>
26.6.07
  Praça de peixe
Outros poderão vender. Mas eu dou mesmo, dou de barato a verdade de quase todos os governos das autarquias portuguesas estarem em grande sofrimento. E eu, pequeno contribuinte, com eles sofro quando a dor deles é pontada de desgosto pela herança de dívidas acumuladas. A dor da dívida inicial curou-se com pêlo do mesmo cão: quanto maior o montante em dívida, maior a capacidade de endividamento! Até um certo nível. Acima dele, os cães invadem a rua. No espaço social exterior ao canil das dívidas do município, as vítimas dos cães e os cães uivam.

Ainda a procissão ia no adro, e aparecia em cena uma especialização em controle de cães e afins a que chamaram engenharia financeira para as primeiras perseguições e reengenharia financeira para as fintas à realidade. Não sei em que faculdade se formavam estes engenheiros nem sei que refaculdades especiais são exigidas aos reengenheiros. Nem sei se há ordem para estes casos e muito menos ouvi falar em qualquer reordem. Dou de barato que há por aí uma dor em redor da banca branca.

Dar de barato para a dor é uma coisa.

Engolir tudo o que nos dizem para esquecer a dor é outra. Já cheiravam a peixe podre as notas explicativas para a obra de encerramento da praça do peixe fresco. Como justificar que não há notícia a chamar à responsabilidade os técnicos suspeitos de terem cometido os erros de que fala o encerrador? Pior fedor tem a notícia de que, com apoio em técnicos certamente e tendo 9 talhos disponíveis no novo Mercado, a anterior câmara prometeu um talho a cada um de 13 talhantes. A verdade mente? Seja o que for que tenha acontecido ou tenha sido dito, o que está a ser dito agora é uma baforada de mau cheiro vinda de lá, desse lugar que começa a ser incapaz para um mínimo de decoro.
Há quem pense que os políticos podem usar de alguns descuidos na linguagem e que isso é normal na luta política. Chamam-lhes peixeiradas para ofender as peixeiras. Eu preciso de acreditar no que me dizem os responsáveis para formar opinião, estar de acordo ou em desacordo. Também não dou de barato enxovalhos aos técnicos da autarquia.
Não faço ouvidos de mercador. Disparates risíveis presos do lado de fora das minhas orelhas não fazem de mim louco, nem tão pouco mouco. Fazem de mim.


[o aveiro; 28/06/2007]
 
23.6.07
  porque hoje é sábado
Quando a noite chegou, fumei um dos charutos da herança de Estrela Rego. A varanda enche-se de sinais de fumo. Que partam com o ar que passa! Não lembro o que leio, não lembro o que ouço nem o que vejo. Deixo que a noite tome conta de tudo. Embrulho-me nela e deixo-me ficar escondido, embrulhado numa dobra de tempo feita por uma ausência de luz.
 
19.6.07
  16
Era uma vez uma palavra que estava sentada à porta de casa quando passou um rato. Bela palavra diz o rato. Como ia com mutia pressa deu-lhe umas dentadas e engoliu-a. Mal. A palavra ficou-lhe atravessada na garganta. Então os dentes começaram-lhe a crescer para dentro.

[Ana Hatherly. 463 tisanas. Quimera.]
 
  a praça do peixe
Temos para nós que as mães querem o melhor para os filhos. De um modo geral, queremos dizer com isso que as mães tudo fazem para que os seus filhos tenham acesso a mais conhecimento do mundo até que nada de essencial lhes falte e lhes seja mais leve a sua quota de criação. Ao mesmo tempo, cada mãe espera que os seus filhos transportem para o futuro a sua melhor memória, uma história de portadora dedicada e solidária de esperança na sua contribuição infinitesimal para um mundo mais fraterno. As mães sabem que entregam os seus filhos ao mundo que, já não sendo o mundo tal qual era o seu, é um mundo cheio dos sinais que elas reconhecem e integram a identidade do seu filho, a contribuição única que ele é para a riqueza colectiva - a diversidade como colecção e mistura das contribuições. Nenhuma mãe quer desaparecer da memória cultural do seu lugar e isso significa ideias, cultura, juízo, produtos agrícolas e industriais, trocas comerciais, etc... enfim, valores.

