>
22.6.04
  Os profissionais patriotas
Precisamos de uma vitória ou outra, uma vez por outra, numa coisa ou noutra. De vez em quando, uma selecção de trabalhadores de um dada especialidade é formada para se defrontar com selecções de trabalhadores da mesma especialidade de outros países.

Quando acontece a necessidade de selecção, não hesitamos em procurar os portugueses que mais se destacam mesmo que eles estejam emigrados. Há casos em que procuramos no estrangeiro os portugueses que desprezámos e empurrámos para o estrangeiro por termos dificultado a sua vida por cá. Do mesmo modo, tem acontecido estranharmos a diferença entre o tratamento que damos aos que querem imigrar quando o querem, daquele que é dado aos que entram com contratos milionários ou que, depois de entrarem, acabam por mostrar uma competência profissional de excelência, capaz de ombrear com profissionais de outros países. Quando tal acontece, nem é raro que aceitemos que esses imigrantes passem imediatamente a ser portugueses.

Assim tem acontecido especialmente com os atletas e as selecções de atletas. Assim, de repente, lembro-me de dezenas de emigrantes e um ou dois imigrantes. E dou por mim a ficar todo contente. A nação do futebol e das selecções não é uma coisa de pessoas, muito menos da sua naturalidade ou residência. E a pátria do futebol é só uma coisa de tão diminuta razão como é a adesão irracional a um clube.

Como explicar a minha alegria com as vitórias da selecção nacional de futebol neste Euro 2004? E a bandeira que se agita na minha varanda?

Fico maravilhado com o bailado, com os passes de bola que vão de um pé até outro e parecem tabelar naturalmente para ir para outro pé de onde parte para algum sítio certo. Algumas das coreografias mostraram-se esplendorosas aos meus olhos. É claro que tal não é propriedade da selecção portuguesa e dos profissionais portugueses. Algumas vezes, fico com a sensação que até é mais bonito o baile mandado das outras selecções de folclore. Também não é pois a prática profissional do grupo de baile mais bem pago do país que me leva a esperar só as vitórias da selecção. Até porque às vezes damos por nós a querer a vitória mesmo quando jogamos pior que os adversários.

Desisto! Sem pôr em causa a noção de nação e sem destruir a pátria, é a irracionalidade que na minha alma festeja as vitórias da selecção de Madaíl e Scolari e outros jogadores desta bolsa (ou a vida!) que não me são simpáticos e até podem ser de outra nação que não é a minha. E talvez por isso haja quem não me considere patriota e nacionalista. Dos seus pontos de vista, devem ter razão.

Viva Portugal!

[o aveiro; 24/06/2004/]
 
15.6.04
  pequena diferença na europa.



Nem um BEijo de feira em Aveiro. E, no distrito, o Bloco de Esquerda triplicou o número de votantes, afirmando-se como "terceira" força política na maioria dos concelhos, tão pequena quanto potente nas diferenças. No concelho de Aveiro, assim é: pura força das ideias e seu movimento.



Acompanhei parte da campanha das eleições para o parlamento europeu e participei num painel sobre o tema aqui mesmo em Aveiro. Afligiu-me que nunca sobrasse tempo aos políticos para explicar que politicas vão defender no parlamento europeu. As campanhas partidárias ficaram marcadas mais pelas quezílias e questões de baixa politica interna e menos pelas diferenças politicas. Bandeirinhas, saquinhos, beijinhos, ? e papagaios a imitar aves de rapina que voam alto demais e fingem estar a ver o que de nós escondem.
Fiquei convencido. Os grandes partidos PS e PSD não esclarecem as diferenças, porque têm politicas europeias mas não têm diferenças e sobra-lhes não mais que diferenças de estilo de mandador no baile da alternância. A julgar pelo que bradam aos céus, ao poder não interessa muito que os portugueses escolham entre diferentes politicas europeias, preferem que se pronunciem sobre o governo da nação e a astúcia no negocismo dos fundos estruturantes do Portugal feito à sua medida.

A noite dos resultados não podia ser mais consistente com a campanha opaca!
A coligação PSD/PP, que quer amarrar Portugal à sua força, descobre que entre os abstencionistas estão muitos dos que apoiam a coligação e lamenta que os indicadores da ?retoma?, publicados pelo INE, não tenham sido suficientes para convencer o eleitorado a retomá-los (Assim mesmo!?!) Garantem que vão para a Europa trabalhar por Portugal e esperam que os outros deputados eleitos façam o mesmo. Do outro lado, a aritmética conduz toda a gente ao mesmo: o governo que começou a legislativa com maioria agora está reduzido ao apoio de um terço dos votantes e deve tirar lições da maior derrota de sempre infligida a uma coligação de direita e extrema-direita.

