>
30.3.05
  Escola de condução
Num debate sobre o código de estrada, ao falar do ensino da condução, um dos intervenientes definiu bem a tragédia da escola. Disse ele que as pessoas vão à escola para tirar a carta e que não há quem lá vá para aprender a conduzir e que pode acontecer que o instruendo assine o livro de ponto num número de vezes superior ao número de aulas frequentadas. De outro modo, um outro interveniente disse que os instrutores ensinam as pessoas para passar nos exames e não a compreender a lei para a respeitar nem a conduzir nas diversas situações que vai enfrentar na vida corrente. Por isso, dizia ele, o ensino da condução é mau só porque os exames são maus e mal feitos. Noutra altura, um dos intervenientes afirmou que há centros de exame vizinhos estando um sempre engarrafado de examinandos inscritos e outro quase sempre às moscas. Pretendia ele denunciar o facilitismo ou corrupção de algumas instituições acreditadas que fazem favores para garantir a afluência de clientela.
Esta é a tragédia do ensino da condução. Não tanto por termos escolas más, exames maus e pouco rigorosos, centros de corrupção como centros de certificação e mais por termos pais e jovens que não aprendendo o código nem condução querem obter certificação, carta, autorização dada por tais centros. Para tomar em mãos um volante como quem prime um gatilho de uma arma que não se segura e vai disparar descontroladamente.
A ser verdade o que se ouviu, o problema essencial é das condutas morais, da má educação à má condução, do desrespeito pelos direitos e pela vida dos outros.

Mas serão essas tragédias exclusivas do ensino da condução? Ou são as tragédias de todo o ensino e, só por isso, acabam como tragédias do ensino da condução? O bom senso comum diz-nos que as denúncias feitas pelos responsáveis para as escolas de condução não são estranhas às concepções de muitos pais portugueses sobre o valor de uso da escola em geral. Pouca preocupação com o conhecimento, pouca exigência com o trabalho, permissividade relativamente à assiduidade dos filhos e ao cumprimento de horários de trabalho, ... controle e reclamação sobre o quê? As notas e a certificação.

Que podemos fazer? Se a situação for esta, precisamos de políticas simples, muito simples. Não é?


[o aveiro; 31/03/2005]
 
25.3.05
  loa
Avevamo studiato per l'aldil'à
un fischio, un segno di riconoscimento.
Mi provo a modularlo nella speranza
che tutti siamo già morti senza saperlo.

E. Montale; Poesia


Tínhamos combinado para o além
um assobio, um sinal de reconhecimento.
Procuro modulá-lo na esperança
de que já estejamos todos mortos sem saber.


Trad. de José Manuel Vasconcelos; Assírio e Alvim

 
22.3.05
  A fé dos simples
1.
Dizem-nos que a fé move montanhas. Nós preferíamos que o vento movesse nuvens carregadas de água pura, as aconselhasse a despejarem-se como água bendita sobre o nosso chão cheio de sede. O que nós preferimos é uma invernia na primavera quando ela é precisa mais que pão para a boca. Queremos que a feira de Março seja inaugurada e vivida em invernosos dias a fio. Queremos que a água nos molhe os pés. Queremos molhar os pés, beber água que nos escorra pela cara abaixo, pelas rugas abaixo, pelas ruas abaixo. Acompanhados pelas gaitas galegas em delírio, quem não dançaria à chuva!
2.
Mover montanhas? Como montanhas imóveis sobre vulcão esperamos. Esperamos que os jornalistas não encontrem a minhoca a cada cavadela no chão seco onde não sobrevivem minhocas. Queremos ouvir os debates essenciais e não mais do que esses sobre programas de governo e que seja este que se debata e não os de cada papagaio ou cada marionete.
Dizemos que é bom ouvir algumas frases que fazem sentido. Como aquela em que o primeiro ministro diz a Portas que não tem de corrigir Freitas do Amaral porque está de acordo com ele no essencial - que o governo deve, na sua política externa, um estrito respeito pelo direito internacional, sem dizer que Durão e Portas fizeram política fora da lei internacional e das organizações das nações. Alguns exemplos de sobriedade e seriedade como este já nem lembravam aos portugueses cansados da guerra do alecrim do psd e da mangerona do pp.
3.
Em verdade vos digo que se é a fé que nos move em frente, o que nos dá alento para o caminho são algumas frases simples sobre o que é viável e pode ser feito. Podem não ser tudo nem o que é mais importante fazer, mas são coisas que podem ser feitas e podem ser boas. Produtos químicos que podem ser vendidos sem prescrição médica podem ser vendidos fora das farmácias - é uma frase simples. Viram bem a sua potência? Ou: a interrupção da actividade dos tribunais (aquilo a que chamam férias judiciais) passa de dois meses para um mês....
Quem é que não percebe as frases? E a sua potência? E a facilidade na execução? Não interessa se estou ou não de acordo. Percebo.
4
Quem me dera que houvesse uma frase simples que nos garantisse meses de chuva branda e persistente, pouco alarido e nenhuma cheia calamitosa.