Que engano de mãe abençoa a mão do filho que apaga todos os puros sinais do seu tempo?

Nos nossos lugares, estamos sempre a procurar os sinais que acrescentamos. O nosso futuro tem um passado e um presente que é escolha do que interessa e rejeição do que não interessa ao futuro. Globalmente e localmente. A sobrevivência depende da diversidade em que nos reconhecem pelas diferenças. E isso obriga-nos a avivar os nossos sinais, a não nos disfarçarmos noutra identidade. Os eleitos locais devem ajudar a localizar os seus eleitores na sua história, no seu tempo, no seu lugar. Cidadãos do mundo, queremos saber qual a nossa contribuição exclusiva, ao mesmo tempo que queremos conhecer e saborear as contribuições dos outros. O comércio global pode e quer vender-nos tudo. Os eleitos locais não precisam de aprofundar essa globalização, precisam de preservar os nossos produtos e a memória do que fazemos e, talvez, ajudar à sua inclusão nas listas de vendas do mercado global.


A que cheira uma Praça do Peixe? A alguns dos nossos eleitos, a praça do peixe já só cheira a cerveja.


[o aveiro; 21/06/2007]
 
13.6.07
  213
Era uma vez uma sala de espera. Havia várias pessoas que esperavam, mas calmamente. Porém, a certa altura começou a nascer a impaciência. A sala diminuíu imediatamente de tamanho.

[Ana Hatherly. 463 tisanas. Quimera.]
 
12.6.07
  A terra dos ...
No último ano, um Ministro andou a cantar aos quatro ventos que iria haver um aeroporto ali para os lados de Alenquer. Disseram-se coisas sobre interesses escuros, obscuros e claros relacionados com essa decisão política. Anda-se nisso há quantos anos?

Mudanças de interesses e de parceiros e o que era uma decisão política certa passou a sofrer da doença de moratória. Por iniciativa da indústria, acolitando a Presidência que ajudaram a eleger, acendeu-se uma nova luz e decidiu-se uma alternativa em Alcochete, ou melhor, numa pequena arena montada mesmo ali em plena Assembleia. Olé! - grita o inteligente.

Na apresentação da alternativa de Alcochete lá estava o autarca da nova opção aeroportiana a defender o desenvolvimento para Alcochete deixar de ser Alcochete.

No dia seguinte à declaração de que o governo iria prosseguir os estudos, os autarcas otários vieram reclamar de tal decisão por já se terem comprometido com investimentos na ordem da cruz de milhões. Hotéis, hospital, e, como jóia da coroa de todos os investimentos, um santuário. Já tudo me tinha passado pela cabeça, até voos rasantes de aviões ansiosos por oterrar, menos um santuário à maneira. Há tanta coisa para fazer quando o céu nos aterra no quintal!

Desde que anda o aeroporto no ar, nasce uma novidade em cada dia. Um dia ficamos a saber de quantos quilómetros de deserto se faz uma alternativa de sul, noutro quantos quilómetros cúbicos de terra temos de movimentar se formos otários, no seguinte quantos quilómetros por hora pode atingir o tgv para dar o passo que separa Alcochete do oriente, ou quantos minutos mede um metro entre Lisboa e a Ota. Os planos mais arrojados já falam da Lisboa que chega a Ota, de Lisbota. Alen...quer até ser Lisboa.

Já Alcochete arma todos os campinos. De varas afiadas apontadas ao céu de Alenquer, os campinos têm batido todos os recordes de lançamento de dardo e de salto à vara no assalto aos céus. De campinos a campeões é um passo.

