme meu amor dorme
Meu amor melhor meu sonho eu feminino
Não te arrepies quando regresso neste destino
De mim sobrou só este poema conforme.



S. Tomé, princípio de 1980

© Arsélio Martins, professor só... logo após.....

quem fui eu quando fui eu?



--

se quando escrevo não penso no que escrevo.....

Eu tive um amigo perturbado por frases que eu escrevi (sem pensar porque quando penso) com cuidado o que escrevo não é o que eu penso. Penso que isto não é muito claro precisamente porque é muito escuro como um dado que se perde quando se quer que ele fique fora da conversa ou do jogo. Talvez uma conversa seja um jogo ou um desenho no chão como uma necessidade de ilustração do que estamos a dizer mesmo quando estamos calados. ..... se quando falo não penso no que digo.....ou digo o que não penso

ainda como se fosse ontem


então o que escrevi sobre o mais importante que é torcer o nariz foi só mostrar-te tal qual és visto pela minha mão direita

Prevertido


Prévert foi ao mercado das flores
comprar as flores mais lindas e mais silvestres
para adornar o peito da mulher mais bela.


Prévert foi ao mercado das roupas
comprar os vestidos mais leves, frescos e belos
para vestir o corpo da mulher mais bela.


Prévert foi ao mercado dos vinhos
comprar os melhores néctares
para celebrar a mulher mais bela.


Prévert foi ao mercado das ferragens
comprar a corrente mais bonita e forte
para prender a mulher mais bela.


Prévert foi ao mercado dos escravos
para comprar a mulher mais bela




Felizmente tu,
meu amor,
não estavas lá.










para me lembrar outro Arsélio Martins de outro século

12022021, hoje

do que me lembro de quando eu pensava que o que não via não existia:
O que eu vejo não é o que tu vês, o que eu ouço não é o que ouves, o que eu desenho ou digo não é o que lês. Escrever palavras que ninguém ouvirá é o que eu sempre procurei. E que as palavras que eu venha a dizer nunca sejam escritas. Porque as palavras escrevem-se para serem lidas e dizem-se para serem ouvidas. Não são as mesmas ainda que iguais pareçam, como me acontece ao não me reconhecer na minha voz gravada. E o que eu escrevo não é o que tu escreves mesmo que sejam mesmas as letras das palavras que escrevemos, elas são entendidas de modos diferentes se atribuídas a mim ou a ti e mais diferentes ainda se as dissermos simultaneamente ou se eu as mesmas disser em momentos diferentes ou olhando para quem ouvê ou ouvive instantes diferentes.


hoje vejo uma máscara mal amanhada sem tapar a boca que nos come e o nariz que nos respira

Neste mês de Fevereiro, sobra-...

....-me tempo para um pouco de tudo. Nunca me senti tão conforme com o estado do tempo que aí vem e de aí foi e de novo virá de aí... ainda aí?
Tenho tempo demais para pensar no inexistente de lá fora... furturo ou talvez melhor furto do futuro, porque há quem assim diga. Mas isso tem o seu temporal porvir. Para hoje o tema....
...é outro e apaixonante: há quem escreva como se não escrevesse.
[Assim é, claro! digo eu como especialista do assunto. Sabido e admitido é que quem escreve finge querer deixar uma herança aos vindouros que não pode confundir-se com a utilidade do texto de algum velho ou novo testamento ou de testamento dado à guarda de juizo, advogado, solicitador para que o acumulado seja entregue a mula ou a cu....do em acordo com alguma vontade mesmo que não expressa forçosamente impressa. Ainda em vida percebi que ninguém dos meus sobrevivos sentirá obrigação em levar-me e entregar o meu cadáver para uma participação no teatro anatómico.
Há muitas trocas de opinião entre os mais próximos do cadáver: ouvi mesmo dizer que isso não tem sentido até porque o morto nunca pode ter a certeza de não vir a calhar em sorte um naco de sistema respiratório ou reprodutivo de bisavó ... à mesa do teatro anatómico em sorte atribuída a um seu bisneto...]
Quando chegamos aqui e agora, na hora de escrever o que nos falta impingir, só nos falta o que fomos acumulando que é tudo o que esquecemos até agora, aqui mesmo. O que escrevo, sei eu antes e agora, só a mim interessa. Como exemplo, houve um tempo em que escrevia para ser dito na rádio independente de aveiro e ouvido mesmo aqui ao lado sem pensar que não sobrava para ser lido. Do mesmo modo, escrevi para jornais locais (e não só) para ser lido não me lembro por que leitores que não ouviam as letras que juntara para as acompanhara até adormecerem nas páginas de jornal Sei que foi assim. E o que foi já era ... de outra era.

entretanto...

.. juntam-se em grupo lápis de cor e espanto, acrilico e pastel e fica tudo borrado.... a não criança que eu sou não chega a tanto.

De vez em quando..........antigamente


Tenho muitos cadernos abandonados por mim em prateleiras do tempo passsado.
De vez em quando passo uma mão pela capa de algum caderno que quero passar para as mãos de uma neta - essa que se reinventa todos os dias, em cada papel que apanha a jeito.
Para que o caderno fique sem mácula do tempo antes da prateleira, rasgo as páginas já riscadas por mim em tempo da prateleira onde se riscou.
O acaso dos riscos, das rugas.

Pretextos: perseguir gralhas que nunca vi e vejo....


Uma palavra qualquer e um perfume colhem-se ao acaso. Um fermento tem duas palavras alinhadas, guerrilheiras, encolhidas mas prontas para te saltar ao pescoço. As duas palavras assim alinhadas vivem no chão das palavras. Um desejo de palavras é uma trepadeira aérea, palavras enroladas no teu corpo. As palavras espreitam um campo de batalha, uma arena, uma cama, uma página em branco, um pretexto.
(que já percebi e agora não percebo)

... justificação quase inútil ...

que não é costume do autor confessar-se ou justificar-se e nem sequer publicar-se, mas publicando-se como memória experimental, convém esclarecer que estes textos foram escritos para serem lidos por um amigo aos microfones de uma emissora pirata de rádio do século passado e o sentido que têm tem de ser buscado em paisagens e personagens do século passado.
assinado: a. de almeida

... nem sei que dia é hoje ...

