>
29.9.04
  vou sair


Por alguns dias vou sair. Vou até à Covilhã, fazer parte do enxame de professores de Matemática (no ProfMat). Não há melhor conforto.
 
27.9.04
  Silêncio concertante
De vez em quando, lembro-me do Conservatório de Música de Aveiro. Há quem o veja como casa construída e instruída para a música. Mas olhando melhor, a casa da música foi devassada e devastada por uma fúria desconcertante. Da casa instruída para a música sobra um miolo dedicado à música. Lembra-me o conservatório que a música é um assunto incapaz de encher a sua casa, como se fosse a casa a apertar a música até esta se resignar à tacanhez. A surdez cultural é política, obra de políticos, tanto de ministros como de autarcas. Se em geral nos sabemos analfabetos, imaginem o que seria se contássemos a educação e a cultura musicais. A começar pelo primeiro-ministro, sabemos de que barro musical se fazem os responsáveis. Sobra-lhes o voto do espectáculo e esse, para ser notado, pode ser importado e ser pimba e pode até ser só pirotécnico para apagar as estrelas e os murmúrios da noite fecunda.

Nos últimos tempos, estamos preocupados (como é nosso dever!) com as desgraças das colocações dos professores dos ensinos básico e secundário. Mas alguém sabe como são colocados os professores dos conservatórios, se há quadro, que tipos de contratos celebram os professores, em que prazos, como são pagos? Ainda mais do que todos os outros, os músicos e professores de música têm quadros desajustados, contratos de favor ou quase, em completa desarticulação com os restantes segmentos de educação e ensino. Se existe, a vida dos conservatórios é desconcertante.

As escolas profissionais de música e os departamentos especializados no ensino superior não substituem nem sequer menorizam o papel das academias de música locais e os conservatórios regionais. Nada existe em Aveiro que possa substituir o Conservatório no seu papel.
Discutimos muito o ensino artístico e, em especial o sempre marginal ensino da música e formação do gosto, quando discutimos a revisão curricular nos governos de António Guterres. Já tínhamos discutido no tempo de Cavaco Silva e tinham-se dado passos tímidos na articulação geral e de contratações de professores. Não ouvimos falar do assunto nas alterações à revisão curricular. Ou tudo está bem, ou está tão mal que... o doente já não fala e... nem se fala disso.

Está aí alguém?


[o aveiro; 30/09/2004]

 
25.9.04
  crítica improvisada
Fui (ou)ver os improvisos - space2004part#2 - a'o navio dos espelhos. A minha curiosidade ia para a forma em que caberia o sax do João Figueiredo e senti algum desconcerto confortável com a possibilidade de ter identificado monólogos amigáveis ao meu gosto e ter gostado de algumas discussões (improvisadas) a dois e a três. [Nas grandes peças(?), as discussões (entre instrumentos e instrumentistas ou mesmo entre naipes) são as minhas preferidas.] Gostei de ouvir e é verdade que fico convencido pela criação de ambientes sonoros electrónicos a partir de pequenas coisas como as que o João Martins faz. Há alguma delicadeza insegura nos gestos e na pose, entre o que não é e os saxofones que tanto melopeiam carícias de vento como atropelam todo o sossego. Gosto do João Tiago a oscilar entre o afago das peles esticadas e... a violência explosiva e logo contida pela desistência a dar lugar aos sopros e sussurros. Em alguns momentos, impovisamos não estar ali porque passamos ao que so(nha)mos e onde estamos não é mais que uma paragem na passagem para outro lado.


A vida modesta dos experimentadores é provada nestes espaços tipo "intensamente livre" que era o nome da povoação a ver-se por trás dos músicos. Há alguma coisa de mágico nestes pequenos senões e serões. E uma livraria pode mesmo ser uma "livreria", um navio para as viagens que fazemos mesmo aqui para o outro lado dos espelhos que nos reflectem no que vale a pena.
 
