>
26.8.04
  educar o falar sobre o ensino
A nossa escola é um lugar estranho aos cidadãos. Excepção feita às crianças e a alguns anciãos de colo, todos passaram pela escola. A escola é parte da normalidade das sociedades modernas e é uma casa comum. Sabe-se que é precisa mesmo quando não parece: bem ou mal foi por lá que se teve acesso a grande parte dos conhecimentos (e competências) que utilizamos todos os dias sem pensar na escola.
Nestes meses que medeiam o fim de um ano escolar e o início do seguinte, quem se preocupa com os assuntos sociais e o futuro não pode deixar de escrever sobre a escola de hoje. Para falar da escola e tentar influenciar a sociedade no sentido da escola melhor (a cada um a sua), utilizam-se as notas dos alunos (do secundário principalmente) como prova de que a actual escola não está bem. Em abono da verdade, dá-se razão a todos os que disseram no passado, dizem no presente e virão a dizer no futuro que a escola não está bem e tem de mudar para melhor. É claro que "estar mal" ou "melhorar" têm sentidos e significados diferentes, já que ela tem de ser adequada sistematicamente às condições da vida social, aos desenvolvimentos científico e tecnológico, etc. Alguns aspectos decisivos desta época nem a melhor escola do mundo passado podia antecipar.

Mas há assuntos em que devíamos estar todos (ou quase) de acordo. A escola de hoje tem de ser muito exigente. Se não quisermos ser cidadãos diminuídos no mundo actual precisamos de saber e de saber fazer muito mais e aprender muito mais do que no passado. O conjunto de ferramentas de que dispomos é muito maior e os protocolos para as utilizar, que fará para lhes compreender o funcionamento!, são tão diversos que não podem ser assimilados por exaustão. Esta asserção bastará para percebermos que a existência de novos meios (também de ensino) não torna a escola (como lugar de aprendizagem) mais fácil, torna-a tão só possível como instrumento social de uma sociedade que carece da escolarização de todos os seus cidadãos presentes e futuros (tanto do lado dos direitos como do lado dos deveres).
É preciso que cada um de nós (cada pai, cada mãe, cada jovem, cada professor) saiba que neste mundo complicado, a escola tem de ser complexa, mas tão simples que todos possam compreender o valor do conhecimento e consentir o trabalho exigente e disciplinado que isso representa para cada um de nós.

Mas será que isso tem alguma coisa a ver com o que se discute quando se discutem resultados? Talvez, mas pouco. Os professores e os processo portugueses são pouco exigentes? Se fossemos ver pelos resultados (reprovações, repetências, etc) o nosso sistema apresenta-se como um dos mais exigentes do mundo.

Não vou pelo caminho dos números. Mais vale educar a fala.

[o aveiro; 28/08/2004]
 
17.8.04
  couve de bruxelas
1.
Eu bem tinha escrito que o ministro do turismo de verão ia governar para os lados da quinta do lago. Por uma revista do expresso, soube que a secretaria de estado fica muito perto. E descobri agora que o primeiro ministro foi para a quinta do lago para uns dias de veraneio e devaneio, acompanhado dos seus filhos. Não sei o que é a quinta do lago a não ser das referências das colunas das tias deles. Mas deve tratar-se daquilo a que os teóricos chamam uma nova centralidade.

2.
Os algarvios viram arder a serra e a terra. Reclamam apoios rápidos. O primeiro da quinta do lago não consegue declarar o estado de calamidade para a região. Porque será?
Felizmente temos chuva. Se não tivesse chovido, o que teria ardido? Quem diz que esta chuva estraga o verão, não sabe nada de salvação. Só sabe que é de um extremo mau gosto que chova onde é mais o sol o que convém. Quem nos dera o sol na quinta do lago e nas praias todas e chuva nas florestas (já que estas são mais pasto das chamas, também da incúria, e menos pasto para os seus habitantes).

3.
Pelas fotografias que vi, a quinta do lago deve ser a capital da cusquice do bronze. Por momentos, fiquei sem saber se o salvado passa os fins de semana a palrar com os jornalistas na quinta. Ele sempre se foi confessando como tecedeira de comentários sobre a actualidade. O director da judite dá-se a conversas de treta e, coitado!, nunca imaginou que os jornalistas do correio da manha chegassem ao extremo da perfídia de o gravarem para a sua posteridade. Quem nomeou este director da treta que quer passar de vítima da sua treta a vítima de uma conspiração de treta? Neste romance só há conspirações e cabalas! De cabala do salvado, a salvado da cabala? Neste verão cabalar, chovem cabalas.