Não sei que dia é hoje. O dia arrasta-se viscoso e fétido. Uma nuvem pegajosa e fria ocupa o norte e o sul da minha cabeça. Uma orquestra de bordões vibra dentro do átrio que a minha craniana é. O auditório é enorme e ne se sentaram todos os grritos de uma multidão revoltada. A pateada ressoa.
À saída, o homem que tentou cobrar as entradas pergunta pelos bilhetes de saída e as portas partem-lhe a cara. Um estrondo sobe desde o peito até ao átrio aberto na cabeça. A catástrofe foi evitqadaa por uma multidão de pombas que, batendo as asas, irromperam dos ninhos, ali perto das olheiras, e ocuparam toda a amplidão do auditório em que se ouvia a ária do adeus à vida.
Não sei que dia é hoje. Um político vem até ao púlpito e declama um sermão previamente escrito. Ouço-lhe as imprecações e o ribombar da explosão da bomba que um terrorista trazia no bolso. Dentro da minha cabeça, se desfaz o político e o terrorista ingénuo e infeliz.
Não sei que dia é hoje. Um jornalista denunciou em voz vibrante e clara, a conspiração que percorre os corredores do palácio do poder. Uma secretária ouviu acidentalmente as palavras que umas murmuravam para os ouvidos dos outrose fugiu para as escadarias. Ali, por ter tomado consciência de si, iniciou um discurso inflamado até chegar a ambulância da sua próprima loucura. Um deputado esclareceua imprensa que se ela assim estava e falava tal se devia a ter sido abandonada, pelo deputqado do seu círculo de amigos, entretanto eleito para outro parlamento.
Não sei que dia é hoje. Mas sei que uma nuvem pegajosa e fria ocupa o leste e o ocidente da minha cabeça. Um primeiro ministro declara que nunca mais declara coisa alguma. Felizmente, penso eu. O mesmo não pensa a oposição e e o seu próprio partido. Fazem um barulho danado. Dentro da minha cabeça, há ameaças de paz e nenhuma paz é possível.
Não sei que dia é hoje. Deixem-me em paz. Deixem-me em paz.Não sei que dia é hoje. Deixem-me em paz.



... em frente ...

Em frente, o quadro é quase branco. Só três vergões no papel denunciam que o papel foi torturado. Dois pequenos traços a carvão denunciam uma intenção frustrada de um esboço geométrico.
Em frente, a moldura cerca uma pasisagem branca. No vidro, reflectem-se a estante e o quadro negro e vermelho da parede contrária. Vê-se ainda uma nesga de porta.
Em frente , o quadro é quase branco. Para a direita, uma porta dá para uma varanda e vêem-se telhados e, lá adiante, contra o céu cinzento de chumbo, destaca-se um edifício entre duas torres falsas, sendo que a torre da direita me parece igual à da esquerda depois de rodada de 90ª em torno de um eixo vertical que a atravessa de baixo até cima.. O eixo continua pelo céu dentro, parece-me mesmo que se enfiou nas nuvens. Talvez seja uma antena e sirva para estabelecer comunicação entre o edifício e o céu.
Em frente, o qaudrom é quase branco. Os candeiros acenderam-se na porta à direita. Também se acenderam no carros velozes. Fixado a esta mesa, tudo vejo nitidamente. O que está fixo no exterior, olha-me como como o quadro branco me olha com os seu olhos vazios de sentido. O que se move no exterior parecem-me olhos olhos inquietos buscando um sentido no movimento. O que move não vê, ou pelo menos não vê o meu olhar perturbado pela penumbra entre o dia e a noite. Os faróis mostraam a presença que se faz ausência. Sigo-os com o olhar e escuto o seu movimento como uma ondulação urgana chegano e partindo dos meus ouvidos. Os edifícios estão silenciosos. O quadro branco em frente está silencioso, atento aos meus movimentos que ele reflecte.
Em frente, o quadro é quase branco, sobre uma parede branca. Posso desenhar a esquina com um traço negro. Dobro a esquina com os olhos e parto pelas ruas até lá onde o quadro é negro. O corpo aqui fica suportando os dedos inábeis que martelam letra a letra o quadro branco do computador.
Em frente o quadro é quase branco. Viro-lhe as costas, mas sei que nas minhas costas está o quaadro quase branco e nele colados estão dois olhoscansados de ver. Para os recuperar, viro-me para o quadro quase branco e volto a ver o quadro quase branco e à direita a rua com os seus edifícios mergulhados na escuridão, as luzes fixxas dos candeeiros, as luzes móveis dos faróis chegando e partindo, fugindo de mim.
Com nitidez vejo o mundo quase branco. Um mundo de papel e de luz, de luz no papel. Um mundo inóspito por dentro de mim. Um mundo inóspito por fora de mim. Neste mundo sem fronteiras visíveis, um lobo anda à voltas como se estivesse encurrralado no quadro quse branco, em frente de mim. Nitidamente vejo-lhe os olhos brilhantes, os meus olhos.



... dachau ...

A 20 de Março de 1933, em Dachau - Alemenha, é aberto o primeiro campo de concentração. Ao mesmo tempo, é terrível e necessário falar destas datas. É preciso escrever cartas aos nossos filhos e aos filhos dos nossos filhos também sobre os horrores.
A Andreia e o Zé tornaram mais simples a memória do dia negro, não o ocultando, mas desvendando-o no seu reverso de esperança: No campo de concentração Stalag Ulía na Silésia, em 1941, Messiaen compõe o "Quarteto para o fim do tempo". Lá, nas mais incríveis condições, para um público de guardas e prisioneiros é estreado o "Quarteto para o fim do tempo".
Tenho de agradecer ao Zé a à Andreia terem dedicado aos seus alunos do Conservatório alguns momentos dos mais belos da humanidade, mesmo estando eles impregnados de sofrimento. Tenho de lhes agradecer poder escrever esta carta sobre o horror, temperada pelo poder do homem livre, mesmo estando preso, temperada pela criação que, até no meio da destruição, irrompe como uma hamonia desconcertante:
A 20 de Março de 1933, em Dachau, Alemanha, é aberto o primeiro campo de concentração nazi. Contra ele, não posso evitar um surto de cólera humana e, ao mesmo tempo, apesar dele, um vendaval de esperança: um pequeno silvo de trompa que anuncia o futuro ainda humano.
Apesar dele.
Graças a eles.



... há quantos anos? ...

Há 33 anos, em 24 de Março de 1962, as comemorações do Dia do Estudante estão proibidas por Maneuel Lopes de Almeida. Toda a gente(?) se lembra da crise académica de 62, que vem desde o seu início com a repressão brutal da ocupação da cantina da cidade universitária, com a realizaçãomdo proibido I Encontro de Estudantes em Coimbra e a criação do Secretariado Nacional dos Estudantes Portugueses. De Manuel Lopes de Almeida pouca gente se lembrará, mas todos se lembrarão da comemoração que proporcionou com a sua proibição. Greves de protesto, Solidariedade Nacional das Academias, Luto Académico. O Ministro há-de acabar por supender todas as direcções associativas. Parqa isso recebe a ajuda interessada de muitos académicos de caca que ajudam a reprimir os estudantes e a limitar a autonomia das estruturas associativas.
Para medir o peso da coisa, basta dizer que Marecelo Caetano se demitiu do cargo de reitor da universidade, tal foi a gravidade das violações.
Não vale a pensa agradecer a Manuel Lopes de Almeida, nem aos seus amigos porcos polícias, nem aos seus académicos de caca, nem aos seus porcos palhaços.
Há 21 anos, em 24 de Março de 1974. Uma reunião clandestina do Movimentodas Forças Armadas decide um golpe militar para um dia entre 20 e 28 de Abril de 1974.
Poderia estar a dizer isto aos meus amigos, na mesa do café. Mas não estava a dizer isto aos microfones de uma rádio local e independentes. Agradeço ao Moviemntodas Forças Armandas na su decisão de 24 de Março.
Há pouca memória disto e os estudantes, com toda a liberdade, comemoram em vez da vida vivida e da primavera, o regresso do capitão fantasma ou do capitão litro.



