>
29.4.09
  desenho, logo existe
 
28.4.09
  a voz cansada
O Pedro telefonou-me hoje, dia 27 de Abril, ao princípio da tarde. Raramente falamos ao telefone e muito mais raramente me encontrei com o Pedro, embora escreva quase todas as semanas ao Pedro. Uma mensagem sem abraços nem cumprimentos, em cumprimento de uma promessa. Nenhuma obrigação de parte a parte, nenhum deve e haver. De mim, ele não esperava mais que uma crónica livre e pessoal para “o aveiro”. Nos últimos anos, a minha correspondência mais regular foi esta com a imprensa local que, de certa forma, foi a correspondência com o Pedro.

O Pedro telefonou-me hoje ao princípio da tarde e pediu-me que antecipasse a nossa carta semanal, a última carta para “o aveiro”. E eu escrevo. A pensar que devia ter conhecido melhor o Pedro de “o aveiro” e também o próprio “o aveiro”, escrevo a última carta, aquela em que alinho despedidas mais ou menos tontas enquanto declaro o apreço por todos quantos mantêm viva a imprensa regional e local e um particular apreço pelo finca-pé posto no respeito mútuo, na independência, na lealdade e na liberdade.

Reconheço que muitas vezes não dei o devido valor ao acto apressado de escrever o compromisso ou comprometimento semanal assumido sem qualquer comprometimento ou compromisso ou obrigação. E isso manda que eu peça desculpa por tudo o que não fui ou por não ter sido o que de mim esperavam se é que alguém esperava alguma coisa de mim. A minha liberdade andou a passear por aqui como se “o aveiro” fosse a rua da minha liberdade. Com melancolia, dou agora por isso. Nunca é tarde para reconhecer.

Amanhã, fecha-se a última edição de “o aveiro”. A 30 de Abril, os leitores lerão a despedida e saberão que agradeço a todos a paciência de tentarem entender as minhas hesitações. Saberão que lamento a tristeza do meu pessimismo a contrastar demasiado com o meu optimismo militante e a alegria que, à minha volta, rodopia o tempo todo.

Aos trabalhadores e leitores de “o aveiro” peço que aceitem um abraço solidário. Raramente, muito raramente me telefona o Pedro Farias. Muito menos à segunda. Em resposta, a voz cansada murmura: Abril em Aveiro, para sempre.



[o aveiro;30/04/2009]
 
26.4.09
  desenho, logo existem


26 de Abril
 
23.4.09
  um dia daqueles
Todos os dias olho um pouco para a frente - uns minutos de futuro que logo logo se tornam em passado - olhando para trás. Nunca saberei se o sentimento de mim no passado envolve o que chamam a saudade de outros tempos. Sei que há uma dose de melancolia que não inclui culpa ou arrependimento. De certo modo, para mim mesmo construí um estatuto de pequeno nada, um estatuto de partícula de memória com registos das circunstâncias e dos movimentos entre elas. Um entre outros, uma partícula entre outras - acções e reacções, instantes feitos de eternidade, um ou outro dia a ser o tamanho da vida inteira. Os meus olhos perdem-se de espanto perante um dia como o 25 de Abril de 1974. Apesar de não guardar senão uma memória de farrapos de evidências de uma desorganizada fila de espera de orelhas aptas a ouvir um grito do tipo: dispersaaaaaar ap!

Há quem aponte a bondade e a segurança do passado contrapondo a maldade e a insegurança do presente e do futuro, sem memória de ter feito o mesmo todos os dias da sua vida. Há quem aponte o aumento do custo de vida e se lembre do que podia comprar com cinco tostões ou com o escudo guardado em cofres de memória, ainda há quem fale em fortunas de vinte mil reis num tempo em que a unidade monetária é mais ou menos tanto como duzentos mil reis. E há quem compare os números da corrupção de hoje com os números da corrupção do tempo da outra senhora que nunca dava a conhecer os números e muito menos deixava discuti-los na praça pública. E todos os dias me pedem que fale dos últimos 35 anos no que valeu a pena, apontando-me todos os erros de toda a gente como sendo os erros do 25 de Abril e este dia brilhante dia de 1974 como o primeiro dia de todos os erros até ao erro de termos chegado aqui.