23.9.04
  amarei
das patas
da aranha amarei os pêlos na sopa
quando a devolvo à copa
para que a aranha inteira a enriqueça

e eu, enfim, rejuvenesça

até andar de gatas


 
22.9.04
  dos que improvisam no que é de improvisar.
Em Aveiro, na livraria o navio dos espelhos , mesmo ao lado do Teatro Aveirense, há música na próxima sexta feira. Eles esclarecem:


>>>24.Set.sexta. 21h00
Space 2004 # part 2 festival de música experimental e improvisada
Improvisação: João Figueiredo.sax, João Martins.sax, João Tiago.bat
Festival de MÚSICA onde procuramos abordar os novos rumos da música contemporânea, possibilitados quer pela via da experimentação/improvisação quer pelas novas tecnologias digitais. Uma plataforma de ensaio de formas e formações musicais.
Organização: Rock'n'Cave


Encontrei n'o navio dos espelhos alguns dos livros de poesia que tinha deixado de encontrar por aí. E alguns discos também. E encontrei-a aberta numa noite em que tentávamos (sem conseguir) encontrar o teatro aveirense aberto. Não é fantástico?
 
21.9.04
  o lugar que arrefece.
Por aqui, sabemos que o verão está a chegar ao fim quando as escolas abrem as portas para as aulas. Vestimos camisas de manga comprida. Compomos o ar e tomamos fôlego para os pacíficos combates contra a ignorância. Sabemos que nos foi atribuído um mandato de passar para os estudantes alguma sabedoria e competências necessárias para o seu futuro e o nosso futuro colectivo. E preparamo-nos como qualquer profissional. Olhamos para os conhecimentos e competências, em geral e em detalhe, e planificamos os nossos compromissos de dever. Mas como o nosso trabalho é feito com e para os outros, é preciso saber com quem vamos trabalhar, anos de escolaridade dos estudantes, das condições e cultura da escola e dos pais dos estudantes, colegas professores das diversas equipas que vamos completar, etc. Só sabendo isso tudo é que sabemos o que vamos ensinar e como o vamos fazer, que ferramentas escolher. Não são sempre as mesmas e as nossas preferidas podem nem existir na nova escola, porque o nosso trabalho não é, a esse nível, tão rotineiro como o de quem muda de estaleiro e vai assentar tijolo sobre tijolo às ordens de algum capataz que segue instruções e desenhos de engenheiros e arquitectos.

A dignidade de uma profissão é medida pela forma como dominamos o conteúdo funcional e como manejamos adequadamente as ferramentas da profissão para fazer a obra, qualquer que ela seja. Sabemos que a atempada distribuição de serviço pelos trabalhadores de acordo com as suas qualidades e qualificações é fundamental e dela depende a boa condução dos trabalhos e a produtividade. Mais ainda assim será se pensarmos em serviços de educação e ensino. Não é?

Passámos gerações a hesitar e cometemos demasiados erros na definição das políticas educativas e das necessidades, na especialização funcional dos professores, nas formas dos contratos de trabalho docente, etc. Mas, mais do que antes, é a actual sucessão de erros na colocação de professores que projecta a mais crua luz sobre o valor atribuído à dignidade profissional dos professores e à escola pública pelos governantes que têm a "escola toda".

A incompetência dos mandantes poderá matar a dignidade dos professores, se não os contrariarmos com o óbvio - orgulho e dignidade são propriedade privada de cada um de nós.

Quem quer assassinar o ensino público? Os mais altos (ir)responsáveis dos serviços públicos têm feito de tudo para os desacreditar e (ar)rematá-los em leilão a favor de privados negociantes. Arrefecer os ideais de serviço público é feito com fingimento político. Mas é o que parece. E parece o que é: crime público.


