>
26.4.11
  nunca mais
1.

só diz nunca mais
quem não sabe de quantas mudanças
são feitos os dias de cada um

minha mãe perguntava para onde vais
tu que não tens jeito para danças
só podes ir a lugar nenhum

sabendo que eu acabava por partir
para onde ninguém me esperava
pelas ruas nuas e em estações vazias

para onde o frio que estava por vir
vinha zangado e em cada rajada gritava
a terrível solidão das noites mais frias

só diz nunca mais
quem não sabe adivinhar o choro no fado
que nos diz que tudo será como deus quer

minha mãe chorava sem ter ido a qualquer cais
separar-se do filho que voltara já enterrado
na pressa de não fazer viúva a que seria sua mulher

2.

nunca mais a escuridão nos dias claros
nunca mais antes a morte que tal sorte
de assobiar para espantar o medo

podemos dizer agora nunca mais porque agora é cedo
porque sabemos que a morte qual vida eterna? é mesmo morte
e já morreram os abraços dos amigos cada vez mais raros

Etiquetas:

 
25.4.11
  de "Teógnis de Megara"
(...)
Pois todos temos pensamentos manhosos:
mas ao passo que um não quer seguir o mau proveito,
a outro agradam mais as congeminações enganosas.

Da riqueza não há limite que se mostre aos homens,
pois aqueles de nós que mais têm, esses
apressam-se a duplicá-la. Quem saciaria todos?
Para os mortais a riqueza é demência,
donde vem desgraça que toca ora a um,
ora a outro, quando Zeus a envia aos infelizes

Sendo cidadela e torre para o povo de mente vazia,
ó Cirno,o homem nobre só obtém pouca honra.

Não nos cabe considerarmos-nos homens salvos,
mas uma cidade, ó Cirno, totalmente saqueada.

(...)

(F.Lourenço, Poesia Grega, Cotovia, Lisboa: 2006)

Etiquetas:

 
  25 de abril...
... sempre!
 
23.4.11
  do que gosto mais nas negociações é...
... daqueles senhores que os jornalistas identificam como sociedades de advogados e se identificam a si mesmos como "agora não, não levem a mal"...

... e de ter sabido que o muito nosso ex-ministro da tal ex-economia, manuel pinho, também já trabalhou no fmi e para o fmi em algumas negociações, a confiar no próprio que o comunica em crónica d'o expresso...
 
21.4.11
  limoniformes...
...como tonéis

- de todos os sólidos com a mesma superfície, os limoniformes têm volume máximo - disse Kepler, descendo o Danúbio entre pipas.
 
  contraceptivo...
do nosso ponto cardeal
 
  portas e o ...
... anjo correio com passos de coelho treinam para figuras de estado depois de terem feito figuras de estalo:
figuras de estilo.
 
  aparelhos
Aparelhos
- do PS
- do PSd
...
- dos dentes.

Quem pede maioria absoluta de um partido só pode querer que o aparelho do estado se confunda com o aparelho do seu partido.
 
  a imaginação da negociação do pesadelo
Chegam uns e outros. Quando na mesma sala, negoceiam apresentações e cumprimentos. Depois, os técnicos podem circunstancialmente referir um ou outro assunto a ser abordado. Os políticos podem falar dentro do tempo disponível que é diminuído se houver necessidade de tradução. Os técnicos podem ouvir sonolentamente o que já sabem de ouvir falar ou de súmulas escritas produzidas antes por quem anda por ali a tratar recortes de jornais e documentos avulsos. E podem tirar uma ou outra nota para dar nota de que ouviram. Podem mesmo fazer uma pergunta ocasional sobre algum paleio que precise de alguma precisão ou melhor tradução. Podem mesmo ter desenhado alguns bonecos.
Entretanto, o tempo acabou. Se não forem surdos, os técnicos ouviram e não devolveram senão olhares perdidos. Não contestam nem aprovam. No fim, alguns apertos de mão mais ou menos firmes ou mais ou menos moles.
O relatório técnico talvez denuncie algum aspecto que cada um atribua ao que disse.
Foi um prazer. O que faz de chefe de cerimónias pode mesmo resmungar algumas palavras de circunstância e agradecimento por terem comparecido. Sem isso, não se poderia falar de negociação.
E p.f., pfff..., fe.., ifm, fmi ou melhor... fim.
 
