>
25.5.11
  músculos da escola
a parede dos alunos do professor jj mónica filipe
 
  músculos da escola
a parede dos alunos do professor jj mónica filipe
 
  pequena visão
 
17.5.11
  aorta
 
  desenho para esquecer
 
16.5.11
  desenho em mesão frio
 
15.5.11
  pernas para o ar
 
  meu mesão frio
 
13.5.11
  Idade média
Hoje é um dia bom para transcrições de notas que os amigos me fazem chegar. Outra:

"Na última semana beatificámos um papa,
 casámos um príncipe,
 fizemos uma cruzada e matámos um mouro.
 Bem-vindos à Idade Média!"
 
(autor desconhecido)
 
 
 
12.5.11
  a gestão da crise
 Uma amiga lembrou-me que

É sempre bom saber...
"... os portugueses comuns (os que têm trabalho) ganham cerca de metade (55%) do que se ganha na zona euro,

mas os nossos gestores recebem, em média:
- mais 32% do que os americanos;
- mais 22,5% do que os franceses;
- mais 55 % do que os finlandeses;
- mais 56,5% do que os suecos"

(dados de Manuel António Pina, Jornal de Notícias, 24/10/09)

Etiquetas:

 
11.5.11
  se um dia, eu me esquecer
se um dia chover demais e eu escorregar com a chuva,
pelo chão dissolvido até não ser mais que a turvação
ou a iniquidade na água corrente e não puder avisar-te
para que não me bebas na corrente é porque sim

me esqueci de tudo e de ti também

disso saberás vendo-me água corrente como se fosse eu espelho ao espelho
sem mostrar sinal de te conhecer ao passar olhando-te fixamente
com os meus liquefeitos olhos presos na cabeça da água
escorrendo como as outras águas pluviais a caminho

da saída onde deixei de te ver até não sobrar lembrança de ti
 
8.5.11
  o tempo que faz lá fora


O meu amigo poeta José Carlos Soares publicou "Este perder-se" -  selecção de poemas - que inclui 3 desenhos de reuniões feitos por quem faz laboriosos bordados nas reuniões.  É uma boa notícia do meu tempo lá fora.  Aqui dentro de mim, tento não me perder,  sem perder de vista o essencial que é o tempo que faz lá fora.

Etiquetas:

 
  desenho de época
 
  desenho de época
 
3.5.11
  não é preciso escrever bem, preciso é descrever o que nos irrita
As clientelas do poder ganharam tanto mais poder quanto podemos reconhecer as caras de gestores da coisa pública que favorecem a coisa privada até se tornarem saltimbancos entre a coisa pública e a privada num sistema de transferências milionárias que, não correspondendo a competências reconhecidas, não podem significar outra coisa senão troca de favores no estado aos sectores privados da economia. A tal ponto as caras rodam de um para o outro que quase podemos arriscar que o que é sector público serve interesses privados ou então é o privado que é público e notório depender do que é público. Até ser normal que seja o público que paga roubos e erros da alta finança privada. Ministros e secretários de estado de governos ps, psd e também cds tornam-se administradores e gestores de empresas públicas e privadas, institutos e fundações, envolvidos todos por uma nuvem de suspeita admissível de troca de favores, em que cada um é cliente de outro em algum negócio. A ideia que defendem hoje para o futuro do país, todos juntos e em uníssono falam da sua ideia para o país, é a voz obscena de uma voragem sem limites. Olhe-se para eles e meça-se em dinheiro recebido, em enriquecimento ilegítimo para não dizer ilícito, o fosso que os separa do povo que dizem defender. Não haverá já outra medida para tanta desfaçatez.


Sussurram por maiorias absolutas para novo governo a favor das clientelas de poder cuja ganância não pára de crescer em tempo de crise. Fingem mesmo que todos os que não quiseram governar-se não querem, nem podem nem sabem governar. Dizem, como disse Francisco Balsemão, que não se pode contar com eles para assumir a responsabilidade do governo. E é verdade porque todos sabem que estão a falar do seu governo, dos seus governos, da manutenção e consolidação deste estado de sítio em que se garante o lucro obsceno de poderosos e afilhados, ainda que à custa da miséria dos povos.