... alergias ...

Com a primavera atacam-me todas as alergias. Esqueço-me de outras alergias intemporais, para me concentrar no combate às novas alergias. Como se irá ver.
Acusavam o homem de não ter ideias.
Agora acusam o homem de ter ideias. Acusam o homem de ter ideias qeu não pode cumprir. Acusam o homem de ter ideias que quer cumprir.
Acusavam o homem de não ligar ao que a sociedade quer. Acusam o homem de ouvir demasiado a sociedade civil, mostrando que não sabe o que quer. Acusam-no de ter a mania de ser o homem que sabe o que quer para o país, que o que interessa é o que o país quer e não o que ele quer para o país.
Acusam-no de defender demais o estado providência. Acusam-no de defender demais o mercado. Acusam-no de defender demais a imiciativa privada. Acusam-no de defender demais a intervenção do sector público. Acusam-no.
Acusam-no de estar rodeado de imbecis e idiotas que nada sabem dos problemas do país. Acusam-no de estar rodeado de pessoas que sabem demais e que, por isso, podem ser prejudiciais ao país.
Acusavam o homem. Acusam o homem. Acusarão o homem. Porque a política está a tornar-se num jogo sem regras. Em política , devia discutir-se mais as ideias e menos estender dedos ascusadores a todas as ideis. Devíamos ter uma ideia-tesoura para cortar dedos acusadores com rumo, mas sem moral.
As palavras não chegam para para vencer alergias. É, por isso, que continuo com comichões.



... pacheco ...

Já, muitas vezes, defendi que há novos políticos que sabem que se tomou desnecessária a hipocrisia profunda. Porque a opinião pública está anestesiada ou porque a opinião pública não existe, eles dizem a verdade quando dizem que mentiram e mentem quando estão a dizer a verdade.
Nenhuma ideia interessa se estiver provado que os votos têm a ver compromissos clientelares somados ao medo social que todas as mudanças trazem dentro. Nenhuma ideia interessa, se estiver provado que as peqeunas e grandes cumplicidades, de tantos anos de governação são os fios com que se teceu um tecido social pegajoso desde a mais pequena aldeia aos grandes negócios da capital e do capital.
O meu amigo Pacheco dramatiza todos os dias a vida política, afirma coisas, alerta para a insegurança dos investidores, para o desastre, para as brincadeiras do Soares, estica cordas entre os mastros masi altos do deserto. Pacheco chama a atenção para o abismo que sobrevirá caso cais o partido do governo de tantos que são só alguns, vale ndo por mujitos. Como se estivesse a cumprir uma missão de consciência, com toda a sua convicção, o meu amigo Pacheco cria o desastre, fala do desastre, cria autores para o desastre, acusa autores do desastre nacional, descreve o futuro desastre com as cores masi negrqas, adivinha o desastre futuro nas palavras dos opositores, denuncia veementemente a oposição de estar conscientemente a oposição de estar conscientemente a prometer mundos e fundos que não há, para atirar o país para a bancarrota e o desastree.
O meu amgigo Pacheco é, para além de deputqado, chefe de bancada e de claque, pretende ser também um cientista, um analista político, um estratega. E é vaidoso demais para deixar por mãos alheias os seus méritos cinetista social e estratega. E, sem olhar para trás, vai de publicar as suas ideias tácticas para repetir a maioria governamental. Segundo ele é preciso drqamatizar em crescendo até às eleições.
Assim, o meu amigo Pacheco se denuncia como argumentista do drama, que ele, como actor, está a representar. O meu amigo Pacheco não é tão estúpido que não tenha percebido que entre a representação e a criação no tetaro da vida social há só um pequano passo. O meu amigo Pacheco já deve ter lido que há loucura nisto. Sabendo da ligação entre os meios e os fins, já nem sei se o meu amigo Pacheco não estará a tentar um meio fm.
Não há qualquer hipocrisia vulgar em Pacheco. A hipocrisia do meu amigo Pacheco é invulgar.



... a casa espanhola ...

De vez em quando, entrava naquela loja escura e funda e pedia umas calças iguais às que trazia vestidas. Sem grandes complicações e sem grandes conversas, provurava-se, vestia-se, media-se, pagava-se. Uns dias depois, buscava as claças que iam ser as calças do meu hábito de usar calças.
De fora, vejo as mesmas pessoas dentro da loja. Mas esta foi renovada e eu sinto-me cheio de dúvidas para lá entrar. Será que a renovação da loja mudou as pessoas? E os preços? Será que as pessoas ainda me conhecem? Será que possa pedir as minhas calças sem que tentem vender-me umas calças que não sejam iguais às calças fora de moda que ue sempre usei? O primeiro sinal de alarme vem dos bolsos. Rompem-se sempre antes de tudo o mais. Depois, à transparência, vejo que o tecido, ao cimo, entre as perneiras, está no fio. E vai chegar o momento em que p caminho para a loja modernizada, menos escura mas ainda funda, tem que ser tomado apesar de todos os temores. Lá irei. Por enquanto, vou passeando o meu bolso direito roto. Por enqaunto, o bolso esuqerdo, já no fio, ainda não deixa cair o isqueiro e, cheio de coisas, equilibra o saco que penduro do omvbro direito.
Quando trago as mãos nos bolsos, a mão direita roça a perna direita. É por isso que estou a pensar em mudar para cuecas mais clássicas que agora se chamam boxers.
Para manter a minha mania clássica a respeito de calças confortáveis e já rotas, vou actualizar-me a respeito de cuecas, com a explicação conservadora de que os boxers têm o formato das cuecas da aldeia da infância, fico em paz comigo.



... convergência de divergências ...

Um dia vieram dizer-me que podia haver uma convergência de divergências. E eu assinei por baixo. Ainda não percebi como é, mas é uma coisa nova e é por isso que assino por baixo.
A minha mão esquerda, inábil e grotesca no gesto de assinar, assina o apelo. Além da minha mão esquerda, assinaramos dois pés e trinta e tal pessoas de diversas formações. Professores, cientistas, objectores, arquitectos, profissionais da política, cantores, compositores, sindicalistas, operároios, camponeses, soldados e marinheiros. Todos à beira da idade dos que mal chegam ao século seguinte, os subscritores querem dar-lhe uma marca de água limpa. Os subscritores estão convencidos que há uma diferença assinalável entre os que defendem e que esquerda tradicional tem para oferecer. E é nisto que há um drama e um abismo. Eles pensam que o que defendem também pode ser oferecido e eu, abaixo assinado, não tenho alguma coisa a oferecer e não sei se há alternativa no que defendo.
Não defendo a mesma coisa, porque não me defendo. E talvez porque não queira construir os amanhãs que hão-de vir, para que outros os vivam. Em nome do futuro dos outros tem-se destruído o presente de quem vive ,de tal modo que quem vive, só sobrevive. Começo a pensar que bastava não destruir o preseente de quem vive. Nenhum futuro precisa de mais que uma herança universal não hipotecada e sem impostos sucessórios a pagar.



