>
31.8.05
  La forma del mondo


Se il mondo ha la sruttura del linguaggio
e il linguaggio ha la forma della mente
la mente con i suoi pieni e i suoi vuoti
è niente o quasi e non ci rassicura.

Cosi parlò papirio. Era già scuro
e pioveva. Mettiamoci al sicuro
disse e affrettò il passo senza accorgersi
che il suo era il linguaggio del delirio.



E. Montale; Diário, 1971
 
30.8.05
  declaração de freguês
Há uns anos, defendi publicamente a importância da participação dos grupos de cidadãos unidos em volta dos problemas locais, para os quais se mostravam incompetentes os poderes locais eleitos na base da divisão por partidos e nas obediências a interesses que não são o que é melhor para as populações residentes numa freguesia ou num município. Pensava eu, e ainda penso, que nada pode impedir um grupo de cidadãos de participarem activamente, e com exercício do poder, nas decisões que afectam as suas comunidades. As divisões partidárias impedem muitas vezes que as competências se juntem em colectivos de consciências livres para a busca do bem comum.

Fui então mandatário de uma lista de independentes candidata à Assembleia de Freguesia da Glória. Não conhecia a maioria das pessoas nem as suas intenções. Pessoas conhecidas umas das outras, interessantes nas suas diversas ocupações e preocupações sociais, ensinaram-me parte da vida, ouvindo e conversando com elas como quem conversa com a Glória. Lamentável foi que o grupo não se tivesse mantido em volta do único eleito, já que este não precisou dos seus companheiros nem se mostrou interessado em prestar contas a eles ou à freguesia dos seus eleitores. Fiquei a saber que mais do que reunir pessoas é preciso reunir vontades fortes e vozes capazes para a fala, que não percam as cabeças para serem uma "cabeça de lista".

Aproxima-se uma nova campanha para eleições autárquicas e sou candidato a voz dos munícipes de Aveiro na Assembleia Municipal, pelo Bloco de Esquerda, depositando as minhas esperanças nos jovens das listas do Bloco. Não é possível atribuir-lhes mesquinhos interesses pessoais, nem têm esperanças estranhas. Temos a ideia que nada os move a não ser a defesa de um nova ideia de Aveiro, na Câmara e na Assembleia Municipal. Ingénua coragem?

Não há qualquer arrependimento sobre a minha passada participação como mandatário dos "Independentes à Glória".

Já vivia nesta casa há 4 anos. Hoje, como então, saio de casa para a rua e não posso atravessar. Do outro lado ainda não há passeio. A minha aventura mais perigosa deste ano? Foi tentar ir a pé ao Pavilhão das Feiras. Há alguma amargura nisto? Há.

Candidato contra tantas pequenas mas persistentes desgraças, registo cuidadosamente os dias de hoje. Quero ser parte nas soluções dos problemas de Aveiro. Só isso. E é muito.




[o aveiro; 1/9/2005]
 
  Certeza


Tu és a erva e a terra, a direcção
quando alguém atravessa descalço
um campo lavrado.
Por ti pus o meu avental vermelho
e inclino-me agora nesta fonte
muda mergulhada no seio dos montes:
sei que de repente
- o meio-dia encher-se-á com os gritos
dos seus tintilhões -
o teu rosto brotará
no espelho sereno, junto ao meu.