Convenhamos que, para o que estava em jogo, é mais sério somar os votos do PS aos do PSD do que somar os votos do BE aos do PS. Sem dizer o quê, Durão disse o essencial: ?As nossas ideias(?) de Europa ganharam e vamos fazer o melhor por Portugal?. Não se estava a referir a outra coisa senão aos 19 deputados PS+PSD. Para dar valor ao voto, ao BE bastava ter falado na plataforma europeia para a sobrevivência mínima e do reforço das seguranças sociais mais débeis, da luta contra o liberalismo selvagem nos sectores essenciais (a água, energia, etc) , na paz?. Dizem-me que as pessoas não votaram em politicas para a Europa e o que percebem e esperam é aquilo que lhes disseram.

Até quando vamos fugir da Europa?

[o aveiro; 17/06/2004]
 
8.6.04
  Votar pela EUROPAZ
Eu não tenho os mesmos interesses dos senhores Barroso, Paulo Portas e dona Manuela. Por isso, não vejo que os meus interesses possam ser representados pelo senhor de Deus Pinheiro. Não tenho os mesmos interesses dos senhores tipo Sousa Franco, até porque ele já disse que os seus interesses, não sendo os mesmos da coligação de direita, são os mesmos do PPD.

Eles querem que eu, peixe-miúdo ou arraia-miúda, acredite que meus são os seus interesses de tubarões. Não se cansam de repetir que defendem a mesma europa que eu e que a sua europa é boa para mim. Tentam mesmo dizer-me que os deputados que eu eleger, se forem de algum cardume de não tubarões, não podem fazer senão política de tubarões e deixar-se comer.

Ora isso não é verdade. Toda a gente sabe que não há um só Portugal e que o portugal de quem cai no desemprego hoje não é o de quem cria e justifica cada lugar de desemprego e o respectivo precário subsídio português. O portugal armado até aos dentes com a mentira e na vassalagem aos senhores da guerra não é o meu. Os negócios privados na água, na energia, na educação, saúde e solidariedade social são do país deles. O portugal xenófobo e do trabalho sem direitos é o portugal de "durão & portas, s.a". É um portugal selvagem e de vassalagem que eles exportam para fora, nos seus sorrisos bajuladores. Para dentro, são cobras cuspideiras de tranquilizantes fundos estruturais, canalizados para portugal que enriquece por a esmola ser grande e empobrece enquanto subsidia o "pato-bravo-novo-rico".

Quantas Europas diferentes cabem na Europa? Os nossos ?construtores? portugueses passam a vida a colocar-nos no pelotão da frente. Alguém acredita que os países que realizaram referendos e votaram contraditorios sobre diversos aspectos da adesão e do desenvolvimento da Europa comunitária estão atrás de nós? Há mais Portugal para além do "Portugal, S.A.". Há outra Europa e é por essa que vou votar: Europa com políticas de paz e contra a guerra; dos serviços públicos europeus com defesa do emprego e pela imigração com direitos, do co-financiamendo dos sistemas de protecção social dos mais débeis, do equilíbrio ecológico e de poupança da energia. Eles falam dos fundos estruturais como quem agita um cheque-brinde. E pedem-nos cheques em branco, enquanto se disfarçam de palhaços mal educados com piadas sobre a vidinha de cada um e se calam sobre a vénia que fazem.

A Europa não é só uma fortaleza ou empresa multinacional. Há a Europa dos cidadãos e eu voto pelas políticas da cidadania europeia livre e solidária com o mundo. O meu voto tem a direcção e o sentido do bem comum.


[o aveiro; 10/06/2004]
 

o lado direito




(...) o homem que não dorme pensa: «o melhor é voltar-me para o lado esquerdo e assim, deslocando todo o peso do sangue sobre a metade mais gasta do meu corpo, esmagar o coração».
Carlos de Oliveira
Google

o lado esquerdo
World Wide Web

LIGAÇÕES


escreva-me que bem preciso.


bloGeometria
infinitamente Pequeno
mesura
desenha
combate pela Geometria

homem à janela


ARQUIVOS
Maio 2003 Junho 2003 Julho 2003 Agosto 2003 Setembro 2003 Outubro 2003 Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

Site Meter
Powered by Blogger


sob licença
Licencia de Creative Commons