... ordem de prisão ...

O presidente deu ordem de prisão ao comandadnte.
O comandante tem sete irmãos. O comandante num colégio de jesuitas em Tampico e até foi professor. O comandante encontrou em Chiapas o lugar da revolução.
O presidente fez guerra ao comandante e nela perdeu dedos e anéis. O presidente encenou o diálogo com copm chiapas. Todos os presidentes são capzes do diálogo, sendo incapazes de matar a fome. Podem ser definitivamente incapazes de matar a fome e a sede de justiçã, mas julgam-se sempre capazes de matar quem tem fome e sede de justiça.
O comandante não é o índio que devia ser, é só latino-americano. Apesar de usar um disfarce, eles conseguiram saber quem ele é. Pelo diálogo com as populações, pelo diálogo com ele, pelas polícias. PO comandante marcos está marcado. Uns diziam-no marcado para ser preso, outros dirão que está marcado para ser assassinaado. Uns e outros sabem que ele está marcado para ser um símbolo.
O presidente deu ordem de prisão ao comandante. E o comandante deixou-se prender na teia de todos os presidentes. Uma aranha poderosa suga o cérebro de todos os presidentes, ministros, deputados. E, por isso, que maior parte dos poderoso deste mundo têm marcas de idiotia no olhar.
O comandante talvez até já tenha sido preso, talvez até já tinha sido assassinado..
No seu olhar ainda se reflecte o céu das montanhas e uma floresta verde. Lembro-me da frqase que ele usou para cumprimentr o zedillo eleito: Benvindo ao pesadelo… Saúde. E um para-quedas para esse precipício que há no seu amanhã.
Eu estou para aqui a chorar, cheio de pena do presidente idiota.



... as criadas...

Dois homens são as criadas. Um terceiro homemé a senhora que se nota no traje masi viistoso.
Nenhum deles finge ser o que não é e no entanto são o que eu disse que são.
O que é que separa o homem de ser a mulher cobiçada ou a criada? O que é que separa o homem de ser o que quer dar a entender que é.
Os dois homens que são as criadas vestem fardas de criadas, vestindo desse modo alguns gestos e pequenos ódios. Vestem cherios também, quando vestemo espaço de cozinha e a lida da limpeza. Se tivessem amantes, eles representavam o odor próprio dos outros serviçais. Não se chega ao actgo feito, ao facto. Vestir é reprsentar o por fazer.
Um teceiro homem é a senhora. O que separa esta mulher do homem que lhe levanta a pose de vaidade intensa e lhe dá uma salgada voz de entrega e perdição? Nada nem ninguém pode separar o que não é separável - por esta razão à criada sobra não uma razão, mas a maldição de adorar a mulher perfumada.
Uma criada sabe. Não tem razão.
As criadas cheiram a lavado



... o português suave...

Compro um braçado de flores para oferecer ao santo que me ofereceu as botas da tropa. Com mais dinheiro comprava-lhe o convento de mafra ou pelo mesno um lugar no chão de mafra para uma tumba patriótica decente.
Compro um ramo de violetas para oferecer à dama que me trouxe ao colo e me consolou depois da trágica derrota frente ao kasparov ainda este jogava na segunda divisão do campeonato que se disputavano xadrez lá para os lados de pinheiro da cruz.
Compro um camião de rosas de cheiro para oferecerà porimadona que cantou no meu funeral tão convictamente comovida e contralto que deus decidiuressuscitar-me de entre os mortos para não ter de a ouvir cantar de tristeza.
Comnpro um quintal de flores de papel reciclado para os lados de vouzela para levar a minha mulher em seu altar no dia em que ela aceitar a máxima divisão comigo: ela trqabalha e eu descanso para todo o sempre.
Compro tudo o que me faz bem à consciência. Hoje compro uma rosa. Comovo-me com o regresso à luta. Compro uma ideia solta. Uma fita para o meu cabelo. Compro um chapéu e um para de óculos, para não ver que está tudo tão mudado. O mundo é tão diferente. Mesmo as moscas não são as mesmas. As moscas têm uma vida tão curta e também isso me comove.
Compro um cartão de sócio do porto. Se comprasse a jóia, que jóia comprava? Compro um sano e uma senha. Compro uma sanha assassina e dois bilhetes para a ópera. Compro um passe parqa toda a temporada do s. carlos, outro para temporada do cenro cultural de belém e ainda outro para a temporada do politeama. Sento-me na esperança de ver todos os espectáculos. Estou de acordo com todos os espectáculos e com os argumentos a favor da pena de pato. Se me deixar mato quem me rouba. Comnovo-me com as imagens da virgem mãe violada e reclamo justiça. Compro a imagem de uma mulher perdida nos inacabados corredores da catedral. Compro um papel ilustrado desenhado com os pés daquele que cortou as mãos para não poder matar-se.
Comovo-me com a dedicação dos cães e comovo-me com a causa dos gatos. Compro rações. Compro o detergente que lava mais. Compro uma boa acção de um banco igulamente bom. Comovo-me com a dedicação do capital no regresso a casa.
Sou português.



... os gnomos

Os gnomos tomaram conta do céu. Uns pintaram tudo cor de laranja, dizendo que o nosso mundo é cor de rosa. Outros pintaram tudo cor de rosa, fgritando que a cor laranja é o negro mais escuro e que o mundo ficou um beco e burqaco negro para onde foram atraídos morcegos e vampiros.
Quando quiseram ser masi claros os gnomos cor de rossa falaram do tráfico no beco dos gnomos cor de laranja. Ainda não arriscaram a falar de tráfico de drogas pesadas mas trabalharam de tráfico de influências que é droga leve.
Todos os gnomos experimentaram e verificaram que dá uma sensação de estar acima de toda a suspeita e acima da lei. Costumavam dizer que que é excitante como voar.
Mas os gnomos cor de rosa passaram-se a dizer que a sensação a ter não era essa de estar acima da lei, mas simplesmente fora da lei. E que era preciso pôr os gnomos traficantes dentro da lei.
Foi assim que os gnomos dor de rosa inventaram uma nova lei, porque para gnomos dentro da lei faltava escrever uma lei. Uma lei que, aplicadno o código penal aos gnomos, fechasse tudo numa teia legal.
Há quem diga que é mais uma lei para saobrevoar. Está a aumentar a excitação dos gnomos voadores. Mesmo aqueles que têm sido incapazes de voara por via das inflUências (mais venéreas que veneráveis) estão excitados e alugaram um zepelin para sobrevoar a nova lei. Nunca contaram o qeu viram lá de cima. Mas há quem diga que voltaram mudos, por terem visto a aranha falante e a sua ninhada.
O que é certo é que neste período pré-eleitoral os gnomos de todas as cores pintam o céu de azul celeste.





            ,
            
            

... pelas escrituras...

......inda voltaremos a falar

desdenha, desenha

desdenha o que deseja de tal modo que tem saudades terriveis das reuniões descritas nos cadernos de trabalho que se guardam só pelos desenhos. à moda de um camponês que antes de semear ou plantar olha o campo plano e espalha a merda do estrume como se fosse um pintor a espalhar sangue numa parede sem sonhos

Assuntos de Família - Cena 3 -.