  não posso desenhar, pouco posso escrever (...)
(...) só posso olhar para fora e ver as notícias, sempre aparentemente as mesmas notícias, como rastos formando um tapete rolante de últimas sobre a crise ou sobre vitórias e derrotas no futebol, claques e polícias, políticos e banqueiros, economistas e financeiros, donos de tudo e donos de coisa nenhuma:

as máscaras mil vezes mostradas para parecerem caras de verdade, como as mentiras mil vezes repetidas para parecerem o sofisma único essa baba que parece verdade assim cuspida por todos os que podem falar para uma multidão que se cale e pise ou esconda o que diz à boca pequena à boca pequena de boca em boca como um segredo mal guardado:

a quadrilha vive agora de uma ideia com mercado seguro para os seus manuais adoptados pelos estados sólidos líquidos e gasosos.
 
  dispara, porra, dispara!
(...) pelos dois canos do nariz.
 
  os professores não vão em carnavais
a professora levantou o dedo e apontou a porta da rua, por onde, balbuciando desculpas, saiu o menino mascarado de diabo.
a professora marcou a falta com tinta vermelha e registou qualquer coisa na caderneta.

só depois disse: meninos, hoje vamos representar o auto da barca do inferno!



(de há muitos anos para um programa de rádio pirata: círculo virtuoso, penso eu.
veio agora a propósito daquilo a que chamam "negociações de resgate")
 
18.4.11
  em vez do beato
 
15.4.11
  Nada, mas mesmo nada
Por estes dias, os dedos podem fazer pouco por nós. E nós podemos fazer pouco pelos dedos senão dar-lhes descanso na esperança de os podermos vir a utilizar num futuro próximo sem dor. Dizer isto é dizer tudo. Que é o mesmo que nada, bem o sabemos.
 
14.4.11
  maltratado, maltrapado, maltrapilho :-)
 
13.4.11
  sem mãos
 
11.4.11
  nandita- fábrica de cores
 
  menos olhos que barriga
A política olha para a destroçada barriga
Aberta pela venda lucrativa da mina traiçoeira
Até  perceber  uma diplomacia  que lhe diga
da gangrena ser menos boa que a cegueira


Ai, a que colhe  ramos de oliveira  vai tropeçar
Em seu  vespeiro  de  palavras  voadoras

E caindo a pique sobre o ninho das metralhadoras
A pomba apenas sente uma pena a soltar-se no ar.
 
 

Há crianças tão leves que tropeçam nas borboletas
E caem. Pairando no ar por  momentos
Como uma realidade que sustém a respiração.

Há mulheres tão finas que passam entre os pingos de chuva
E caem.  Como juncos levados pelos ventos
E são as fitas do chapéu que pesam para o chão.

Há homens tão grosseiros  e belos feitos estátuas de cal
E caem.  Pesadamente caem  como braços do arado
Na paisagem  lavrada pelos dedos de uma mão. 
 
10.4.11
  quem anuncia o fim do(s) princípio(s)?
Os responsáveis pela situação a que chegamos anunciam-nos que só eles nos podem conduzir para fora dele porque conhecem o caminho até aqui, bem com conhecem bem todos os figurões que organizaram (e lucraram com) o descalabro e que podem ser influenciados no bom sentido da oportunidade em que um descalabro pode travestir-se. Eles esperam que o bom povo se deixe convencer pelas trampas que pretendem maximizar em seu proveito a crise até não haver qualquer alternativa audível e tudo ficar resumido a alguma coisa que é ps+d-d. Se isso vier a resultar do concerto eleitoral que aí vem, este fim de semana desconcertante será o princípio de outro fim, um anúncio da vitória da maldade pura, da falta de vergonha, da falta de princípios, da falta. Resta-nos o quê? Uma revolta feita de muitas pequenas revoltas, individuais e colectivas.
Antes de me despedir por uns tempos das mãos que pouco escrevem, dou conta de que a cabeça conta mesmo quando não escreve nem fala nem desenha.

Etiquetas:

 
  desenhando
 
6.4.11
  desenho + 1
 
  prostrado
 
  sentada
 
5.4.11
  onde começa o que vemos
 
  por onde se desenham os amigos
 
  o céu da varanda
 

o lado direito




(...) o homem que não dorme pensa: «o melhor é voltar-me para o lado esquerdo e assim, deslocando todo o peso do sangue sobre a metade mais gasta do meu corpo, esmagar o coração».
Carlos de Oliveira
Google

o lado esquerdo
World Wide Web

LIGAÇÕES


escreva-me que bem preciso.


bloGeometria
infinitamente Pequeno
mesura
desenha
combate pela Geometria

homem à janela


ARQUIVOS
Maio 2003 Junho 2003 Julho 2003 Agosto 2003 Setembro 2003 Outubro 2003 Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

Site Meter
Powered by Blogger


sob licença
Licencia de Creative Commons