[o aveiro; 24/03/2005]
 
  A escola dos cucos
1.
Quando cai um governo absurdo, reconciliamos o nosso espírito com a nossa vida e a vida à nossa volta. Por momentos esquecemos que a vida à nossa volta se entrança como o ninho mais que perfeito para chocar o ovo da serpente absurda.
A sociedade é o nosso ninho e, ao mesmo tempo, é o ninho das nossas víboras e dos nossos adorados cucos. De quem se fala? Nesta vida social, os exemplos de sucesso na iniciativa são de cucos que, sem corar, defendem a necessidade de empurrar para fora dos ninhos os outros portugueses - trabalhadores, claro! - para melhor os depenar. O governo mais absurdo foi aquele, que sendo igual aos outros no essencial, se atribuiu o direito a um desplante de cuco humano sem culpa e sem remorsos perante a queda dos outros no desemprego e na miséria.
Os exemplos poderosos (da sociedade e, em particular, da família) (des)educam mais do que mil palavras de professores.
2.
Nos anos 30 do século passado, um filósofo falava no princípio da tragédia da pedagogia: ?Estudar é tão estranho como ser contribuinte?. Raramente se começa a estudar ou se estuda em resposta a uma necessidade individual e intrínseca. Estudamos por razões exteriores ou sociais. É preciso estudar para aprofundar e manter as actuais condições de existência de cada um de nós na sociedade. Pagamos impostos para melhorar e aprofundar a nossa organização social que regula e regulamenta as interacções entre indivíduos e grupos, organiza e presta os serviços essenciais à colectividade de indivíduos interdependentes. Fugir aos impostos significa não dar valor aos serviços sociais de educação e ensino, justiça, cuidados de saúde, protecção na doença e na velhice, etc ou significa que não acreditamos que o Estado esteja organizado para prestar esses serviços ou que temos direito a receber sem o dever de dar em troca.
O que sabemos é que as prestações individuais para o conjunto da sociedade são extremamente desvalorizadas. Uma grande parte da sociedade não confia no valor do saber escolar e não corresponde à necessidade de certas competências escolhidas como imprescindíveis pelos poderes políticos nacionais e transnacionais. Associa-lhes uma competição ganha como vingança ou perdida a favor dos mais ricos (e dos cucos) que utilizam a escola toda para perpetuar domínios e assegurar explorações ilegítimas.
A escola é como se não fosse essa arena.
3.
Esquecendo esta tragédia primordial do saber escolar e da escola, pensamos a educação e o ensino deambulando entre cenários que se substituem uns aos outros pela nossa mão de cegos que nem querem ver, lançando culpas sem remorsos sobre os que trabalham no ensino sem sucesso e desculpas sob a forma da atribuição de toda a desgraça a uma ou outra frase assassina de um papel qualquer que, bem investigado, afinal ninguém leu.
Como se pode ver pelo meu acordo com as lições de metafísica de Ortega y Gasset, com Nuno Crato (no Expresso) posso achar um disparate escrever que a tarefa principal que se põe aos professores seja conseguir que as crianças aprendam a gostar da matemática se for verdade que todo o ensino se tenha dirigido para coisas que divirtam os alunos fazendo passar a aprendizagem para segundo plano. Mas não são as universidades que procuram e aceitam como futuros professores do ensino básico pessoas que não obtiveram êxito na sua escolarização básica em Matemática. Quem diverte quem?
4.
As medidas avulsas de David Justino estragaram o que de positivo nos sobrara dos governos de Guterres em diálogo social sobre o ensino, horários de trabalho a responsabilizar os estudantes, acerto entre documentos programáticos e organização escolar para os levar a cabo, entre natureza de aprendizagens e sua certificação, entre ensino secundário e acesso ao ensino superior.
Esperamos voltar a alguns equilíbrios, principalmente, fugir das mudanças para pior no ensino secundário recorrente. E que o governo devolva aos professores o poder, a responsabilidade e as ferramentas profissionais para fazer dos jovens os responsáveis pelo seu futuro. Na nossa vida e na nossa escola?
Sem que a escola seja reserva de cucos.