Nada de parar, devemos procurar novas oportunidades e alternativas. Portugal só tem a ganhar em ter mais estudos - é o que dizem os estudos. E há exemplos a seguir.


[o aveiro; 14/06/2007]
 
10.6.07
  asas para que vos quero?
Deixei de acreditar em asas para voar.


Casei-me para ter uma viúva capaz
de me ver voar sem asas como labareda no forno
ou como voa o fumo quando sai da chaminé
ou como voa a cinza no cume da liberdade

de um monte ventoso ou à porta de casa
em certos dias de cabeça perdida, de vento irrequieto
a desmanchar perucas, a levantar saias e a despedir
chapéus para as retretes públicas dos cães.

Outros animais de estimação, como eu, sem asas,
e até as crianças deixaram de poder brincar
nos ex-jardins públicos, privadas a céu aberto


Mas mesmo sabendo eu que o fumo da minha carne
e a cinza dos meus ossos podem cair num monte de caca
a minha esperança de voar sem asas permanece intacta.
 
  a perspectiva
 
  a escola em volta

O verdejante ramo por terra também é a vida que precisamos de ver.
 
  a escola em volta

Aqui moraram por tantos anos as tílias que cresceram abraçadas até naão caberem no abraço humano e se perderam em ameaças de força imensa à pequena oficina de artes que dá vida à esquina. Sobraram as ameixas.
 
  a escola em volta
 
  a escola

José Estêvão devia gostar de saber que é o seu patrono. Eu gosto.
 
  olhar para a escola

Longe de mim pensar que trabalho num lugar sem luz e sem sombra.
Longe de mim pensar em não ver a beleza que rodeia os meus dias.
 
9.6.07
  se a memória não me falha
O título da notícia diz qualquer coisa como "penedos quer estado fora das eléctricas". Se isso tivesse sido reivindicado há uns anos e posto em prática, o que é que "penedos" teria a ver com as eléctricas hoje?
 
8.6.07
  um postal também pode mudar

a arte postal combinada com outras artes pode dar-nos conta das mudanças nas línguas bífidas entre duas reuniões.
só o código de barras ficou incólume.
de qualquer modo, já descobri a quem enviar o postal antes que se torne numa mancha castanha.
só me resta encontrar o endereço postal - rua, nº de porta, código postal - do jaime.
 
7.6.07
  raramente
raremente escrevo sobre algum assunto que deseperte o interesse de muita gente nem o interesse de pouca gente que seja importante nem sirva para alimentar algum diz que disse que valha a pena seguir nos dias imediatos a ter sido escrito.
também raramente escrevo sobre os assuntos importantes ou ajudo à discussão de assuntos importantes com as frases importantes para a circunstância dos assuntos importantes e fico sempre nas margens da importância.
de facto, eu gostava de ser o verso em branco de uma página com uma linha que me tivesse marcado e a mais ninguém até eu ficar convertido a ser a página seguinte do verso irrepetível mas desconhecido por todos os anos do resto da minha vida.
raramente penso na minha vida como a página em branco que ela é para continuar a ser uma oportunidade perdida por mim e por ter escolhido uma forma simples de ser feliz não sendo coisa alguma mais que olhos capazes de ver o invisível ar quando ele passa por perto e se ri com aquelas gargalhadas que nem eu ouço.
 
6.6.07
  postal

De há uns tempos a esta parte, os postais dos correios têm código de barras na página da escrita ou de desenho. Ainda não me habituei.
 