[o aveiro; 23/09/2004]
 
  a idade de QUINO.
Perguntaram-me pela idade do QUINO e eu não sabia. Mandei um palpite: 80. Agora já sei. Na biografia, publicada no "site" oficial do QUINO
pode ler-se:
-----------------
1932
QUINO, Joaquín Salvador Lavado, is born to Andalucian Spanish immigrants in the city of Mendoza, Argentina on July 17, although in the official records his birthdate is incorrectly registered as August 17. From the time he was born, he was called Quino in order to distinguish him from his uncle, Joaquín Tejón, a painter with whom Quino discovered his own vocation at the age of three.
-----------------
o que faz dele um setentinha.

É um lugar bom para ver alguns desenhos com o traço do Quino Lavado.
 
19.9.04
  a velha mafalda
Li hoje na "Pública" que a mafalda (do quino argentino) tem 40 anos. Quantos anos terá o pai da mafalda? E o quino? E eu?
 
18.9.04
  Abertura da época no jornal
Tudo começa às vezes por respeitarmos as pessoas envolvidas no lançamento de um jornal. Mas também pelo tamanho e pelo aspecto (mancha gráfica, tipo de letra,... ). O que é certo é que nos habituamos às coisas. Foi assim com o Público. Nós mudamos. E o Publico também foi mudando. Algumas vezes chegamos a odiar as políticas dos directores que influenciam drasticamente o jornal, mesmo não podendo alterar as opiniões dos cronistas e dos jornalistas. Amor e ódio. E enquanto ele não perder alguma da vitalidade que é garantida pelas opiniões diversas que ainda por lá se apresentam, que não é visível só pelas opiniões dos cronistas mas até pelos editoriais, lá continuamos a procurar o conforto do que já conhecemos. Lemos muitos jornais, mas há sempre um que nos dá mais conforto que outros e isso pode não ter a ver com os conteúdos principalmente. Há dias em que ocmpro o jornal por puro masoquismo ou para fazer alguma cena de ódio fechada na alma.
Da leitura da madrugada deste sábado, ficam-me alguns artigos de opinião que vale a pena ler. Para além de algumas notícias, claro. Não estou de acordo com todas as ideias expressas em qualquer dos que recomendo. Mas têm ideias. Neste sábado de Público há muitos assuntos, desde o nacional ao local, a valer visita. Foi uma colheita feliz. Não escondo os meus interesses óbvios para esta época de caça: o sector público e, em especial, a educação. E é por isso que recomendo vivamente a leitura
de Santos Silva, Onde o Cronista Se Transforma Num Temível Comunicador , que faz um exercício interessante sobre o sector público e a forma como o governo o olha e o trata;
da odiosa(?) Helena Matos, que fala das escolas públicas como sendo As Nossas Queridas Madrassas, criticando governo, pais, sindicatos, professores, ... e fazendo-me lembrar António Barreto, que ontem também zurzia em tudo e todos e até pedia a contratação de coreanos e afins para pôr ordem nisto, já que ele não sabia como é que se resolvia o problema (ele que é sociólogo, académico, fazedor de opinião, ex-governante-dirigente partidário-deputado, etc além de parvo - como toda a gente - quando a cegueira o ataca e ataca muitas vezes quem sente e tentou, pelo poder, a sorte de salvar a pátria e comeu à mesa dos poderosos mais que a sopa dos pobres);
de Santana Castilho, que também escreve sobre A Galeria dos Incapazes , ministro e ministra, e a fabulosa peça que nos pregaram com a colocação de professores. [Santana Castilho também já foi governante - Secretário de Estado do MInistério da Educação num governo do PPD].

Acho que é tudo boa leitura para todos. Como professor da escola pública, recomendo vivamente o Público de hoje. Os ex-maoístas (meus companheiros da luta contra o tempo em que se vivia) que dirigem o jornal agradecem, sem saber, o meu esforço.

E sobre a abertura das escolas, não há melhor opinião e melhor síntese noticiosa, que a de Luís Afonso, como quase sempre: Bartoon deste glorioso sábado, 18 de Setembro.

Pelo meu lado, tenho de voltar ao trabalho escolar, porque hoje é sábado.
 