[a página da educação; 4/2005]
 
  pausa



 
  gaita em descanso



 
  Gaiteiro



 
  Gaiteiros à paisana



 
  Galegas em Aveiro



 
  caminho das flores



 
  na pressa de florescer




na ânsia das flores
não esperar as folhas

que é senão cio vegetal?

 
  na pressa de florescer



 
  Rosalia de Castro



Quem disse que não queremos ser galegos?
A bandeira destes gaiteiros e rufadores era Rosalia de Castro. Não é a nossa?

Rosalia de Castro cantou os gaiteiros galegos. Se cantou!
Transcrevo os últimos dos 110 versos de "A Gaita Galega"
(...)
E quando a gaita galega
ali nas Castelas oiças,
ao teu coração pergunta;
e ele te dirá em resposta:
que a gaita galega
não canta, que chora.

 
20.3.05
  Sete pecados capitais
A 12 de Março, O Expresso publica "A motivação e a autoconfiança" de Nuno Crato. O autor refere as conclusões de vários estudos que supostamente confirmam as suas opiniões e condena os erros pedagógicos que dominaram as decisões políticas desde há vários anos. Devo confessar que, em geral, estou de acordo com as teses óbvias e cheias de senso comum de Nuno Crato. A auto-estima e a motivação são muito menos importantes para aprender matemática do que o sentido de responsabilidade, por exemplo. E é evidente que ninguém estará em desacordo com uma frase como "Um estudo mostra que a preparação académica é um factor decisivo para o sucesso".

Hoje, a 20 de Março, o Público publica "Sete Pecados Capitais" de António Barreto, que já se refere às políticas gerais da educação e ao programa do governo. E devo confessar que quase me sinto tentado a estar de acordo com tudo o que ele diz, na esperança de haver razão que possa retirar-nos da situação em que nos encontramos.

Sempre com a sensação estranha de ver diminuídos (como atiradores a soldo, especialistas em emboscadas ou similares) estes comentadores, professores do ensino superior, que dominam em larga medida o espaço da opinião pública e sem capacidade para mudar o clima superior em que vivem. Algumas das críticas de António Barreto ganhariam em ser dirigidas ao ensino superior. Será que estou a dizer que erram o alvo? Não. Estou a dizer que lhes falta qualquer coisa e que isso pode ser a autoridade moral. [Alguns dos comentadores da praça e dos mais moralistas - não me estou a referir aos dois aqui citados - podem dar-se ao luxo medieval de não cumprirem quaisquer prazos nos limites da indecência para formar júris, prejudicando mestrandos que se arrastam anos à espera de uma aberta...]
Ora leiam lá e digam-me porque é que o sistema educativo dos oportunistas começa no básico e vai até ao secundário? Uma boa parte dos pecados referidos não atingem um nível superior nas universidades?



Vale a pena recordar, sumariamente, os principais erros da educação portuguesa. Aqueles que têm sido, ano após ano, década após década, cometidos por quase todos os governantes, repetidos por todos os governos e confirmados pelos partidos que até agora se ocuparam da questão

Em vésperas da aprovação do programa de governo e da entrada em funções dos novos ministros, ocorre pensar que em todo o recomeço há uma oportunidade única: a de corrigir erros atávicos e iniciar vida nova. Sei que esta é uma ilusão: nunca se começa verdadeiramente na estaca zero. O mito da vida nova, das manhãs límpidas e virginais, é sonho adolescente ou totalitário. O peso do que está e a inércia do que vem de trás são tais que é sempre necessário "negociar" com o real. É nesse "negócio" que tudo se ganha e tudo se perde. Os novos ministros da educação e das universidades têm a capacidade escolher se querem, ou não, ser vencidos pelo real.
Por isso vale a pena recordar, sumariamente, os principais erros da educação portuguesa. Aqueles que têm sido, ano após ano, década após década, cometidos por quase todos os governantes, repetidos por todos os governos e confirmados pelos partidos que até agora se ocuparam da questão.