4.
O independente publicou parte das conversas. A sua directora, conhecida por plantar papéis, vem plantar extractos de conversa gravadas sem autorização. Sem autorização, também ela. Concorrência desleal ao independente de portas e guedes! E lá se foram salvado e sara, com a água do banho. Provavelmente, o futuro dirá que não se passa nada de tão passado que está.

5.
E a pública, na falta de assunto, decidiu falar da história de sucesso dos ex-maoístas. Fui ver. O sucesso dos ex-maoístas é o barroso feito couve de bruxelas e o director do público ele mesmo, para além do lamego no iraque, da esther de israel, etc. Afiançam-nos que balsemão gostava de trabalhar com ex-esquerdistas, esquecendo-se dos gostos de belmiro. Aproveito para concordar com o morgado que ironicamente dá graças ao destino por não ter tomado o poder. Mais ainda por saber quem, de entre os ex-maoístas, perseguiu o poder até lhe tomar as rédeas . Como cavaleiros montam o poder. Como cavalos, lembram-se do freio nos dentes. Quem puxa as rédeas?
Se eles são assim na sua ascensão em democracia, imaginem o que seria se tivessem tomado o poder como ditadores do proletariado. Um pais que se deixa invadir por ex-maoístas só pode ser um pais atrasado.

Ex-maoístas a cair das nuvens é chuva ácida.


[o aveiro; 19/08/2004]
 
10.8.04
  Por uma etiqueta da ética
A ética da politica é a ética da lei, é a ética do estado de direito - eis o que, no fundamental, diz Pina Moura ao Público, quando questionado sobre a critica à sua aceitação de um cargo de direcção na petrolífera espanhola Iberdrola, empresa com a qual, enquanto Ministro da Economia e das Finanças, negociou a privatização da Petrogal. Para Pina Moura, a verdade é que "a ética não pode ser outra que não a ética da lei e das instituições encarregues de interpretar e aplicar a lei".
Pina Moura não nos lembra (porque não se lembra?) que participou também no poder de fazer ou modificar tais leis que tão bem lhe servem para participar na bagunçada que é a promiscuidade do público e do privado - interesses e influência no público que podem ser tão só prestação de serviços a privados.
Mas basta consultar qualquer enciclopédia de trazer por casa (e Pina Moura conhece-as) para ler que "se devem distinguir as normas da moralidade, em sentido restrito, das normas meramente derivadas do direito, bem como das normas puramente convencionais do costume". As leis, derivam de alguma ética e, nesse sentido normativo, podem superar algum relativismo ético. Ora acontece que, no caso de Pina Moura e de outros políticos, as leis têm servido para justificar comportamentos morais reprováveis, em nossa opinião. Sendo a ética fundamento da lei, não é do direito que emana a ética. As faltas éticas são ilustradas por actos de pessoas que não desrespeitam qualquer lei. Os que desrespeitam a lei são acusados de ilegalidade e crime.

Os "arrivistas" que passam a ministros, secretários de estado,... não desrespeitam a lei. Podemos falar da falta de ética pessoal, profissional e de dever e presumimos sobre o prejuízo do interesse público. Um artigo recente, da revista Sábado, sobre Nobre Guedes (que afinal não é nobre, nem de nome) é extremamente revelador sobre estas questões. Trata-se de um frete, também revelador das relações promíscuas deste poder com o negócio da comunicação. Para além do folhetim que pretende relativizar até o nazismo à direita de Salazar, tudo releva da dica de que os críticos da nomeação de Luís Guedes para o ambiente se esqueceram de declarações, de há meses atrás, em que este afirmara à Antena 1 que os dois ministérios mais importantes numa democracia moderna são a cultura e o ambiente.
Quantas pessoas têm a certeza que estes dois assuntos dominam a vida moderna? São milhões os que assim pensam, por bons motivos (e por maus também - há séries de TV sobre os sopranos interessados no lixo). A maioria deles não aceitaria a nomeação, por ser eticamente reprovável aceitar um cargo que não se pode exercer bem ou no sentido do bem colectivo.

Afinal, o abrigo da lei está ao nível zero da ética nas democracias modernas.