"Assuntos de família".................... em 3 cenas (?)
Como mensagem em 04/082000 para os X
- (reencontrado agora que o frio aperta)-
tento lembrar-me, localizar-me e compreender-me nesse tempo



[ 04/08/2000 ]



[Cena 3]


Voz off: O museu fecha, mas a peça continua em cena.

O pano cai… das mãos de uma das primas.
Poderia ter sido um pano de pó e as primas poderiamter andado a limpar o pó aos personagens imóveis… caso o dramaturgo se tivesse lembrado disso.
Agora a luz desaparece por momentos para aparecer de tal. modo que os homens ficam iluminados e as mulhereds pareçam manequins imóveis e as mulheres pareçam manequins imóveis na posição em que sencontravam ao fim da cena 2.

  • O pintor pinta sempre a mesma paisagem durante toda a sua vida. Só mudou o número de mulheres que se ocupavam de coisa nenhuma.
  • Nem só o número de mulheres. Algumas vezes acrescentava um pano caído da mão de uma das muolheres.
  • O que mais admiro é a paisagem gelada…
  • — e eu as mulheres nuas…
  • … as roupas transparentes …, a transparência é que é dificil de pintar…
  • … mas isso deve ser a mesma técnica para a paisagem visível coberta de neblina gelada…
  • Estás a tentar dizer que ele conhecia uma técnica e a utilizava em tudo?
  • Não é de génio?
  • É. Ele fez alguma coisa que não se aprendia nas escolas do seu tempo.
  • E agora aprende-se?
  • Claro. Não há escola de belas artes. Há escolas de ciência para aristas…
    O que eles ensinam é ciência aplicada. Dito de outro modo, eles ensinam o que se sabe, o conhecimento que está organizadao, as técnicas conhecidas.
    O que ele fez de genial agora é conhecido e e está organizado. Qualquer aprendiz de uma escola de belas artes agora aprende a fazer aquilo.
    Aprende a técnica, mas já não pode aplicar a técnica para criar o mesmo ambiente. Ou talvez possa e esssa fraude não seja fraude, mas o fundamento da indústria da arte decorativa.
    Sabe-se agora que todas a arte é decorativa e aceitável a indústria passou a incorporar para além da moral, a assinatura como forma de estabelecer preços diferentes para produtos similares.
  • Se não há escolas de artes, como é que há escolas de belas artes?
  • É a pulhice mais acabada. Ainda podíamos pensar que se podia chamar escola de artes a uma escola onde só se ensinasse e aperfeiçoasse o conjunto das técnicas apropriadas à produção de um determinado objecto ou produto. Mas chamar-lhe escola de belas artes, é a atribuição de um estatuto de formação, uma apropriação da estética para algumas actividades humanas, uma elaboração moral.
    Os artistas plásticos, os escultores, os arquitectos,… os escritores também, e os actores, etc … têm a mania de incorporar moral e beleza nos seus produtos. Estão no mercado, mas tentam vender mais que o produto do seu trabalho. São vigaristas no essencial.
  • E, de certa maneira, têm razão… até porque a moral também é uma arte.
  • Quem disse que a moral é uma arte, foi um artista.
  • Não. Foi um teólogo, enquanto falava de uma arquitectura na criação do mundo. De certo modo, ele considerava que um mundo é um projecto do arquitecto que deus é em si mesmo.
  • E tu achas que deus é um arquitecto?
  • Não, não acho. Acho que Deus é o operário que anda a tapar as rachas das construções dos homens. E é por isso qjue a assinatura de deus não vale coisa alguma em matéria de arte e vale milhóes para outro tipo de produtos
  • Já viste a assinatura de deus?


Assim acaba a cena 3, sem que os homens e as mulheres se tenham encontrado nas falas.
Não , não cai coisa alguma. Mas devem apagar-se todas as luzes e deve projectar-se uma manifestação de fé, ou um quintal com lixeira… assinado deus… com letra infantil.
[Fim da cena 3]

Passados que sejam três horas após se ter descarregado ou descartado todo o passado silêncio de futuro … que é o final em todos os assuntos de família.

Assuntos de Família - Cena 2 -


"Assuntos de família".................... em 3 cenas (?)
Como mensagem em 02/08/2000 para os X
- (reencontrado agora que o frio aperta)-
tento lembrar-me, localizar-me e compreender-me nesse tempo



[ 02/08/2000 ]

(…) A lua começa a levantar-se sobre o abismo que é afinal para onde todos os miradouros dão. A mulher mantém-se impávida. Os homens calam-se.


Não cai o pano. Levanta-se a neblina gelada. A luz da lua torna-se forte, embora branca. Os homens começam a tirar os casacos. E ouve-se um reboliço alegre de mulheres a aproximar-se

[Cena 2]

O cenário é o mesmo. Mas há um projector de luz branca crua e forte a desenhar uma lua e uma dispersão de luzes amarelas fracas(?) que devem dar uma sensação de calor. Os dois homens mantêm-se como homens, mas imóveis. Já sem os casacos ou sobretudos sentam-se no banco do miradouro agora seco e quente ou quase isso.

Entram duas mulheres jovens falando animadamente que se vão aproximar do modelo (manequim?) nu que ali tem estado a fingir de atenta mulher nua.
Têm um ar alegre e vestem roupas frescas (quase transparentes que contrastam vivamente com os fatos pretos, camisas brancas e gravatas (ou laços) escuras dos homens.
Continuam todos (homens e muolheres) sem nome e sem face completamente definida.
A luz deve recortar e não deve esclarecer os detalhes dos rostos (as mulheres podem apresentar máscara em que os olhos e os lábios podem ser mesmo traços violentos de azul ou vermelho vivo para os lábios podem ser mesmo traços violentos de azul ou vermelhos vivo para os lábios). Poderá esclarecer detalhes das roupas dos homens (sem detalhe nelas mesmas) e das mulheres (com excesso de detalhes nos adereços).


Quando entram no palco, acalmam-se:


  • Não sei se foi boa ideia.
  • Reproduzir este quadro a três dimensões foi a melhor ideia que até agora tivemos. Já viste quantas pessoas vêm ver esta reconstituição da atmosfera, da paisagem do quadro?
  • De facto, quase ninguém liga ao resto do museu. E para este lugar até tivemos de construir uma plateia. Agora já há pessoas que vêm repetidamente..
E vêm de longe.
  • Não achas que podíamos mudar o quadro?
  • Fazer reconstituições de outros quadros? Talvez isto se possa quase transformar num teatro, sendo os argumentos quadros ou grupos escultóricos conhecidos...
  • Mas então fazíamso quadros vivos?
  • Não os actores mais baratos ainda continuam a ser os manequins. E, para o que queremos, os manequins são os únicos actores possíveis
  • Os adereços e as luzes já vão dar trabalho que chegue
  • O fenómeno do público para este quadro é mesmo fantástico. Dois homens vestidos, sentados, de casaco na mão e uma mulher de pé nua é uma ideia perfeitamente estúpida. Mas funcionou na pintura e agora funciona aqui.
  • E vai funcionar ainda quando fizermos a exposição de fotografias tiradas a este ambiente. A fotógrafa está a fazer um trabalho brilhante - cenas do conjunto, cenas dos basbaques do público, detalhes do quadro…
  • Até talvez dê mais do que uma exposição
  • Encontrámos uma saída para a estupidez da terra. O pintor passou a vida a pintar autênticas obras primas e ninguém lhe ligou. Gastava em tintas e telas o que precisava para comer.
  • Ninguém lhe comprou uma obra só que fosse. Só quando morreu é que decidiram que a terra tinha obras primas dignas de um museu. E ergueram o museu… quase agradecidos por ele nunca ter sido feliz.
  • Agora que temos o museu das obras primas da terra, já não há quem seja capaz de uma nova obra prima e temos de ir animando as velhas.
  • Eles não deixam de olhar para nós quando vimos para dentro da cena.
  • Pensam que nós somos personagens animadas do quadro.