DINHEIRO. A crença nesta falácia maior: mais dinheiro traz mais educação. Após três décadas de crescimento constante da despesa pública e privada com a educação, os resultados são confrangedores. Apesar de todos os ardis administrativos ensaiados, as taxas de insucesso e de abandono continuam altíssimas. Comparados com os de outros países, os resultados escolares são desoladores. A preparação técnica e cultural dos estudantes que terminam o secundário é insuficiente. Deve ser o sector da vida portuguesa onde mais se desperdiça e pior se gasta.

PROFESSORES. A convicção de que para educar mais e melhor são precisos mais professores. A tal ponto que Portugal pode gabar-se de ter um dos mais baixos números de alunos por professor. Situação que é agravada pelo facto de existirem milhares de professores destacados, requisitados e sem aulas. Assiste-se, aliás a um fenómeno curioso: havendo, por imperativos demográficos, cada vez menos estudantes, há cada vez mais professores. É possível que haja muitos milhares de professores a mais. A recusa, que os professores exprimem com veemência, de ver os pais participar na gestão da escola ou de deixar as autarquias envolverem-se activamente na educação, é obra cimeira da sua fortaleza de privilégios. O repúdio pelos gestores profissionais, aceite pelos políticos do ministério, é a expressão singela do seu poder.

CENTRALIZAÇÃO. A arrogância burocrática e estatal, acompanhada pela estratégia dos sindicatos de professores, faz com que o Ministério da Educação (e do Ensino Superior) tenha o desplante de querer administrar, a partir de Lisboa, 12.000 escolas, mais de 200.000 professores e mais de milhão e meio de alunos. A desumanização das escolas não podia ser melhor servida. A ineficiência é outro produto deste dogma. Como se vê com o concurso anual de colocação de professores. Da centralização, resulta ainda a uniformização, erro maior. É a certeza vigente de que o sistema educativo deve ser totalmente integrado, a fim de impor gestão e procedimentos únicos. Este modelo, supostamente destinado a combater as desigualdades sociais, é o mais forte incentivo à mediocridade. Na melhor das hipóteses, à mediania. Também provoca a degradação do ensino público e a fuga das classes médias para o privado.

MODAS. A adesão entusiasta a todas as modas que, sucessivamente, se vão criando para a pedagogia, a organização curricular, a gestão escolar, a avaliação e a elaboração de programas. Aquilo a que se chama em Portugal o "facilitismo" é a coroa de glória destas modas: estudar deve ser um prazer; nunca se deve chumbar; os exames são fonte de "stress"; os professores e os estudantes são iguais em responsabilidades, direitos e deveres; os "saberes" e as "competências" são mais importantes do que os conhecimentos e o treino; a cultura geral e os clássicos, numa palavra, a educação "livresca", são privilégios das classes favorecidas. São disparates feitos políticas.

SISTEMA FECHADO. O sistema educativo e as escolas estão organizados de modo a proteger as instituições da sociedade. Isto é, a evitar o controlo social, a interferência dos pais, o interesse das empresas, o empenho dos profissionais e suas organizações e a responsabilidade das autarquias. Assim, ninguém presta contas a ninguém. Ninguém é responsável perante ninguém. Ou antes, os professores são responsáveis diante deles próprios. O quartel-general deste sistema reside no ministério, onde "especialistas", burocratas, professores destacados e delegados sindicais governam de facto.

INSTABILIDADE. Perante a indiferença das autarquias e o silêncio dos pais, a aceitação, pelo ministério, da instabilidade docente nas escolas é uma das principais causas do desastre pedagógico e educativo em que vivemos. Resulta directamente da gestão centralizada, da uniformização do sistema e da cumplicidade dos sindicatos que não querem que as escolas sejam da responsabilidade das autarquias. Apesar das lágrimas de crocodilo dos seus dirigentes, a instabilidade, o concurso nacional de professores e a gestão centralizada são armas com as quais os sindicatos forjam o seu poder e mantém os professores na sua dependência.