17.9.04
  das receitas para bem educar
Sob o título "Um mestre de categoria" a máquina de turing divulga algumas das pérolas de João Caupers sobre a arte de bem educar. Não resistimos a aconselhar vivamente a leitura.
Transcrevo um bocadinho do princípo da coisa:


[...] O Professor João Caupers, Director da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, distribuiu aos seus alunos de Direito Administrativo I neste ano lectivo de 2004/2005 uma nota introdutória que merece aqui um destaque.
O Prof. Caupers sublinha o "nível de exigência muito elevado" que se pratica na disciplina. Isso é bom. E avança a prova desse traço: "os elevados níveis de reprovação (entre 33 e 44%) aí estão como testemunho de tal nível de exigência". Lindo! Em qualquer escola decente, esses níveis de reprovação obrigariam o professor a explicar o que é que funcionou mal, exigiriam uma análise à qualidade pedagógica da actividade docente - até se concluir de que lado estaria o defeito. Neste caso, o Prof. Caupers, não contente com gabar-se desses níveis de reprovação, considera que isso é um indicador da exigência da disciplina. Isso quer dizer que as outras disciplinas da mesma faculdade têm um nível de exigência insuficiente, só porque não chumbam tanto? Aliás, o Prof. Caupers tem uma forma fácil de melhorar a avaliação da sua disciplina: reprova mais alunos e está feito. Nem precisa de fazer nenhum esforço para ser melhor professor. Basta reprovar mais alunos. E chega. [...]


O texto é grande. E esta parte pode não ser mais que um aperitivo. Só ganhamos em conhecer o pensamento de um ilustre mestre, comentado por "aquela máquina". Os meus agradecimentos ao Porfírio pela revelação.
 
15.9.04
  A família
Há razões de sobra para estarmos todos felizes. O Ministro das Finanças disse-nos, a respeito de uma conversa sobre dinheiros, que somos todos membros de uma grande família a viver na mesma casa, contribuindo com dinheiro para a casa, que o estado português é a mãe que conta os tostões da família, decidindo as despesas a fazer. Quem não se sente confortado por fazer parte da grande família do Ministro das Finanças?

Alguns familiares andam zangados, e com razão, porque alguns filhos não contribuem para o bolo da família e não é que não possam. Podem e muito. O pior é que, embora não contribuam com a sua quota parte para o bolo, são os que dão as primeiras e maiores dentadas no bolo colectivo.

Mais zangados estão ainda porque a mãe trata uns como filhos e outros como enteados. Raios a partam! dizem alguns, os que não podem aceitar que a mãe desculpe os filhos mais ricos de não cumprirem com as suas obrigações e os trata por igual ou chega mesmo a favorecê-los quando chega a hora da distribuição da comida.

Pior ainda quando a mãe diz que, para alguns serviços essenciais, vai pedir mais contribuições e de acordo com o que cada um já paga, de tal modo que quem não contribuía continuará sem contribuir e quem já contribui ainda vai ter de contribuir mais. Todos os filhos que trabalham por conta de outrém contribuem e são afinal enteados. Os filhos da mãe não. Dizem os mais zangados que a mãe não devia procurar cobrar mais a quem já paga e que, se há falta de dinheiro, deve obrigar todos a cumprir com as suas obrigações.

Esta mãe diz que não dá mama aos filhos esfomeados para não os habituar mal. E deixa-se sugar por aqueles filhos da mãe que já só mamam por puras gula e inveja.

Não há moral nisto. Ou há e talvez seja esta: Mãe que maltrata a maioria dos seus filhos e protege parasitas acabará devorada pelas carraças das suas ideias. Ou esta: Tal mãe, tal filho das finanças.