A. Pozzi (Albano Martins)
de uma carta de J. C. Soares
 
28.8.05
  a pintura do amador




Pinto sempre a mesma tela como se a tela fosse uma janela por onde deixasse espreitar-me em dias diferentes. Não como uma janela de dentro para fora em que há a essência da paisagem natural que se mantém. Antes como uma janela de fora para dentro, como se olhasse para dentro dos olhos, e em que não há um fundo. Há o que lá esteve antes de o subsittuir pelo presente. Um pensamento qualquer. Uma visão. Alguma coisa que o dia a seguir esconde com outra coisa. A minha pintura não é outra coisa senão um jogo. Às escondidas.
Pinto sempre a mesma tela. Um dia alguém a leva e recomeço noutra tela um novo jogo, o mesmo. Houve uma tela que se demorou por aqui tanto tempo que pude separar alguns pensamentos dos outros e um amigo meu levou uma parte que era só alguma tinta. Pensei nessa altura no inverno do pátio da casa de lavoura, quando tirávamos o mato podre (estrume humano, porque não dizê-lo?) e o refazíamos lá fora num canto da lagoachorida para ser viveiro das novidades da primavera seguinte.

À imagem de quem nos soterramos? Quando a minha neta deixa de se ver porque fecha os olhos para não ver, acha-se escondida para os outros. Eu fecho os olhos para não ver os outros, para os esconder de mim.

 
  pombos, onde?




algoso.
agosto de 2005

 
27.8.05
  o espelho




algoso.
agosto de 2005

 
  de dentro para fora




algoso.
agosto de 2005

 
  algoso




algoso.
agosto de 2005

 
  de fora para dentro




redondica. val d'algoso
agosto de 2005

 
  de fora para dentro




redondica. val d'algoso
agosto de 2005

 
  algoso




redondica. val d'algoso.
agosto de 2005

 
  de fora para dentro




joana rosa em val d'algoso
agosto de 2005

 
  de fora para dentro




vila real
agosto de 2005

 
  de fora para dentro




nogueira da regedoura.
agosto de 2005

 
  de fora para dentro




nogueira da regedoura.
agosto de 2005

 
23.8.05
  A circunstância da riqueza
Quando foste jovem eras mais intolerante do que quando foste velha. Dizem os que te conhecem que vais amolecendo à medida que vais envelhecendo. E que isso vai ser a tua morte! Assim te falam, velha Europa civilizada!

Dizem isso para apoiar todas as iniciativas guerreiras, em apoio de todas as cruzadas ocidentais. Mas dizem-no também para te justificar como fortaleza de fronteiras fechadas, para acabar com a livre circulação de pessoas e bens cá dentro e de fora para dentro da Europa, para justificar as acções agressivas das polícias nacionais contra os suspeitos do costume que são aqueles que não usam os nossos costumes. Dizem à Europa civilizada que não pode ser multi-cultural e multi-racial. À Europa tolerante dizem que ela é a Europa dos cobardes sem princípios e sem fé própria.

E apontam como exemplos morais a seguir os Estados Unidos da América em que a religião tem lugar até nas notas de dólar e é utilizada, pelo seu presidente, como razão de estado para aplicar castigos ou prosseguir guerras e agressões ao arrepio do direito internacional. Acabam por encontrar uma razão de direito para todas as agressões na miséria da diplomacia de blocos que acaba por levar todos os governos a participar do esforço da reconstrução, mesmo daqueles que estiveram contra a destruição do que é preciso reconstruir. No rescaldo dos actos terroristas que afectam a Europa, ganham relevo as opiniões que vão no sentido do regresso às cruzadas. Os directores de grandes jornais e de grandes grupos de comunicação ligados a grandes grupos escrevem as opiniões mais radicais.

A fé destas novas cruzadas é transversal a todas as religiões e ideologias. Eles recomendam, entre outros, como exemplos a seguir, as emergentes potências industriais e comerciais asiáticas (a China, por exemplo), e estas baseiam todo o desenvolvimento industrial e a acumulação capitalista no desrespeito dos direitos humanos, na repressão e exploração da força de trabalho.

A fé comum aos teóricos da agressão sistemática não está em uma qualquer religião ou na democracia para os povos - reside mesmo na violação do direito nacional e internacional, na violação dos direitos humanos. Na exploração competitiva. Na circunstância. Na oportunidade.