A GESTÃO DEMOCRÁTICA. Aquilo a que em Portugal se chama gestão democrática é tudo menos democrática. A ser alguma coisa, é demagógica e corporativa. Mas desconfia-se que também não seja bem gestão. Será qualquer coisa como autogestão docente, com o apoio do ministério e dos sindicatos, o que equivale a dizer em circuito fechado. A recusa, feita em nome da democracia, do "director de escola", é o mais pernicioso dogma da demagogia educativa reinante. A gestão democrática das escolas é o princípio fundador da irresponsabilidade dos professores perante a comunidade.

A estes sérios vícios, dever-se-á acrescentar a demagogia, usada por quase todos os protagonistas. Pelos políticos, que sistematicamente transformam a educação em prioridade (o que já é do ponto de vista orçamental) e se limitam a seguir os burocratas, os "especialistas" e os sindicatos. Pelos sindicatos, que reclamam mais professores, mais vencimentos e mais privilégios. Pelos professores que se fazem eleger pelos seus pares e não prestam contas a mais ninguém. Pelos universitários eleitos pelos estudantes e pelos funcionários. Por todos estes acima referidos que não cessam de afirmar que querem ver as comunidades, as profissões e os pais interessados na educação, mas que tudo fazem para os afastar das escolas e lhes retirar qualquer capacidade de envolvimento.
Resta acrescentar que estes pecados não se combatem com a virtude. Muito menos com a repressão escolar. Combatem-se, isso sim, com a liberdade. Com a diversidade. E com a responsabilidade.

 
  a passadeira vertical



Por onde passo ri a rua e levanta-se para voar
Também se iça a passadeira alta nos meus receios

De olhos baixos todos os dias lendo nas pedras do mesmo passeio
Dou voltas inteiras ao mundo nem sei se sempre a sonhar

 
  flor de ferro



olho para o jardim de uma escola interior
e não vejo mais que esta flor de ferro

 
17.3.05
  Chuva na eira e no nabal
No meio de uma grande seca, estamos a mudar de governo. A coisa boa da coisa é não estarmos presos de milhares de boatos sobre pequena política e pequenos políticos. Sócrates tem-nos livrado do diz que disse. Só por nos ter livrado da visão daquele beija mão eterno e maluco da tomada de posse lhe estou grato.
No mesmo dia em que Sócrates tomou posse do cargo de Primeiro Ministro, Santana recuperou a posse do cargo de Presidente da Câmara de Lisboa. O mais fantástico é que para este regresso à Câmara, Santana Lopes conseguiu manter uma discrição de fazer inveja. Dias inteiros sem badalar a sua viagem de volta à Câmara! Deus meu, o mundo está virado do avesso.
Não lamento a falta de notícias diárias sobre o que vai ser a política de educação do governo. É interessante esperar por notícias certas e decisões que se possam discutir. E, quando for tempo disso, concordar e discordar, discutir ou até lutar contra. Até lá, podemos divulgar quais são as nossas opiniões para que elas possam ser contrastadas com as decisões do governo quando elas forem públicas.
Pelo meu lado, depois de ter levantado muitas dúvidas sobre o interesse de decisões apressadas tomadas por David Justino sobre as reformas propostas pelos governos de António Guterres fico agora dividido a respeito do que se pode fazer perante os remendos de leis de David Justino que ainda mal entraram em vigor. Não estou a ver forma de evitar imediatas alterações a parte do quadro legal. Nem estou a ver muitas possibilidades de manter nos cargos alguns nomeados da coligação PSD/PP para funções nas direcções-gerais e regionais, ou sequer manter os cargos que já nem fazem parte da orgânica do Ministério. E o mais natural é que Aveiro venha a perder o seu lugar de capital do estado da educação que tanto prestígio trouxe para alguns e tão disparatada coisa foi para outros, sendo certo que foi nada.
O que mais me preocupa no imediato? Coisa pouca. A alteração no ensino secundário de adultos está no início do processo e mais nos valera que se parasse com a mudança em curso. Será possível? Pode remediar-se?
Será que o novo governo pode reparar no desacerto existente entre os programas escritos para a revisão curricular e as decisões políticas de David Justino? Será que pode reparar o desacerto?
Que espero eu? Chuva na eira e no nabal.


[o aveiro;17/03/2005]
 
15.3.05
  virei-me para trás e disse
A noite divide-se em ruas
como a manhã e a tarde

por onde vão passo a passo as horas.