[o aveiro; 16/9/2004]
 
13.9.04
  Um prego no sapato da escola
Um prego no sapato fala de uma escola. E é alucinante a sucessão das histórias à volta dos umbigos dos zeros. Por vezes, custa acreditar, recusamos aceitar, mas ... que as há, há.
 
  assuntos da escrivaninha
Actualizei a escrivaninha com a publicação autorizada do livro AS IMAGENS DOMINANTES de Luís Miguel Queirós. É um livrinho do século passado. Encarreguei-me de o devolver, a uma nova luz,


cego de amor
por ter disposto
as pedras todas
dos meus olhos
no teu rosto.



Sem dar quaisquer conselhos de leitura, afio (ou amolo?) curiosidades.
 
12.9.04
  sociedade recreativa?




não há opinião mais clara e esclarecedora que a de luis afonso.
[pública; 12/9/2004]
 
11.9.04
  no olho da rua




[capa; inimigo público;10/9/2004]
 
  11 de Setembro n'O Inimigo Público




[3 anos depois; A.J. Gonçalves; Inimigo Público; 10/11/2004]
 
  11 de Setembro
Levantei-me pela manhã cedinho e, por ser sábado, a primeira coisa que fiz foi sair para comprar o jornal. E foi como se voltasse atrás no tempo.
 
10.9.04
  Palhaçada para gente graúda
Sobre a colocação dos professores e sob o título acima, o o dito cujo de aveiro escreveu:


A forma como o governo actual tem tratado os professores é para mim razão mais do que suficiente para dar um pontapé no cú do Portas, do Lopes e daquela trastalhada toda.

Acabei de ver a última no Público:
"Listas de professores podem não ser publicadas na próxima segunda-feira" seguido de: "O Governo reafirmou hoje que a abertura do ano lectivo irá ocorrer a 16 de Setembro, embora não seja ainda possível garantir a divulgação das listas de colocação dos professores na próxima segunda-feira".

Era uma boa altura destes gajos serem todos corridos. Que é que acham?



A todos indigna esta palhaçada. A quem trabalha no sistema educativo e acompanhou todas as dificuldades do crescimento da coisa, só nos resta o estupor(quase sem palavras)! Há dezenas de anos que nada de tão indigno acontecia. Indigno pelo que representa para os professores, mas também ofensivamente indigno no que representa de incompetência e... de arrogância que brota do poder ignorante que não se enxerga. Nem percebemos o que se passa no movimento docente e sindical - o espanto absoluto paralisa! E paralisa o país todo.
 
9.9.04
  De Muito Obrigado a De nada!
É verdade que algumas vezes escrevo mensagens cifradas (com palavras e desenhos) para um só destinatário. É raro pensar em quem lê o que escrevo. Fico sempre espantado quando descubro que há uma ou outra pessoas que lê o que escrevo. E tenho a certeza disso, porque me referem até em pormenores que esqueci por não ser dado a detalhes na memória. E é certo que, por vezes, o que escrevo não é mais que um recado cifrado para uma das pessoas que lê, na esperança que possa vir a ler aquela mensagem em particular. O que é certo também é que, se escrevo por escrever como prova de vida, aqui não faço desenhos com as palavras. Os desenhos? Esses sim são incompreensíveis e desprovidos de lógica ou mensagem intencional, sendo quase sempre uma fuga para o lado escuro da sala onde quero ficar escondido.
E pronto. Não é este o exemplo de recado com destinatário? É. Haverá quem não veja qualquer razão para isto ter sido escrito e publicado. Mas pode acontecer que haja o leitor: aquele que dará sentido a isto e até, quem sabe!, lhe atribuirá o valor de explicação ou justificação.
Esta coisa da exposição pública tem uma verdade própria: quem escreve, fica sempre melhor quando sabe que foi lido e não se vira do avesso quando sabe a verdade das interpretações dos outros. No meu caso, não resistirei a tentar esclarecer, iluminar zonas de sombra e a defender os pontos de vista sobre o que é público e se tornou notório por alguma razão boa ou má.
 