Já devíamos ter juízo de tão velhos que somos. Os patrões desta comunicação guerreira estão a fazer a sua guerra em todo o mundo. Não há fronteiras para as suas companhias de pilhagem de recursos, sejam eles matérias primas ou trabalhadores humanos. Nunca o lucro foi tão grande e tão globalmente baseado na instabilidade.


[o aveiro; 25/08/2005]


A riqueza das nações? Já não há coisa alguma que mereça esse nome.
 
  publicação na escrivaninha
A escrivaninha acolheu "em três andamentos" de carlos frazão. A edição - Marânus -em papel é de 2004. A minha edição é recente, fresca, acabadinha de arranjar e precisada de ser revista por outros olhos que não os meus. Para ser corrigida.
Aproveite para dar um salto à escrivaninha e ver/ler carlos frazão ou descarregá-lo para ler depois. E...
Deixa a febre consumir as horas, os sentidos convocados pelo fluxo das amplas artérias. Deixa o desejo descer à face seduzida do meu olhar divino

Também pode ler na escrivaninha alguns poemas do médico cantautor de Abril, Vieira da Silva, que se candidata a Presidente da Câmara Municipal de Ílhavo. Gosto do poeta que arregaça mangas e dá cara às ideias. Poeta a presidente, pois claro!
 