E há instantes em que acontece
visitar-te ou até desaparecer

feito esquina que em teu tempo arrefece
ou gutural canto sem palavras por dizer.
 
14.3.05
  Perguntam-me por Babe
E eu transcrevo

Situada a 800 metros de altitude, a leste de Bragança, constitui a porta de entrada do planalto de Lombada. No século XVIII ainda eram visiveis os restos da antiga igreja de S. Pedro, localizada perto de Castrogosa a sul. Por este mesmo local e a sul o castro da Sapeira, passava a estrada romana que de Braga se dirigia a Astorga. algumas estelas funerárias e um marco milenário documentam a romanização desta aldeia. Tem uma capela dedicado a S. Sebastião e outra que foi recuperada em 1991, dedicada a S. José. Babe ficou célebre pelo tratado de Babe, realizado em 26 de Março de 1387, entre D. João I e o Duque de Lencastre. (...)

da página da Freguesia de Babe . Pode ler tudo o que sempre quis ou não quis saber sobre Babe. E pode depois ir visitar Babe, para saborear a distância entre ler e ver.
 
11.3.05
  mais uma porta de Babe



Fotografia de José Carlos Soares

 
  desenho, logo existe


 
  desenho, logo existe


 
  desenho, logo existe


 
  desenho, logo existe


 
  a porta 47 de Babe



Fotografia de José Carlos Soares

 
10.3.05
  desenho, logo existe


 
9.3.05
  desenho, logo existe


 
  desenho, logo existe



Nas sessões públicas, a assistência pode desenhar a assistência.
Publico pedaços dos desenhos da Biblioteca Municipal de 5 de Março.

 
  a porta cega


Foi em Babe que o novel João I de Portugal recebeu a esposa, Filipa de Lencastre, vinda das longínquas terras dos Anglos. Está na igreja da aldeia, a anunciar o evento, uma lápide. Fiquei espantado com a revelação, na tarde de 25.XII, quando a Babe me desloquei para assistir a algo da anunciada "Festa dos Rapazes". Não podendo afinal assistir ao ainda almoço da rapaziada na Casa do Povo - o que me desagradou nessa espécie de ritual de sociedade secreta - vagueei pela aldeia a deliciar-me com as formas e as cores das velhas casas, sobretudo de suas portas. Como, pelo teu blogue, reparei que também às portas dás atenção, aí vão algumas. A uma, que é mais janela, até lhe chamaria a "porta cega" barrada que foi das pedras da casa.

José Carlos Soares

 
8.3.05
  Ao fim da tarde
Ao fim da tarde do dia 8 de Março, o Presidente da República condecorou 30 mulheres que, em seu entender, se destacaram por altos serviços prestados à República. Ao fim da tarde, o Presidente da República chamou a atenção para as práticas discriminatórias no desempenho de funções e no emprego de um modo geral. Ao fim da tarde, lembramos as raínhas portuguesas verdadeiras e as consortes que tivemos e lamentamos que a república só possa apresentar primeiras damas consortes de presidentes.
Ao fim da tarde, sabemos que foi morto o chefe dos terroristas que tomaram de assalto o teatro de Moscovo ou uma escola em Beslan e fizeram reféns e vítimas de milhares de inocentes, tanto às mãos dos terroristas tchetchenos como dos terroristas russos. Ao fim da tarde, sabemos que ainda se atiram para as lixeiras os restos das infantis vítimas, cujos restos mortais ainda nem todos foram identificados.
Ao fim da tarde, sabemos que foram resgatadas centenas de crianças africanas que tinham sido raptadas para irem engrossar redes de escravatura, seja ela a prostituição, dos rituais de morte, de carne para canhão de alguma guerra a travar, de exploração da força de trabalho.
Ao fim da tarde, sabemos que nem o governo italiano acredita na versão americana de acidente mortal para o agente secreto italiano no caminho da libertação da jornalista italiana que tinha sido raptada no Iraque.
Ao fim da tarde, sabemos que em Madrid se reúnem ?notabilíssimos? especialistas, técnicos, académicos e políticos que contribuirão para compreender e combater o fenómeno do terror.Ao fim da tarde, em Madrid, ouvimos falar do 11 de Março do terror - esse dia sem heróis ou em que as surpreendidas vítimas são os heróis que não queriam ser heróis.
Ao fim da tarde deste dia ainda não tomaram posse das suas pastas as duas e só duas mulheres do futuro governo.
Ao fim da tarde dá-me uma vontade louca de ir aos últimos Diários da República alegrar-me. Eu sei que os Diários da República destes dias estão cheios de louvores a motoristas, secretárias, chefes de gabinete, estafetas, assessores, etc. Magníficos funcionários públicos! E para me rir, com vontade de chorar, ver as listas de nomeações para pequenos grandes lugares de todos os fiéis deste governo defunto. Quem me dera que nada disto seja verdade!
Ao fim da tarde, olho aterrorizado para o que acabo de escrever.


