>
27.5.03
 
Um dia não são dias. Não?
Arsélio Martins

Por onde eu caminho, o tempo não comeu a vontade de ser feliz e acreditar nas pessoas que conheço e não conheço. Calcorreamos as ruas trocando “bons dias! como está?” sem nos determos um momento a pensar no mal e no bem, porque sabemos que o bem é a normalidade e o mal esconde-se na excepção para ser encontrado e ser transformado pelo bem comum.
Saio assim pelas ruas de Aveiro. Saio de casa e sossego o olhar na relva em frente cercada por uma moldura de árvores que ensinam o caminho às estradas velozes. Olho a praceta Afonso Gomes. É uma praceta cuidada pela cooperativa Chave, a relva está verde e as plantas estão a crescer em todo o seu esplendor. No campo de jogos, dois jovens atacam-se com bolas de brincar.
Atravesso o meu bairro de Santiago e procuro e encontro o sossego das praças públicas entre as bandas de casas. Nestes dias calmos, descansam nos bancos os olhares que vigiam as crianças nas suas aleatórias viagens pela relva. Atravesso o meu bairro de Santiago pelos jardins públicos (só tenho pena que alguns gestos construtivos tenham sido interrompidos e possam ter sido o início da degradação que só os humanos sabem acrescentar), mas principalmente atravesso o meu olhar feliz pelos pequenos paraísos de flores que as mãos dos pobres sabem fazer crescer nas portas de entrada e nas varandas do sonho. Quando o vento é forte (e é muitas vezes forte) caminho apressado. Quando é brisa de Santiago ou quando está muito calor, vagueio pelas arcadas dos comboios amarelos numa viagem de sombra fresca e não me canso desta companhia das cores vegetais em que quero tropeçar. Tudo depende do olhar.
Passo pelo quiosque e o jornal devolve-me uma tristeza fria. Mas persisto no caminho da gente comum da cidade, esta que nos habitua a andar. Passo pela praça do Marquês. Ainda o pó (agora amarelo avermelhado da cama da calçada) nos acompanha na passagem de uma praça em obras com cheiro a pedras e cimento para outra praça com pessoas e cores vegetais. Na rua dos Combatentes, as cores estão penduradas à altura dos olhos voadores e lá em baixo a água para a esquerda acrescenta-nos a serenidade dos espelhos naturais. Quando subo para a Sé, descanso na relva do museu. A Natália C. pergunta-me pela família. As árvores da rua Passos Manuel encheram-me de folhas contra a agressão da poda. Entro no cercado da escola José Estêvão pelo lado das árvores de majestade sem nome. Dentro do edifício, os corredores estão frescos e os jovens atropelam gargalhadas. Deixo que os meus olhos se prendam no jardim nascido entre as pedras do pátio interior de mim mesmo. Entre as casas, dentro das ruas de Aveiro, pé ante pé transporto o ar da vida comum até aqui. Escrevo: “a semana que passou não é só o que está fora de cada um de nós.”

[oaveiro, 29/5/2003]

 
25.5.03
 

Os olhos nas máscaras.
Arsélio Martins


A máscara cobre o desespero das mulheres à beira da vala comum que o Iraque foi e desvenda.
Nas últimas semanas usámos máscaras na China, Vietname, Canadá. Para tentar escapar ao contágio da pneumonia atípica, usamos máscara. Olhamos uns para os outros perplexos.
Nas horas de ponta de Tóquio e das cidades mais poluídas, as máscaras brancas começam a colar-se nas caras. Os nossos olhos estão diferentes. E as nossas vozes saem distorcidas pelo medo e pelas máscaras.

Na última semana, os napolitanos andaram de máscara pelas suas ruas. Duas semanas sem recolha dos lixos urbanos e um ar, apodrecido e nauseabundo, vagueia pelas ruas de Nápoles. Há quem diga que tudo talvez tenha acontecido por manobras dos donos do negócio do lixo. O lixo pode ser transformado num negócio fabuloso e, a exemplo de Nápoles, as comunidades podem ser manipuladas por um novo terrorismo. Vimos os carros a abrir caminho empurrando e esmagando sacos de lixo pelas ruas de Nápoles e vimos os perdidos olhos das pessoas em surtidas para as compras do pão de cada dia.

Em Portugal também se falou de lixo, das novas opções para o tratamento de lixos perigosos, mas também para o lixo em geral que não cessa de crescer à nossa volta, como cintura às nossas vidas. As freguesias sobrepovoadas optimizaram de tal modo a ocupação do espaço para os produtores de lixo (que somos todos nós) que não sobra lugar onde se guarde o lixo. E há comunidades a suspeitar de quem lhes compra o quintal para nele depositar as sobras de quem se empilha nas concentrações urbanas. Podemos deixar que o lixo se transforme num grande negócio? Na última semana, ouvimos falar da área metropolitana de Aveiro que vai democratizar ainda mais o acesso aos bens, estabelecer as ligações que faltam, atrair mais gente para a vertigem do desenvolvimento e… para mais lixo. O lixo que depositarmos na definição de políticas nacionais, regionais e locais pode vir a ser morte e mortalha. Conheço localidades do nosso distrito que são tanto dormitórios como lixeiras: as câmaras construiram ou autorizaram a construção das casas sem cuidarem de criar sistemas de transporte e tratamento dos resíduos que concentraram. Esses autarcas usam a máscara da distância para não cheirar o seu apodrecimento.