[o aveiro; 12/08/2004]
 
3.8.04
  Uma humanidade de coisas.
As últimas semanas falam-nos de pessoas como se fossem coisas e de coisas como se fossem pessoas.

No Paraguai, deflagra um incêndio num centro comercial. Aparentemente, para evitar pilhagens e fugas aos pagamentos, as portas de saída são fechadas. Pode não ter sido exactamente assim, mas se alguém o disse como coisa possível é porque há coisa. E a entrada de bombeiros e socorristas é também atrasada pelos seguranças. E morrem centenas de pessoas, como coisas, executadas pela coisa.

No Sudão, milhões de pessoas morrem ou passam fome às mãos da coisa, como coisas. Quando começa a escavar-se um pouco mais sobre o que emperra as Nações Unidas ou sobre as razões da falta de genica face à tragédia humanitária do Sudão, descobrem-se interesses da coisa norte-americana. Direitos humanos ou direitos da coisa? Para a coisa, as pessoas são coisas.

A coisa de que falamos é invenção dos tempos mais modernos. A coisa é um conglomerado de interesses que tanto salvam como destroem conforme as coisas em jogo. Ninguém sabe quem é quem na coisa, só conseguimos identificar uma ou outra coisa humana que joga esse xadrez: políticos que defendem a insensibilidade da coisa para as coisas humanas particulares em nome de uma lógica de benefício global que a coisa produz para as coisas humanas em geral. A coisa em geral não tem cara; toma as caras mais diversas: comentadores de serviço para as virtudes da coisa, recentes ?jotas? que saltam daqui para ali e para o poder enaltecendo a coisa em abstracto, enquanto fingem tratar de alguma coisa em concreto.

O mais engraçado de tudo isto é que todos nós sabemos que há coisas assim: nunca fizeram coisa alguma para alem de enaltecer a coisa em algum canto do poder da coisa, mas assumem lugares de governo das coisas concretas sem saberem coisa alguma além de generalidades sobre a coisa do poder em geral. E mal nos damos conta eles tomaram conta das coisas e certificam-se como especialistas em cada uma das coisas. E podemos vê-los mandando nas coisas todas, públicas e privadas, ministros ontem e administradores hoje. A explicar acidentes, por exemplo: - Logo, nesta obra, a primeira que a Petrogal estava a realizar tendo em vista a segurança dos cidadãos e não a rentabilização é que se dá o acidente? A pública Petrogal fez coisas que não consideravam a segurança dos cidadãos de Leça, esses coisas?! Estão a ver a coisa prestes a mudar-se para coisa incerta?


Estas coisas são o nosso problema e o problema do mundo. A lógica da coisa é a coisa de nos tratarem a todos como se fôramos coisas. Aqui ou ali, porque mundo é muito pequeno. A coisa é que é grande.


[o aveiro; 5/8/2004]
 
2.8.04
  cores de julho
também pelo preço mais baixo, vendo




a um amigo que não tenha duas caras
 
  a segunda feira de cor



ando a escolher as cores
que fiquem bem em corredores
e vendo pela oferta mais baixa
o quadro de que se mostram pormenores
nesta caixa







fico à espera do primeiro dedo de amigo no ar

se deixar endereço, trato do envio e não cobro nem portes de correio.



 
  o passeio de domingo
quero ser o passeio
em margens
onde corra como um rio

ou ser preso na casa
de seda
em volta da mulher

e escrever o poema
numa pele de lençois
da cama por fazer



quero ser o passeio que ela faça
quando andar nas nuvens

quero ser o senhor dos passos
 
1.8.04
  transumância
pelo pasto das chamas a dor
ladra avisos até ficar rouca

que já não cabe dentro da boca
a língua de fogo do pastor.
 

o lado direito




(...) o homem que não dorme pensa: «o melhor é voltar-me para o lado esquerdo e assim, deslocando todo o peso do sangue sobre a metade mais gasta do meu corpo, esmagar o coração».
Carlos de Oliveira
Google

o lado esquerdo
World Wide Web

LIGAÇÕES


escreva-me que bem preciso.


bloGeometria
infinitamente Pequeno
mesura
desenha
combate pela Geometria

homem à janela


ARQUIVOS
Maio 2003 Junho 2003 Julho 2003 Agosto 2003 Setembro 2003 Outubro 2003 Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

Site Meter
Powered by Blogger


sob licença
Licencia de Creative Commons