[o aveiro; 10/03/2005]
 
5.3.05
  quarto de aluguer

A fotografia foi tirada em Fevereiro e é muito seca. Se tivesse sido tirada em Fevereiro de 2004 era a mesma toda em tons de verde.
Será verde se for tirada outra no mesmo lugar, entre montanhas, em Fevereiro de 2006?

Ao passar pela aldeia, da estrada vi um anúncio de quarto de aluguer. Fui tirar esta fotografia, pela estrada do outro lado. A janela do quarto dá para um abismo tentador.
 
1.3.05
  desnorte e vergonha
1. Há quem jure a pés juntos que não há lugar algum que dê pelo nome de Agras do Norte. Há quem diga que o lugar existe, mas ir até lá é como ir ao outro lado do mundo, passando por baixo da linha ou procurando seguir os caminhos mais estreitos ao longo das linhas de ferro. Há mesmo quem pense que o melhor é não ir lá e que olhar por cima e para nascente dos últimos palheiros e outras ruínas ao fundo do Canal de S. Roque é o bastante para captar o espírito do lugar.
Agras do Norte é nome de lugar da autarquia com terrenos para construção, todos sem serventia de rua ou caminho. Quando se trata de adiar uma autorização do projecto de que já se lançou a primeira pedra, aparece Agras do Norte desvelado da sua bruma e pleno de sortilégio.
Finalmente Agras do Norte aparece ligada por uma magnífica parcela de uma montanha russa. Se tivessem esperado pela inauguração da Feira de Março e o seu parque de diversões fosse ali montado nos terrenos em volta daquela magnífica rotunda de Esgueira, Agras do Norte sairia definitivamente do seu isolamento para se apresentar como o lugar das experiências de radicais rodoviadutas sobre as ferrovias renovadas, embora pouco.
As televisões anteciparam a inauguração da montanha russa de Agras do Norte e não a deixaram diluir na Feira de Março. O Presidente da Câmara deu a cara para, assumindo metade do erro, logo o desvalorizar. Não há desculpa possível para os departamentos técnicos e de fiscalização da Refer e da Câmara que planearam e permitiram até ao fim a construção da coisa para que fosse vista em todo o seu esplendor.

2. Eu ando sempre atrasado e cheio de remorsos por tantos atrasos. À medida que me vou atrasando em alguns compromissos e muitos deles com prazos marcados por mim para mim, vou perdendo o pio e cada vez se torna mais difícil criticar os que se atrasam. A nossa Câmara acusou a CCDRC de atrasar o Plano de Urbanização da cidade por esta comissão ainda não ter emitido o parecer que já devia ter saído há 10 meses. Ficamos por aqui a achar muito bem que a Câmara critique os atrasos. Vale a pena perguntar se a Câmara sabe quantos dos seus despachos, assinaturas, pagamentos, ... estão com mais de 10 meses de atraso.

3. Se perdemos o norte, perdemos a vergonha.



[o aveiro; 3/3/2005]
 

o lado direito




(...) o homem que não dorme pensa: «o melhor é voltar-me para o lado esquerdo e assim, deslocando todo o peso do sangue sobre a metade mais gasta do meu corpo, esmagar o coração».
Carlos de Oliveira
Google

o lado esquerdo
World Wide Web

LIGAÇÕES


escreva-me que bem preciso.


bloGeometria
infinitamente Pequeno
mesura
desenha
combate pela Geometria

homem à janela


ARQUIVOS
Maio 2003 Junho 2003 Julho 2003 Agosto 2003 Setembro 2003 Outubro 2003 Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

Site Meter
Powered by Blogger


sob licença
Licencia de Creative Commons