As primas abraçam-se. E assim ficam em cena.

Ouve-se uma voz off: O museu fecha dentro de cinco minutos

O pano cai.
[Fim da cena 2]
  • Assuntos de família - Cena 1-


    "Assuntos de família".................... em 3 cenas (?)
    Como mensagem em 01/082000 para os X
    - (reencontrado agora que o frio aperta)-
    tento lembrar-me, localizar-me e compreender-me nesse tempo



    [ 01/08/2000 ]



    [Cena 1]

    Já é tarde e os bancos de pedra do miradouro estão húmidos e gelados. Os dois homens, viradas as costas para o vento, as golas levantadas e as mãos nos bolsos, falam alto. Não se atropelam nas falas, mas nenhum deles deixa de falar na primeira vírgula do outro. Uma mulher nua de pé e olhar absorto na linha dos monte de onde o vento frio vem, que aparenta uma calma isenta do frio que se pressente neles, escuta com uma atenção tão vigilante que mais parece ser ela um ponto para o diálogo dos dois homens que lhe viram as costas.

  • Nas pinturas acontece isso: Os homens estão bem agasalhados e as mulheres estão sempre nuas ou quase…
  • Também já me aconteceu ver uma fotografia de neblina gelada em que há dois homens de sobretudo e uma mulher jovem e bela prarticamente nua que os escuta…
  • Os homens têm frio…
  • Não deve ser só isso que provoca tais representações Talvez seja uma ideia sobre as muolheres que nunca têm frio. Talvez o esforço ou o exercício constante que fazem para manter a elegancia lhes aqueça o corpo ou lhes engane a mente…
  • Não sei…
  • Sei eu. A muolher que nos vigia também está nua e não mostra sinais de frio…
  • Podíamos virar-nos para ela e perguntar-lhe…
  • Podíamos…
  • Durante alguns momentos, os homens calam-se. A mulher parece preparar-se para voar dali, caso eles se virem para ela. quando a hesitação acaba, as personagens não se mexeram.

    • Não vale a pena virarmo-nos para a pergunta.
    • Tem razão. Se nos virássemos, concluiriamos que ela não existe. Ela não é mais do que uma imaginação do nosso poder.
    • Mas o poder dos homens imagina realmente
    • Sim estamos a vê-la mesm o que ela lá não esteja e vimo-la, melhor assim, sem defeito. E de qualquer modo, teríamos de ser nós a responder às nossas perguntas.
    • Não achas que ela podia responder com vantagem?
    • Claro que podia. Mas nós não queremos as respostas dela, pois não?
    • Se a imaginarmos, podemos criar uma mulher e os seus pensamentos, quando descrevemos a mulher e os seus pensamentos anrtes observada minuciosamente. Tem so assim um modelo, uma abstracção do facto em vez do facto ou, o que é o mesmo, podemos ter um mundo de factos vestidos num só fato
    • Essa minúcia na descrição da realidade é que é a ciência?
    • Não só a descrição interessa. É trabalho da língua bem formada o desenho das qualidades que as coisas são em vez das próprias coisas
    • Mas isso não é arte?
    • Não, não é. Passaríamos a artistas se fossemos capazes de desenhar a ideia fisicamente ou escukpíssemos uma coisa como respresentação física da ideia de mulher. A arte é eficaz. Arte seria também, claro, conseguirmos que um actor fosse a ideia em vez de ser ele mesmo.
    • Pelo que disseste atrás, o fazedor de moda é um cientsta.
    • Mais que isso. Ele cria não só o modelo da realidade, como impõe um modelo de desejo…
    • … para quem deseja e para quem quer ser desejado…
    • … e para isso, têm de ser artistas… ou ter artistas ao seu serviço… para desenhar e construir fisicamente muitas vezes não mais que a nudez de um outroa artista a que chamam modelo e que é o desejo, uma personagem em vez de ser ele mesmo.
    • Mas é cientista, porque de alguma forma interpreta senão a realidade ao menos alguma coisa que vai ser real pelas suas mãos. De certo modo, ele observa os fenómenos, interpreta-os, descobre a lei e, sonho dos sonhos de poder, não só prevê a realidade do futuro, como tem a presunção de a influenciar…
    • É, por isso que esses cientistas são tão internos ao sistema. De certa forma, eles desviam os sonhos para uma realidade futura de que dão os contornos antecipadamente nos seus … modelos prescritivos. São cientistas que ajudam a conformar, pelo menos em algumas coisas.
    • Outros farão o mesmo serviço para outras áreas…
    • Exactamente,
    • Mas não vamos falar dos casos concretos dos cientistas servidores dos sistemas. Essa é a chatice do nosso caso.
    • O caso mais interessante é o dos arquitectos. Em espcial, as vanguardas que não só constroem novas paisagens, como por via das suas obras arquitectónicas podem prescrever o fim das funções clássicas e humanas para as casas, equipamentos e utensílios e obrigar mudanças de comportamentos que são moldados para os novos equipamentos. Por exemplo, um arquitecto importante pode projectar uma igreja para a tornar numa babel de tal forma que a vantagem do oficiante não seja reproduzida inteligível por via das deformações - reverberaçõess sonoras? - ecos, etc. É claro que ao poder da igreja ou das igrejas e à sua perpetuação também serve a ininteligibilidade. Ainda me lembro das missas em latim na minha aldeia de camponeses iletrados. E, por isso, não posso saber se uma igreja ininteligível não será uma igreja mais verdadeira no que a palavra e a instituição têm de pior.
    • Também pode construir os bancos e ocupar de tal modo o espaço da nave central que os fiéis não se podem ajoelhar ou rojar-se sobre a terra
    • Ninguém sabe se isso é bom ou mau. Depende do ponto de vista. Se eu não concordar com a função tracdicional na igreja, louvo a coragem (ou a inépcia) do arquitecto. Se achar que as coisas devem ser para o que os públicos gostariam de manter, ataco a obra e o arquitecto. No entanto, a possibilidade de uma obra arrsa velhas necessidades e pode tentder a criar novas necessidades. Mesmo quando há rupturas aparentes, o sistema pode descansar - a mudança é provocada pela eficacidade da arte, por um objecto… e não pelas ideias.
    • Quer dizer que a mudança dos comportamentos provocada pela intermediação das coisas (mesmo que passem a sradas coisas) nunca é perigosa.
    • É mais ou menos isso. Perigosas são as ideias que não precisam da ciência nem da arte. A sua eficacidade tem a alma no caótico e nada é mais dramático para um sistema do qeu a falta de um suporte físico construído e a falta de controle e previsão.
    • Deixemos os arquitectos em paz. O que nos pode interessar é a arquitectura. E dessa é impossível falar.