8.9.04
  A paz nunca vem depois.
Porque apressas o passo quando vês a multidão ali mesmo à frente da tua escola? Porque levas o ramo das flores? Ninguém falava dela, da tua terra. É, por isso, que vais seguro e confiante para o primeiro dia de aulas do teu filho. Seguras-lhe a mão, mas é só uma segurança de ternura. Talvez lhe vás a dizer que vale a pena pelo futuro, quando ele hesita em separar-se de ti e juntar-se aos outros.
Onde fica Beslan? Ossétia? Nunca vi tal nome nos mapas. No entanto, fala-se de Beslan e da Ossétia, tantas vezes, que é como se fosse algum lugar conhecido desde há muito. E vejo as ruas e as casas de Beslan. Vejo pessoas e parece-me que as conheço, vizinhas do meu mundo sossegado. Vejo a fotografia do quarteirão da escola nº 1 de Beslam no momento em que é tirada. Posso saber o que disseste ao teu filho em Beslam nestes dias, porque ganhaste a atenção do mundo inteiro. Nunca fizeste nada por isso, mas estás aterrorizado com o mundo inteiro a ver-te. O terror bateu-te à porta e logo bateu à minha porta. Isto muda tudo, não muda? Quer dizer que, se os terroristas tivessem escolhido a minha escola da minha cidadezinha de que nunca ouviste falar tu tinhas sabido imediatamente. Se tivessem vindo aqui até à minha escola, tinham o mesmo impacto e serias tu a ouvir falar de uma cidade impronunciável. Há ainda quem sossegue na sua vidinha neste lado do mundo, porque pensa que vocês afinal são mais vulneráveis porque estão na Rússia dos problemas que o Kremlin tanto se esforça por ter e que é tão frio. Que negócios e quanto dinheiro se esconde nas fraldas das causas do terror? Não é fácil vir até aqui? Não são só as notícias que são rápidas a tomar o mundo. Que queres que te diga? Estou tão aterrorizado quanto tu estás e vejo-me a chorar os teus filhos como se chorasse os meus. Podemos chorar ao mesmo tempo. Hoje, sou eu que ouço o teu grito por sobre o meu grito. Hoje és tu quem não ouve os meus gritos, porque eu grito sobre o que vi acontecer-te. Mas amanhã? Sou professor.Se calhar, na minha escola, não haveria tantas flores para comer. Não sei que mais te dizer.

[o aveiro; 9/9/2004]
 
5.9.04
  no dia combinado
Tenho uma filha que nasceu no dia combinado para isso, faz agora trinta e um anos. Nem eu sei contar até tantos. Nasceu ainda durante o antigo regime,tinha eu saído para jantar. Não me lembro do filme que tínhamos ido ver quando ela começou a reclamar uma saída ao ar livre da noitinha de Espinho. Não me lembro da ementa do jantar. Se bem me lembro ela nasceu quase ao mesmo tempo que o meu serviço militar obrigatório. E faz-me lembrar a ordem unida, a marcha a contragosto e... a seguir, a liberdade das ruas por onde marchávamos com as gargantas limpas.
 
  a forma nova
dizem que não há paixões humanas que prestem
e que todos os poemas foram já ditos e escritos

não mais que personagens de um fado bem passado
poetas são ratos de biblioteca a sobreviver
em buracos dos livros que não páram de roer

poetas são os que usam formas novas para cozer
em lume brando o poema mastigado e vomitado
até este ficar queimado pegado colado
e parecer que não tem nada a ver

nada para entender
e pouco ou nada para ler

dizem que já não há líricos tísicos nem sanatórios
e que os poemas são incerta forma para citações
ditadas e reeditadas experiências de laboratório

onde não entram nem saem emoções.

E já nem preciso é sequer manuscrever.
 
4.9.04
  papel

 
  tirania
não me digas que as comeste
porque ninguém

a começar pela tua mãe

te avisou que as lâminas
de barbear
não são para comer.
 
  crime da razão futura
a história não vai falar dos nossos
mártires porque nela entraram carregando
o espanto sobre a pacatez da vida o desmando
do trágico navio que transporta ossos
para a história.