18.8.05
  de fora para dentro




casa dos assentos; quintiães.
agosto de 2005

 
  de fora para dentro




barcelos.
agosto de 2005

 
  de fora para dentro




casa dos assentos; quintiães.
agosto de 2005

 
  de fora para dentro




casa dos assentos; quintiães
agosto de 2005

 
  de fora para dentro




nogueira da regedoura
agosto de 2005

 
  de fora para dentro




nogueira da regedoura
agosto de 2005

 
  de fora para dentro




nogueira da regedoura
agosto de 2005

 
  de fora para dentro




nogueira da regedoura
agosto de 2005

 
  de fora para dentro




nogueira da regedoura
agosto de 2005

 
  de fora para dentro




nogueira da regedoura
agosto de 2005

 
  de fora para dentro




nogueira da regedoura
agosto de 2005

 
  de fora para dentro




nogueira da regedoura
agosto de 2005

 
  sem nuvens, o fogo




nogueira da regedoura
agosto de 2005

 
  sem nuvens, o fogo




nogueira da regedoura
agosto de 2005

 
  sem nuvens, o fogo




nogueira da regedoura
agosto de 2005

 
  sem nuvens, o fogo




nogueira da regedoura
agosto de 2005

 
  de dentro para fora




nogueira da regedoura
agosto de 2005

 
  de dentro para fora




s. félix da mariha
agosto de 2005

 
  de dentro para fora




s. félix da marinha
agosto de 2005

 
  de dentro para fora




nogueira da regedoura;
agosto de 2005

 
  de dentro para fora




escola josé estêvão; aveiro
Julho de 2005

 
  de dentro para fora




casa dos assentos; quintiães;
17/8/2005

 
  de dentro para fora




casa dos assentos; quintiães;
17/8/2005

 
  de dentro para fora




casa dos assentos; quintiães;
17/8/2005

 
  rosa de vila boa


 
  de dentro para fora




nogueira da regedoura.
agosto de 2005

 
  de dentro para fora




nogueira da regedoura.
agosto de 2005

 
  de dentro para fora




casa dos assentos; quintiães;
15/8/2005

 
  de dentro para fora




nogueira da regedoura
agosto de 2005

 
17.8.05
  Não há fumo sem fogo
Altas temperaturas e seca são o que falta ao desordenado território português para ser incendiado naturalmente com pouca ou nenhuma ajuda de ventos soltos. Há brilhantes fundos de garrafa perdidos ou guardados na floresta por uma população abandonada tanto pela educação como pelos sistemas de recolha e tratamento de lixo. Há casas cercadas de mato seco. Há mato seco. Há matas secas. Há incêndios por todo o lado e há ainda mais incêndios na televisão de todos os dias. Todos os dias. A televisão serve para nos mostrar o retrato completo da situação, desde a tragédia das populações e bombeiros até às danças dos políticos neste baile mandado da negligência na prevenção e no ordenamento. O que será o desenvolvimento sustentável de que eles falam?
A televisão serve também para nos mostrar a luta dos bombeiros, voluntários na sua imensa maioria, contra os fogos de verão. Os bombeiros são duplamente vítimas da incúria nacional. Queremos que os bombeiros existam e bem treinados para não serem precisos nem usados na realidade quotidiana. Dito de outro modo, os bombeiros deviam ser recursos bem equipados para a excepção. Ora estes dias do verão português são todos de excepção, os bombeiros passaram a ser usados pela realidade de todos os dias e duvidamos que as comunidades e o governo da nação tenham tratado de os recrutar, treinar e equipar para este regime quotidiano que não é o seu por não ser conforme ao voluntariado simples. Vimos os filmes dos acontecimentos e o cortejo das tragédias (incluindo casas destruídas e mortes de bombeiros) e ficamos sem compreender o mundo em que vivemos.
Apesar das televisionadas provas diárias de anarquia na limpeza da floresta e das suas margens e da limpeza em geral, bem como o agravamento dos factores incendiários(incluindo a divulgação intensiva dos filmes dos acontecimentos), ouvimos muitos argumentos a favor da tese de que a maioria dos fogos são de origem criminosa e que isso só pode combater-se pelo recurso a maior severidade nas medidas penais contra os criminosos. Ouvi mesmo argumentos a favor da pena de morte por alguém que lamentava haver um paiol ali perto cercado por intocáveis vizinhos matos secos prontos a serem ateados pelo incêndio em marcha.

Este é um paiol de ideias explosivas. Precisamos de um contra-fogo...

[o aveiro; 18/8/2005]
 
9.8.05
  a lista exaustiva
Mesmo que o não quiséssemos, acabávamos por falar nas últimas nomeações do governo para a Caixa. E o mais natural era não querer, até porque temos opiniões diferentes sobre o assunto ou sobre todos os assuntos. Mas na reunião de um sector alargado da família com entradas ao longo de todo o dia, acabamos por falar de tudo o que nos une e de tudo o que nos divide. Os negócios da política e do futebol acabaram por aparecer nas conversas mais do que alguns de nós desejaríamos.
Para mim, não tem qualquer sentido distinguir em competentes e incompetentes os nomeados pela direcção do partido do governo para cargos ou funções na administração pública (central, regional e local), nas empresas públicas ou em outras instituições dependentes do estado. Para mim, a competência técnica pode ser exercida com salvaguarda do exercício das instituições e das empresas ainda que no cumprimento de políticas diversas. A autonomia dos gestores relativamente aos partidos no poder seria garantia de que a opinião pública saberia das intromissões abusivas ou contra os fins estatuídos. A confiança política não pode sobrepor-se à honra das pessoas, à necessidade da competência para o exercício como não pode substituir-se à responsável prestação de contas pelos agentes que só o podem ser se puderem cumprir planos sem estarem sujeitos aos humores rasteiros do governo. A actual dança das nomeações e indemnizações são da mesma natureza das que foram feitas por outros governos, mas o que soubemos a mais sobre a prática do governo de portasantanetes continuada socraticamente comprova que a degradação moral dos coveiros do regime ultrapassa a nossa imaginação. E o pior é que esta dança se faz entre o público e o privado, o que nos diz que a nível das administrações, os administradores rodam entre o privado e público o que é pouco saudável para todas as partes.
Não acredito que em Portugal não haja pessoas formadas, responsáveis e competentes para compor administrações das empresas públicas e privadas. A conversar sobre o que sabemos, fazemos uma lista exaustiva dos gestores privados e públicos, conhecendo-os dos partidos do poder, das festas de verão, das revistas cor de rosa ou laranja. E é aqui que chegamos a um acordo de pasmados!
Pobre país em que os gestores constam de lista exaustiva que anda na boca do povo.