    A lua começa a levantar-se sobre o abismo que é afinal para onde todos os miradouros dão. A mulher mantém-se impávida. Os homens calam-se.

    Não cai o pano. Levanta-se a neblina gelada. A luz da lua torna-se forte, embora branca. Os homens começam a tirar os casacos. E ouve-se um reboliço alegre de mulheres a aproximar-se.




    [Fim da cena 1]

    o que a cor do tempo fez...

    A cor do tempo que faz

    Ainda se lembrava da cor do seu tempo. Quando nos encontrávamos acidentalmente ele soltava a língua para me dizer o mesmo de sempre: sei muito bem a cor do meu tempo.<(p>

    Eu não sabia como continuar uma conversa que assim começava mas não me ia embora sem dizer alguma frase de circunstância para dentro, muito baixinho dentro da minha cabeça para ninguém ouvir. A minha avó tinha dito para eu dizer isso quando me visse a braços com um encontro  das palavras sei muito bem a cor do meu tempo.  Também me disse que não movesse a boca ao dizer,  mesmo que fosse muito baixinho,   alguma frase de circunstância,  e eu assim fazia sempre para não ser mal interpretado que, acrescentava a minha avó, era preciso que não se ouvisse o que eu pudesse dizer.

    Um dia, sem precisar de apoio para a coragem de falar em alta voz, em resposta à frase sei muito bem a cor do meu tempo informei-o calmamente morreu a minha avó que penso ter conhecido por saber como ela o considerava e o conhecia muito bem a ponto de ser ela quem me ensinou a ouvi-lo sem lhe dirigir qualquer palavra que se ouvisse quando  lhe respondesse.
    E ele respondeu: sei muito bem a cor do meu tempo.

    O vermelho do meu sangue

    E neste ano, para agradar à falecida avó e aos reis magros e frugais, deparou-se com a obrigação de ser o que nasce para morrer pouco depois na cruz prevista para a sua morte. E, só tarde, percebeu que estava metido em trabalhos tais como ser chamado em cada ano  para representar o que nasce. Em resposta a um murmúrio da multidão que se juntara para a missa do galo e, já preso na cruz, ele gritou em voz baixa Se é bom?  Para mim será bom ver outro aqui no próximo ano o que levantou o galhofar da multidão até às lágrimas de tanto rir. Na festa da quaresma, porque não se fala de outra coisa, até as crianças sabem bem que é sempre o mesmo a gramar com os espirros da vaca, o frio do ninho de  natal e os pregos da cruz até à páscoa em cada ano. 

    Só ao neto da falecida avó é que nunca disseram que ela tinha deixado uma boa maquia para garantir que, após a sua morte, em cada ano, na sua terra, o seu neto fará a tempo inteiro as vezes do cristo todo o tempo  desde o natal à páscoa.E todos os anos até à grande final no ano em que o seu amigo Judas trinque a última daquelas trinta moedas que a sua avó queria ver trincadas, uma por ano, que ganhara ao jogo de resistir a pôr no prego.

    A coroa de espinhos

    Não é muito raro uma mulher  ser enfeitada ou enjeitada. E é mais raro ainda encontrar uma mulher que não use ou não tenha usado uma coroa de espinhos, pelo menos uma vez na vida. Para que os homens da vida de uma mulher sejam considerados porcos espinhos têm de dar a saber serem capazes de morrer em vida  por amor enquanto brincam com as suas vítimas ao fura orelhas  ou narinas em troca de brincos pendentes, escravas, anéis e colares de ouro. As suas vítimas são as vítimas mais amorosas que amantes e mais arranhadas que amadas.

    Quando isso acontece pela aldeia na quaresma de toda a gente, não há quem estranhe as feridas fáceis e faciais da vizinha sempre que esta sai a passear de braço dado com o seu namorado ou esposo e vai  enfeitada com a coroa de espinhos de um porco espinho, como um véu de quem não pode andar de cabeça ao léu.

    memória de momentos

    Ainda eu não tinha os dentes todos

    ainda eu não tinha os dentes todos
    e já comia a dureza dos teus ossos
    com vagar arrastando um grão pelos lodos
    neles enterrados os pés que são nossos




                ,
                
                

    ... as escrituras

    Fernando J. Pereira - 1989

    As máquinas úteis são as máquinas que funcionam

    O pintor pintou as cores tal como elas são antes dos desmaios. Foram elas que montaram os cavalos e vestiram os excessivos homens-
    Pompeia esticou a corda que vai de um olho ao ouvido de Pompeia. Para ela se iça um belo acrobata. Quando Pompeia aplaude, distrai.  E o acrobata cai numa poça de sangue  do coração de Pompeia.
    Pompeia desata a corda de olho ao ouvido, desmontar o seu circo e espera que o vulcão de tanto amor faça uma estátua com futuro.

    Não há outras cores.

    O mesmo pintor tem duas vidas:  a de olhar e ver e a de devolver o olhar: Uma não condiz com o olhar do Fernando. A outra é a secreta gaveta  da mesa em cruz da sua sagrada paixão. Aos pés da cruz, ela a cor virgem e mãe solteira das cores.
    São as cores que vestem o dorso das máquinas e ferramentas. Um mecanismo de relógio veste-se para bater em retirada deste tempo de chuva  que apodrece o azul da noite. A cabeleira molhada do pincel azul abriga-se e pinta  de azul de água as paredes da oficina.
    Vêem-se girar os grandes rodízios. Os rodízios amam e temem as correias de transmissão não se sabe de que roda motriz.
    Aquecem os rodízios. À sua volta há cores quentes. A correia, o cabo e o tubo passam pelo banho de azul da noite para não arderem. As lâmpadas e também os faróis e também o dia têm ombros de porcelana e aparecem suavemente voando do lado de fora para dentro de fora. A noite voa contra a luz e o Fernando esconde-se. Quando há paredes para romper vêem-se os pés rosados do Fernando. Quando  as paredes ocupam todo o espaço e pode acontecer, vê-se o homem levitando. Quando o dia se esquece dos homens, o azul escuro ocupa todo o espaço e pode acontecer que uma lâmpada cante no chuveiro, por um instante, antes de se fundir com a noite.

    Olhei para as máquinas. Têm ferrugem.
    Uma mão de homem, um pincel espetado nos tímpanos da noite e um cantor lancinante da lâmpada suicida completam o quadro. Os quadros dos temporais.

    Posso garantir que quando olhei para ver vi que as máquinas funcionam e que se ouve a música  voando por sobre o barulho das  roldanas que puxam a noite para dentro do homem.