[o futuro só vai contar mártires entre
os agressores: tenham ficado vivos ou
tenham morrido abraçados a causa ou
seita com memória e os lembre entre
tanto...]

a história espalha o pó fino que sufoca
os gritos e simula na pedra funerária
que todos os outros morreram pela boca
de cena sendo actores da vida adversária
daquela história.
 
  alto do erro
Quem vem pelos pirinéus, tomando o caminho a partir de Orthez para Pampelune (Pamplona ou Iruña?) passa por casas espantosas a desenhar contornos a pastagens (tanto para bestas celestiais como terrenas) e que nos enganam o olhar. É possível ver o que é impossível construção.
E há lugares com nomes que nos ficam. Erro! Melhor ainda: Alto do Erro!







Um pintor ingénuo não pode resistir à matemática da coisa.
 
1.9.04
  O cinzento-escuro.
Os dias das semanas de verão passam cinzentos. São férias, senhor! - diz a semana quando a culpam de falta de assunto sério.

Assuntos escaldantes?
Houve incêndios, sim! Mortos na estrada, sim! Atentados longe daqui, claro! Genocídios de verão, também. Maus resultados nos exames. Notícias da falta de sono dos comentadores e doutores. Cassetes roubadas, cassetes publicadas, demissões do peixe miúda e do peixe gordo. Volta a Portugal. Volta à França. Pancada derrotada no futebol olímpico em directo na RTP1 e o resto dos jogos nos outros canais. A televisão pública derrotada em directo. E agora até já recomeçou o totobola!
Que é que nos pode faltar? Professores por colocar, por exemplo.

Houve quem quisesse tranquilizar a população, dizendo que o governo tinha ido de férias. Mas não foi. O que é inquietante neste verão foi ver o governo a não parar de governar. O "Independente" da semana que passou deu-me a dimensão da tragédia: eles nomeiam à velocidade de meio cinzento por hora. Até ao dia da saída do independente, 468 nomeações políticas dependentes. E lá me informou também das nomeações apressadas dos ministros de Durão. O mais exemplar é o caso do Ministro reconduzido da Saúde que, no intervalo entre governos, deu cargos de administradores aos seus colaboradores, não fosse o diabo tecê-las.

É impressionante o número de assessores, secretários, adjuntos, chefes, etc. que gravitam à volta de cada ministro e que podem ser nomeados. Ainda é para mim um mistério como se faz esta dança de cadeiras sempre que muda um ministro. Para onde vão quando saem? De onde saem quando entram?

Há mesmo pessoas que tratam só da imagem do nosso primeiro. Quem pensava que aquilo era beleza natural, ficou a saber que não, que há muito trabalho ali, muita "base" mesmo. Numa revista qualquer vi como a assessora de imagem se equilibra numa banqueta de pose. É um espanto.
Santana Lopes tem treze secretárias pessoais, oito adjuntos e quatro assessores. E pode nomear até sessenta colaboradores directos. Preparem-se. Até Paulo Portas nomeou mais que Santana: trinta e cinco. E tem só quatro secretarias pessoais e só seis motoristas.

Que é que nos pode sobrar? Ficar a ver navios. Ou algum navio em particular.


[o aveiro; 2/9/2004]
 

o lado direito




(...) o homem que não dorme pensa: «o melhor é voltar-me para o lado esquerdo e assim, deslocando todo o peso do sangue sobre a metade mais gasta do meu corpo, esmagar o coração».
Carlos de Oliveira
Google

o lado esquerdo
World Wide Web

LIGAÇÕES


escreva-me que bem preciso.


bloGeometria
infinitamente Pequeno
mesura
desenha
combate pela Geometria

homem à janela


ARQUIVOS
Maio 2003 Junho 2003 Julho 2003 Agosto 2003 Setembro 2003 Outubro 2003 Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

Site Meter
Powered by Blogger


sob licença
Licencia de Creative Commons