Uma humanidade de coisas.

As últimas semanas falam-nos de pessoas como se fossem coisas e de coisas como se fossem pessoas.

No Paraguai, deflagra um incêndio num centro comercial. Aparentemente, para evitar pilhagens e fugas aos pagamentos, as portas de saída são fechadas. Pode não ter sido exactamente assim, mas se alguém o disse como coisa possível é porque há coisa. E a entrada de bombeiros e socorristas é também atrasada pelos seguranças. E morrem centenas de pessoas, como coisas, executadas pela coisa.

No Sudão, milhões de pessoas morrem ou passam fome às mãos da coisa, como coisas. Quando começa a escavar-se um pouco mais sobre o que emperra as Nações Unidas ou sobre as razões da falta de genica face à tragédia humanitária do Sudão, descobrem-se interesses da coisa norte-americana. Direitos humanos ou direitos da coisa? Para a coisa, as pessoas são coisas.

A coisa de que falamos é invenção dos tempos mais modernos. A coisa é um conglomerado de interesses que tanto salvam como destroem conforme as coisas em jogo. Ninguém sabe quem é quem na coisa, só conseguimos identificar uma ou outra coisa humana que joga esse xadrez: políticos que defendem a insensibilidade da coisa para as coisas humanas particulares em nome de uma lógica de benefício global que a coisa produz para as coisas humanas em geral. A coisa em geral não tem cara; toma as caras mais diversas: comentadores de serviço para as virtudes da coisa, recentes ?jotas? que saltam daqui para ali e para o poder enaltecendo a coisa em abstracto, enquanto fingem tratar de alguma coisa em concreto.

O mais engraçado de tudo isto é que todos nós sabemos que há coisas assim: nunca fizeram coisa alguma para alem de enaltecer a coisa em algum canto do poder da coisa, mas assumem lugares de governo das coisas concretas sem saberem coisa alguma além de generalidades sobre a coisa do poder em geral. E mal nos damos conta eles tomaram conta das coisas e certificam-se como especialistas em cada uma das coisas. E podemos vê-los mandando nas coisas todas, públicas e privadas, ministros ontem e administradores hoje. A explicar acidentes, por exemplo: - Logo, nesta obra, a primeira que a Petrogal estava a realizar tendo em vista a segurança dos cidadãos e não a rentabilização é que se dá o acidente? A pública Petrogal fez coisas que não consideravam a segurança dos cidadãos de Leça, esses coisas?! Estão a ver a coisa prestes a mudar-se para coisa incerta?


Estas coisas são o nosso problema e o problema do mundo. A lógica da coisa é a coisa de nos tratarem a todos como se fôramos coisas. Aqui ou ali, porque mundo é muito pequeno. A coisa é que é grande.


[o aveiro; 5/8/2004]

Comentários

Mensagens populares