5.6.07
  Crítica da razão vazia
A avaliação de um ou outro programa de acção e de uma dada situação sectorial ou do desempenho global de uma dada classe ou sector trazem para a ribalta alguns especialistas. Como autores de estudos que (cor)respondem a encomendas de entidades e organizações é que os cientistas sociais são apresentados à generalidade dos cidadãos. Para apoiar alguma decisão controversa é que se realizam estudos. Para as encomendas, estes especialistas escolhem um quadro de referência, indicadores de resultado e de impacto, etc, e, como é óbvio, raramente chegam a conclusões diferentes daquelas que interessam às entidades que pagam o estudo. Estes trabalhos científicos de encomenda feitos com e sem a necessária seriedade têm um efeito devastador sobre a credibilidade do trabalho científico, lançando a suspeição sobre tudo o que seja ciência como método de apoio à decisão social, económica e política. Estes cientistas sociais estão a conformar o discurso político, impregnando-o de terminologia científica desnecessária que oculta retrocessos para a consideração da individualidade humana, de tal modo que ao analisar fenómenos como o desemprego fazem desaparecer cada pessoa concreta até ela ser uma unidade estatística ou um dano colateral de alguma guerra decretada pelo mercado livre.

Para gerir escolas (ou hospitais), para decidir e avaliar programas de acção escolar e até a acção dos professores, encontram-se pessoas que não têm qualquer experiência das escolas ou do ensino da disciplina que vão gerir ou avaliar. Estas não têm que saber coisa alguma sobre contexto e conteúdo em concreto, porque tudo sabem sobre teorias e práticas de gestão, técnicas de análise de conteúdo e de estudo de casos, etc. Equilibram-se numa corda esticada sobre o abismo de um aterro de palavras.

Trocam as pessoas por miúdos, pelas palavras que enchem os relatórios. E, na sua infinita ignorância citacionista, defendem como única síntese possível, a sua leitura vazia de experiência e de conhecimento, a leitura interessante para o dono da encomenda. E são a voz do dono.

Nota-se demais quando algum deles muda de dono. Os estudos estão publicados para nunca serem lidos por pessoas.


[o aveiro; 08/06/2007]
 
4.6.07
  dentada
 
2.6.07
  decepado
se procuro outros braços que me abracem
 
  os ciúmes
Abandonadas por seus amantes, duas mulheres almoçam sandes, num banco do jardim público. A solidão era tão forte que pensam viver juntas. A que primeiro oferecera a sua casa, ao preparar-se para dormir, sentiu a outra tão atraente que desejou fazê-la adormecer no lado do leito que, habitualmente, ocupava, tomando para si o lado do homem que amava. E ao perceber que olhava para a sua amiga como ele a teria olhado, sofreu com os ciúmes.


Tonino Guerra.
 
1.6.07
  a arte de voar
como desenhar fronteiras
entre dois mundos?

planto laranjeiras
carregadas de frutos e de ninhos
carregados de aves prontas a voar

entre mim e ti e em ti
voam ligeiras as minhas mãos

fáceis alvos para atiradores furtivos
de primeira linha

de fronteira
 
  a arte de voar
Nos ombros da mulher de pedra e pranto
repousam os cabelos da árvore caída

e enquanto a ave de granito
de asas partidas
ensaia o voo de um grito,

da minha mão levanta voo a pedra.
 
  a arte de voar
Filtro os sons da água e a água
e mergulho uma folha rabiscada
para que se dissolva a sagrada
escritura da minha mágoa

e a tinta forme então a pomba
que bate as asas e desenha um voo
como um risco branco contra o céu.
 

o lado direito




(...) o homem que não dorme pensa: «o melhor é voltar-me para o lado esquerdo e assim, deslocando todo o peso do sangue sobre a metade mais gasta do meu corpo, esmagar o coração».
Carlos de Oliveira
Google

o lado esquerdo
World Wide Web

LIGAÇÕES


escreva-me que bem preciso.


bloGeometria
infinitamente Pequeno
mesura
desenha
combate pela Geometria

homem à janela


ARQUIVOS
Maio 2003 Junho 2003 Julho 2003 Agosto 2003 Setembro 2003 Outubro 2003 Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

Site Meter
Powered by Blogger


sob licença
Licencia de Creative Commons