Resuma, resuma. Diga numa palavra, vá lá. E eu fico tentado a resumir tudo na palavra democracia que nos permite escolher a forma e a composição do poder, da soberania e dos seus órgãos. E eu fico tentado a pensar na palavra paz e na palavra independência que tantas vezes escrevi nas paredes do meu país. Mas não a digo.

Porque é a liberdade que é tudo. Mesmo quando parece nada, a liberdade é tudo o que é preciso para que cada um seja parte inteira do todo. Uma palavra, um só grito: Liberdade! A liberdade de Abril? A liberdade de todos os dias. A liberdade.

[o aveiro; 24/04/2009]
 
15.4.09
  a democracia do negócio
Pelo meu lado, todos os actos da administração pública devem ser simples, rápidos e eficazes. Sou a favor da certidão e dos bilhetes de identidade na hora, da empresa na hora, do tratamento na hora, etc. É bom tudo o que permitir que verdadeiros empreendedores prossigam objectivos individuais e sociais sem calvário de perseguições burocráticas que os convide ao desânimo. Verdadeiros empreendedores, capazes de criar ou aproveitar a sua oportunidade. Há negócios de ocasião justos e necessários que não podem ser travados.

Há ocasiões. Só que da ocasião também vive o ladrão. Há ocasiões que são forjadas, há coincidências que são forjadas na base de informação privilegiada e muitas vezes ilegítimas (ainda que legais, a maior parte das vezes, ou legalizadas por quem de direito) para determinada ocasião. Uma medida política pode fazer da necessidade do estado a manjedoura para negociantes oportunistas que criam empresas para negócios instantâneos aptas a falir ainda crianças com fundos a investir noutro país qualquer ou a desaparecer numa nebulosa. Lemos os jornais e custa-nos a acreditar na inventiva dos criadores de empresas locais, beneméritos criadores de emprego e desemprego (subsidiados, claro!) que fazem emigrar o capital e o lucro do seu labor patriótico.

Em muitos aspectos, parece-nos que vivemos uma democracia do negócio. Claro que não podemos dizer que o negócio foi democratizado porque os nomes a que os jornais se referem estão ligados em teia, em famílias de mães, tios primos, amigos de longa data e afilhados... muitos deles sempre a jogar ao centro ou no centrão do poder. Não há muito tempo, o banco privado ou o banco português dos negócios apareciam-nos como enigmas portugueses. A crise veio para fazer do charco enigmático um espelho de água, bancos de fachada, opacas fachadas de banco de onde somos vistos pelas coisas que não vemos.

Finalmente o espanto vai para a novidade das famílias nos jornais. Que sabe cada um de nós do que faz ou deixa de fazer um qualquer dos primos? Andamos nós a falar das famílias e da fragilidade dos laços de família. Esta crise veio mostrar que nada há a temer quanto aos valores das famílias, pelo menos de algumas. Unida como poucas, a família dos negócios prospera. Há uma moral material.

[o aveiro; 17/04/2009]
 
12.4.09
  desenho, logo existe
 
  desenhos de ocasião
 

o lado direito




(...) o homem que não dorme pensa: «o melhor é voltar-me para o lado esquerdo e assim, deslocando todo o peso do sangue sobre a metade mais gasta do meu corpo, esmagar o coração».
Carlos de Oliveira
Google

o lado esquerdo
World Wide Web

LIGAÇÕES


escreva-me que bem preciso.


bloGeometria
infinitamente Pequeno
mesura
desenha
combate pela Geometria

homem à janela


ARQUIVOS
Maio 2003 Junho 2003 Julho 2003 Agosto 2003 Setembro 2003 Outubro 2003 Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

Site Meter
Powered by Blogger


sob licença
Licencia de Creative Commons