[o aveiro; 11/09/2005]
 
8.8.05
  de dentro para fora


 
  de dentro para fora


 
  de dentro para fora


 
3.8.05
  Ardem las pérdidas
Una pasión fría endurece mis lágrimas.

Pesan las piedras em mis ojos: alguien

me destruye o me ama.



[Antonio Gamoneda]
 
2.8.05
  danças de verão
O governo decidiu tomar medidas para preservar a imagem do grupo da Caixa Geral de Depósitos. Como é que um governo preserva a imagem do grupo Caixa? Demitindo administradores. Claro!
Nós sabemos que as nomeações de administradores do que quer que seja público não segue quaisquer critérios de competência e é antes uma distribuição de prémios entre políticos que se compram e se vendem no mercado. A nomeação de uma advogada para administradora da Caixa depois de ter sido Sinistra da Justiça não causa espanto a um único português e isso há-de ter uma explicação. Do mesmo modo, a nomeação seguida de desnomeação de administrador da Caixa de um antigo Sinistro da Indústria é coisa da ordem da vulgaridade portuguesa, mesmo que a desnomeação signifique uma reforma milionária. Tornaram-se vulgares as reformas e indemnizações milionárias que são pagas mesmo quando os gestores são dispensados de arruinar uma coisa pública por terem sido recrutados para arruinar outra igualmente pública.

Nós sabemos que o anterior governo usou o banco nacional para distribuir currículos e ordenados de administradores a alguns dos mais feios testas de ferro dos partidos apoiantes, tendo despedido os igualmente feios administradores da batota do anterior governo.

Novidades nesta dança de cadeiras da administração da Caixa? Terem acrescentado mentira à mentira? Dizem eles que diminuíram o número de administradores sabendo eles que nós sabemos que, no que a pagamentos diz respeito, o banco do povo vai pagar e bem a todos os que estavam e ainda mais aos que passam a estar. E não sabemos a quanto monta a indemnização aos que saem. Pode ser que ainda venhamos a saber, louvada seja a democracia por nos permitir ao menos saber o montante do rombo (para não dizer o montante do roubo). Novidade é também o reaparecimento daquele sinistro do tempo de Guterres (colega do Sócrates) que ficou embrulhado em engenharia de fundações por onde escorriam dinheiros do estado sem regra nem roque. Deve ter hibernado numa aceitável prateleira do centrão (na caixa do estado, portanto). Estava a ver que nunca mais aparecia a cobrar pela bitola máxima os serviços prestados ao consulado guterrista pré-socrático!

O Marques Mendes denuncia esta dança como saneamento político. Com toda a razão! Não é espantoso este nosso eleito Marques Mendes? Perspicaz! A minha mãe acrescentaria: E sem vergonha naquela fronha!


[o aveiro; 4/8/2005]
 
1.8.05
  Para onde vais?
Daqui a pouco, desligo-me da máquina. Há quem pergunte se devo desligar-me da máquina.
Há vida para além da máquina? Se voltar... direi se há. Se não há, não volto. Não é?
 

o lado direito




(...) o homem que não dorme pensa: «o melhor é voltar-me para o lado esquerdo e assim, deslocando todo o peso do sangue sobre a metade mais gasta do meu corpo, esmagar o coração».
Carlos de Oliveira
Google

o lado esquerdo
World Wide Web

LIGAÇÕES


escreva-me que bem preciso.


bloGeometria
infinitamente Pequeno
mesura
desenha
combate pela Geometria

homem à janela


ARQUIVOS
Maio 2003 Junho 2003 Julho 2003 Agosto 2003 Setembro 2003 Outubro 2003 Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

Site Meter
Powered by Blogger


sob licença
Licencia de Creative Commons