Quando Fernando Madrinha se exalta contra as declarações obscenas daquele diogo dos campos do psd sobre salários e impostos, eu estou de acordo com ele. Mas é acabrunhante ler, logo de seguida, que o país tem de ser governado por alguém aparentado a personagens desse calibre (que até já foi dirigentes do banco de portugal (deus meu!) e dele recebe reforma (por alma de que serviço, perguntarei) excluindo da possibilidade de governo todos os economistas, académicos, técnicos, operários, etc só por não terem doado qualquer parte da sua vida para o peditório a favor de si mesmos, de milionários banqueiros e outros trapaceiros.

Sabemos dos currículos trapaceiros de ministros e administradores com excelentes resultados em votos e em lucros obtidos, sem precisar de mais que fazer o favor de trocar o favor do estado. Ainda um dia, há-de haver alguém que se dê ao trabalho de comparar o currículo daqueles com que Balsemão não conta para governar, com os currículos dos que se têm governado e são os melhores para esses cargos. Há uns tipos que até talvez sirvam para ganhar os prémios tipo pessoa e afins, mas nunca para governar. Porque governar, para os do costume, é meter a mão na massa - literalmente falando.

Etiquetas:

 
2.5.11
  Por estes dias... a verdade a esconder-se
Há uns dias atrás, no Público on-line, lia-se a promessa de Passos Coelho de no futuro próximo não ir colocar no aparelho de estado o pessoal do costume, reconhecendo ao mesmo tempo que o PSD usou o estado para empregar muita da sua gente, sempre que ocupou o cadeirão do poder. Até pode ser um propósito firme de emenda.
No Público de hoje, ...escreve-se na página 6 do caderno principal que ... o socialista João Cravinho disse ontem que a administração pública está “infiltradíssima por lobbies e clientelas responsáveis pela corrupção do Estado”, defendendo, por isso, que “é necessário despartidarizá-la”. Falando no encontro Pensar Portugal, em Vila Real, o ex-ministro socialista disse que os partidos têm um comportamento que não permite às pessoas terem grande esperança, porque as suas intervenções não se dirigem à resolução dos problemas. O Estado, segundo Cravinho, está capturado por interesses. Por isso, considerou, tem de haver “transparência” na administração pública para que não haja “compadrios, soluções duvidosas e protecção de determinados interesses à custa dos interesses de todos”. Para Cravinho, é “urgente” que a Constituição garanta uma administração pública transparente.Mas, frisou, “para isso não basta haver uma lei que depois ninguém cumpre ou cumpre mal”. Segundo o ex-ministro, a insustentabilidade das finanças públicas é reflexo da falta de competitividade e crescimento e, se este problema não se resolver, Portugal terá sempre “finanças públicas reprimidas e em muito mau estado”. Temos a certeza que João Cravinho sabe do que fala.


Passos Coelho, cujo currículo é prenhe de competências reconhecidas, em período eleitoral para o poder do estado de sítio, reconhece que o seu partido PSD funcionou como agência de emprego e malfeitorias contra o Estado. João Cravinho, ex-ministro do PS e nomeado para... por..., reconhece que o aparelho de estado está infiltradíssimo sem falar do partido socialista e falando de todos os partidos. De facto, estas duas notícias garantem-nos só e muito simplesmente que tudo se resume a crimes do PS e do PSD.

Os outros partidos, que não o PS e o PSD, fizeram alguma infiltração?

Etiquetas:

 

o lado direito




(...) o homem que não dorme pensa: «o melhor é voltar-me para o lado esquerdo e assim, deslocando todo o peso do sangue sobre a metade mais gasta do meu corpo, esmagar o coração».
Carlos de Oliveira
Google

o lado esquerdo
World Wide Web

LIGAÇÕES


escreva-me que bem preciso.


bloGeometria
infinitamente Pequeno
mesura
desenha
combate pela Geometria

homem à janela


ARQUIVOS
Maio 2003 Junho 2003 Julho 2003 Agosto 2003 Setembro 2003 Outubro 2003 Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

Site Meter
Powered by Blogger


sob licença
Licencia de Creative Commons