a imaginação da negociação do pesadelo

Chegam uns e outros. Quando na mesma sala, negoceiam apresentações e cumprimentos. Depois, os técnicos podem circunstancialmente referir um ou outro assunto a ser abordado. Os políticos podem falar dentro do tempo disponível que é diminuído se houver necessidade de tradução. Os técnicos podem ouvir sonolentamente o que já sabem de ouvir falar ou de súmulas escritas produzidas antes por quem anda por ali a tratar recortes de jornais e documentos avulsos. E podem tirar uma ou outra nota para dar nota de que ouviram. Podem mesmo fazer uma pergunta ocasional sobre algum paleio que precise de alguma precisão ou melhor tradução. Podem mesmo ter desenhado alguns bonecos.
Entretanto, o tempo acabou. Se não forem surdos, os técnicos ouviram e não devolveram senão olhares perdidos. Não contestam nem aprovam. No fim, alguns apertos de mão mais ou menos firmes ou mais ou menos moles.
O relatório técnico talvez denuncie algum aspecto que cada um atribua ao que disse.
Foi um prazer. O que faz de chefe de cerimónias pode mesmo resmungar algumas palavras de circunstância e agradecimento por terem comparecido. Sem isso, não se poderia falar de negociação.
E p.f., pfff..., fe.., ifm, fmi ou melhor... fim.

Comentários

Mensagens populares