    Gosto dos milagres do Fernando. Pompeia fê-lo acrobata. Aqui se expõe na corda esticada entre os dois mastros  -  pincéis varrendo o céu.


    Ao mestre pintor Fernando J. Pereira para a Exposição de pintura na Galeria  de Arte Augusto Gomes - Matosinhos, Janeiro  de 1989.

    Ideias - 3

    Made with Paper / fiftythree.com


    Gaiola


    Enviado do meu iPad

    Ideias - 1

    Made with Paper / fiftythree.com


    No ar


    Enviado do meu iPad

    Ideias - 2

    Made with Paper / fiftythree.com

    Sentado





    Enviado do meu iPad

    chegar é partir

    Quando aqueles que chegavam
    olhavam os que partiam
    os que partiam choravam
    os que ficavam sorriam



                Mário Cesariny,
                Manual de Prestidigistação

    mesmo sem querer,... as leituras

    sem querer, li ...

    O fim do longo, inútil dia ensombra,
    A mesma esperança que não deu se escombro,
    Prolixa… A vida é um mendigo bêbado
    Que estende a mão à sua própria sombra.


    Dormimos o universo. A extensa massa
    Da confusão das coisas nos enlaça,
    Sonhos; e a ébria confluência humana
    Vazia ecoa-se de raça em raça.


    Ao gosto segue a dor, e o gozo a esta:
    Ora o vinho bebemos porque é festa,
    Ora o vinho bebemos porque há dor.
    Mas de um e de outro vinho nada resta:


                Fernando Pessoa,
                esse mesmo ou outro dele mesmo

    mesmo sem querer,... as leituras

    algumas vezes dou por ele

    muitas vezes coro
    por não ter reagido

    outras vezes choro
    por me ter perdido

    e não saber porquê ou de quem

    daqui da varanda
    o olhar quebrado

    parece que tresanda
    este estar entalado

    cheirando o que ouço aos filhos da mãe




    algumas muitas vezes dou por ela

    A estrada que cava tumbas


    uma marca fica feita por um risco. um risco no chão, uma cicatriz, uma mentira verdadeira, um bordado na pele, uma sonhada melancolia.

    há quem suba até um pedestal, até um alto monte com uma igreja, até a um sopro de vento, até um simulacro de entendimento por alguma razão não explicita nem explicada como um embaraço arrastado por uma voz embargada por nada deste mundo.

    por vezes há um desenho de um monumento desses que nada têm para dizer. e ainda bem - dizem os que pretendem recitar um poema, uma história que não existe porque não dá jeito ou uma história que só existe porque dá jeito. felizmente adoramos o sol

    sem sermos capazes de chegar perto do verdadeiro forno da páscoa em andamento. cada um por si, cada um longe de si que nem conhece nem se reconhece tão estranho é a si mesmo. há mesmo quem se separe de si até ser dois para evitar o contágio por si mesmo. e reclame o teste a que tem direito como tem direito à peste.

    Quadro

    Sempre andaram por aqui... em todo o lado.


    E sempre se tiveram em grande conta, quando juntos. E tudo bem: podemos dizer que criaram raízes,  se reconhecem  uns aos outros e podem usar a entre-ajuda entre-eles para tudo incluindo o que não pode ser registado...nos registos da irmandade.

    as aves não são estúpidas: estúpido é mais quem as desdenha e menos quem as desenha


    não consigo mais que isto

    das línguas, o sonho

    uma tia afastada
    à medida que de mim
    se ia afastando
    até não sei quando
    se tornava linha de serrim
    e mais nada.

    já a vaca sagrada
    sem medida objectivo ou outro fim
    que não fosse ir pastando
    até quando
    o caminho deixasse de ser visto por mim


    quando acordei
    alagado em suor
    descobri a vaca com quem sonhei
    a limpar-me com mais língua que amor

    se não sei falar contigo


    não tenho paciência comigo


    é verdade que quem se dedica a muitas
    pouco dá a cada uma delas
    e isto acontece por aqui também

    alguma constância temporal de leitura escrita ou desenho

    e é por isso que por aqui constância só acontece
    quando outros esperam alguma coisa de mim
    e eu acho que posso dar-lhes o que pensam precisar
    até que se cansem do que precisam
    ou das minhas mãos dadas.

    isto serve para que todos suspeitem

    que por aqui algumas mudanças podem ser
    acontecer mesmo que não sejam para durar


    posso pedir desculpa por ter levado alguém
    a ler isto

    para uma  irritação contraída  pelo vácuo
    meu
    em volta de mim
    como eu.

    Calado e triste. Nunca?

    Muitas vezes corre um vento que vem de não sei onde
    e levanta-me as saias
    e levanta-me os olhos
    e levanta-me
    e me leva o chapéu com ele
    porque eu não quero chapéu
    e nem tenho chapéu
    e não tiro o chapéu a quem quer que seja


    Mas também há dias em que corre um vento que eu não sinto
    e não me levanta nem me deita
    nem me dá vontade de rir
    nem de chorar digo eu
    para que ninguém saiba que choro como um homem
    de saias
    foi destes dias os dias de antes de ontem e de ontem
    e ainda de hoje
    e eu não sabia o que fazer agora e antes e nem depois


    Dou por mim sentado
    a tentar levantar-me
    a tentar levantar os olhos e a cabeça
    que não me faltaram ao tempo em que cantávamos
    a melodia mais grave que cantámos
    cheia de nomes
    de camaradas nossos e brasileiros que eles eram
    assassinados numa noite de chacais nas ruas

    e um refrão que não esqueci e ainda me martela os cornos

    Brasil irmão
    teu povo vencerá
    para vingar a tua dor
    teu sangue em flor
    renascerá


    talvez porque morremos um pouco quando a realidade nos apouca
    e nós começamos a pensar que até valeu a pena
    mas tudo pode recomeçar
    como uma dor danada
    como se a nossa alma merecesse ser condenada
    mais do que uma vez em vida

    e resistisse a verdade de haver futuro
    apesar de tudo

    mesmo quando a merda se espalha pela terra
    tentando convencer-nos que é só depois da morte
    que a alma descansa


    embora saibamos que alma não se cansa
    nem morre
    nem existe

    para além da brisa da nossa passagem por aqui
    onde o mundo não é nosso
    e só o susto de ouvirmos as gargalhadas de crianças
    a tentar saltar à nossa morte macaca
    nos pode devolver o riso

    que nos leva para o vento como nos levou
    para os furacões que valiam a pena e as penas que fomos perdendo
    à medida que tínhamos dúvidas sobre se tivemos algum dia
    asas para os tais voos

    os gritos
    os gritos
    o bater das botas nos caminhos
    nas calçadas
    para que as orelhas voadoras, quando
    quase surdos e mudos,
    nos levantávamos a cada passo deste ou daquele camarada
    que deixáramos de ver,
    antes de termos a certeza de nunca mais virmos a vê-los,
    para receber a lufada de ar que cada passo e cada canção
    ou cada cantiga nos devolvia a arma mais antiga
    de todas
    para voltarmos à vida
    até depois da morte.

    patato