Olho os olhos assustados de Nápoles nas ruas assoladas pelo lixo que voa das casas e olho como metáfora triste os sacos de lixo que, contra a democracia e o direito, a fúria de Felgueiras atira com as catapultas irracionais.

Hoje mais que ontem, o lixo é uma arma global pronta a ser disparada. Um pouco acima das máscaras, os olhos apontam ao céu azul para distrair as crianças do pesadelo do caminho.

[artigo de "o aveiro" de 22/5/2003]

 
15.5.03
 
Fica-me bem dizer que experimentei "blogar" por ter ido ler o abrupto do (meu amigo) pacheco pereira que leio sempre (embora concorde pouco nas coisas da política, muito noutras coisas e goste de ler o que "abrupt"amente escreve. Também já tinha dado uma volta pelo blog do delfim, meu colega de escola. Um brinde à saúde do JPP e do DR que acabaram por me trazer a estas pradarias.
 
 
Nem tudo o que se passa é passado.


1. Parece que afinal ninguém procurava neutralizar uma ameaça à paz e segurança dos vizinhos e do mundo quando se invadiu o Iraque. Diz o administrador da coisa americana que se pretendia tão só derrubar um regime ignóbil e devolver o poder ao povo. Mais descansados por saber que não havia armas de destruição em massa fora dos Estados Unidos da América? Estamos menos descansados porque há tantos regimes ditatoriais ali onde o estaleiro da guerra foi montado que isso pode ser tentação a mais para o empreiteiro norte-americano. A julgar pelas manifestações religiosas e o peso dos ayatollahs que regressam. o voto democrático transformará o Iraque em mais um estado islâmico sob as ordens dos chefes xiitas. A guerra preventiva contra o terrorismo pode vir a dar em guerras santas do terrorismo.
2. As nomeação e tomada de posse de Nobre Guedes como membro do Conselho Superior da Magistratura são bombásticas. Autor das cartas de desagravo do nosso ministro da defesa reativamente ao caso Moderna, Nobre Guedes toma o seu lugar de conselheiro da magistratura e todos nós descansamos sobre o acréscimo de independência e imparcialidade trazida por Nobre Guedes ao Conselho. Fica bem Nobre Guedes como membro de um Conselho que decide sobre nomeações, transferências e promoções dos juízes dos tribunais judiciais, bem como nos parece bem talhado para o exercício da acção disciplinar sobre os juízes o autor das tão conhecidas cartas e confesso autor de estratégias interessantes e logísticas a que Portas se manteve alheio. Há quem diga que quem de alheamento se veste, na praça o despe e … se despede.
3. Fátima Felgueiras foge para o Brasil, para fugir da justiça e procurar a verdade que teima em esconder-se dos olhos dos investigadores e dos juízes. A verdade tinha medo de Fátima Felgueiras e pode ser que agora decida deixar-se agarrar pelo rabo. Os apelos de Fátima ao povo de Felguerias partiram-me o coração. Uma carta dirigida a António Guterres, por um ex-vereador socialista, descreve pormenorizadamente o acordo de cavalheiros e a prática dos cavalheiros dos PS e PSD na Câmara da Amadora. Foi agora tornada pública. Apeteceu-nos dizer: Volta Fátima, estás perdoada!
Já ninguém fala dos casos das corrupções autárquicas do nosso distrito de Aveiro. Quem se lembra? Já só se ouve falar de Águeda de vez em quando.
4. Tantas notícias, tão boas e fantásticas! Se não fossem estas notícias, eu atrever-me-ia a dizer que o mais importante da semana tinha sido a terceira Convenção do Bloco de Esquerda. São importantes as teses que analisam a actual situação do país e servem de orientação para a acção política da esquerda socialista nos processos para uma globalização alternativa aos projectos do neo-liberalismo conservador e imperial. Mais importantes ainda são as teses que definem o europeísmo de esquerda. A cidadania europeia (tantos milhões contra a guerra!) passeia-se em movimentos livres… pela esquerda.

artigo de "o aveiro" de 15/5/2003

 
 
Vamos começar a falar do mundo a partir de Aveiro, de Aveiro também. Esperamos poder discutir tudo
 

o lado direito




(...) o homem que não dorme pensa: «o melhor é voltar-me para o lado esquerdo e assim, deslocando todo o peso do sangue sobre a metade mais gasta do meu corpo, esmagar o coração».
Carlos de Oliveira
Google

o lado esquerdo
World Wide Web

LIGAÇÕES


escreva-me que bem preciso.


bloGeometria
infinitamente Pequeno
mesura
desenha
combate pela Geometria

homem à janela


ARQUIVOS
Maio 2003 Junho 2003 Julho 2003 Agosto 2003 Setembro 2003 Outubro 2003 Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

Site Meter
Powered by Blogger


sob licença
Licencia de Creative Commons