>
31.7.05
  Animal doméstico
A Cristina marca o hotel para as cachorras quando tem de sair em férias ou até mesmo em trabalho. Já que tem de os abandonar por algum tempo, abandona-os em beleza e com direito a massagens, beijos e corridas em campos de golfe.

Há quem não tenha cuidado algum com os seus animais domésticos e os abandone de qualquer modo. Nos últimos dias, recebi vários apelos a respeito de animais abandonados, quase todos cães, um ou outro gato. A associação "Animal" fez uma campanha com cartas à Administração Interna e a um Presidente da Câmara a protestar contra o abandono de muitos animais domésticos (ou não domésticos? em cativeiro?) numa vivenda. Não recebi notícia de abandono ou morticínio de animais de outras classes e espécies que são, como eu, mais ou menos domésticos (no sentido de que nos acompanham todos os dias) e não sei se isso é sorte deles.

Neste tempo de férias, eu sinto-me o animal doméstico que foi abandonado por quase todos no seu quadrado. Estou a a pensar até em mudar de nome para Arsélio Alegre.
 
28.7.05
  a chave



não se abrem portas
ao topo das escadas

mas eu quero trepar

não pensar: trepar
até às portas do céu

a chave que as abre
não é uma palavra

como o desejo não é.

 
26.7.05
  O mau tempo que se faz sentir.
Estas últimas semanas que por nós passaram a correr deixaram-nos para trás suados de calor e... de medo. O calor propriamente dito apareceu acompanhado pelo terror nos vários países do mundo agora acrescentados dos Reino Unido e Egipto. E pelos incêndios nas florestas (e fora delas) muito por todo o país. E por candidatos à Presidência da República. E por mais um Ministro dos que espera para chegar a Ministro das Finanças para mandar notificar-se a si mesmo sobre a necessidade de apresentar a declaração relativa aos impostos. E por mais um discurso incendiário de Alberto João Jardim.

Muito mau tempo. Muito mau mesmo. Até me custa escrever, mas... ardentemente espero uma nesga de bom tempo que para mim é, só pode ser, tempo fresco e molhado. Para apagar velhos incêndios e evitar novos incêndios, para arrefecer ânimos, para estragar a estação tola da espuma das cervejas e das ondas neste ano doente, para nos devolver a esperança da água doce e fresca.

É por isso que eu não consigo compreender os meteorologistas e locutores da televisão que, apesar dos incêndios e da falta de água para beber, para a agricultura e pecuária e de outros tremendos dramas que o calor dilata, chamam bom tempo a este tempo de calor e mau tempo a qualquer arrefecimento ou ameaça de chuvisco. E quando, como aconteceu hoje, tendo de falar da possibilidade de aguaceiros, falam de possíveis melhorias só lá para quinta feira com ar de quem lamenta a curta interrupção no inferno em que vivemos.

Onde é que vivem estes tipos que falam deste calor doente como sendo bom tempo? Não vivem no mesmo país que eu. Vivem com gosto na tripa de areia e betão que não está a arder, numa foz para onde corre a água das nascentes do país da seca.

Dou comigo a rezar por bom tempo - fresco e molhado em todo o país. Se Deus for grande, e quiser agradar a todos os gregos e troianos, que distribua bençãos agradáveis a todos. Pode deixar cair sol inclemente na eira deste hospital psiquiátrico do bronze, melanomas e afins. E deixar cair a água onde ela é precisa para apagar incêndios, para nos regenerar e repor a água necessária à vida.

Até porque suspeito que nesta terra de bueiros entupidos pelas folhas e pelo bom tempo, muita chuva dá inundação. Deus nos livre e guarde, já que a câmara pode estar entupida até não ver.


[o aveiro; 28/07/2005]
 
  desde a radiografia
Já não lia um poema tão bonito desde o relatório que acompanhava uma radiografia aos meus pés, lembro-me bem.
Agora, de novo, por ter visto o seu esqueleto, o mesmo amigo dedicou às minhas mãos alguns versos que não resisto a tornar públicos:


observamos radiogramas em incidências
de face
e oblíquas.
a nível das articulações
carpo-metacárpica do primeiro
dedo de ambas as mãos
e interfalângicas distais vemos
fina
osteofitose no rebordo das superfícies
arrticulares, compatível com alterações
de osteoartrite.

alterações de idêntica etiologia estão
presentes a nível da articulação
interfalângica proximal
do quinto dedo
da mão esquerda.

 
25.7.05
  quantas pedras?
quantas pedras amarras ao pescoço
como colar de contas a prestar

e, sem ninguém para te empurrar,
desceres até ao fundo do teu poço?
 
22.7.05
  sob o piscar dos olhos
A ave caída está cega e não pisca os olhos;
olhando-a me parece que ela não dorme.
Será que por ser cega lhe cresce a fome?


Como posso eu não piscar os olhos enquanto me desvio
se fascinado sinto o bater da asa do seu desejo como arrepio?
A correr fujo de medo. Mais alto que o seu agoirento pio
solto dos velhos pulmões o último fôlego ... num assobio.
 
  Má Nota de Si. Dá Dó!
1.

O que fazem os instantâneos detentores do poder político quando não podem esconder por mais tempo um problema que não se resolveu com o tempo e ameaça espalhar-se como doença que tudo decompõe? Cobrem-no de cores ainda mais mórbidas, pegam nele com ar de nojo, atribuem-no aos instantâneos do passado e, sem olhar a meios e ao que foi feito para combater a doença, apresentam um novo estudo, um novo projecto, uma nova comissão,..., e ao céu e à terra garantem a mudança necessária. E constrói-se o milagre das aparições, em horário nobre, de salvadores especialistas do que é preciso fazer para as almas do futuro. Passados uns anos, a história repete-se e, em vez de olharmos para o que se fez e para as consequências das decisões anteriores, damos connosco a ver a televisão repetir a mesma farsa com novas (?) caras.

Entretanto, a doença alastra e os novos instantâneos (não serão sempre os mesmos?) podem esbanjar ainda mais meios em novos estudos, projectos, comissões,..., mudanças. E é assim que, sem cumprir qualquer programa no tempo de uma geração, aparecemos aos olhos dos estranhos como os fantásticos proprietários de ideias sempre actualizadas, leis mais avançadas, inovadores projectos, etc.

Há também quem tome cada projecto experimental localizado pelo que está acontecer na realidade e lhe atribua o fracasso geral para exigir outros meios para novo projecto. Com a espuma de um mar de experiências, que nunca passam disso, gastam-se os meios de que a realidade ou a natureza precisam para as suas transformação e recomposição.

É certo que experiências e projectos nos servem de guia. Mais certo é que precisamos da persistência e perseverança nas práticas decentes, em prazos longos, para saborearmos resultados verdadeiros. Em educação, mais do que em tudo o resto. E é principalmente na educação e ensino que os ciclos curtos de maluqueira acabam por substituir a mudança por coisa nenhuma e permitem a persistência de "velha(ca)rias" nas práticas sociais (da docência, por exemplo) com seculares maus resultados.

2.

Os maus resultados da Matemática (tanto nos exames do 9º ano, como nos exames do 12º ano ou nos estudos internacionais) têm servido para confirmar aquela tese. Ainda não tinham entrado em vigor novos programas e tudo estava como dantes e as novas comissões criadas para a tragédia atribuíam aos programas (que talvez fossem entrar em vigor) a responsabilidade dos maus resultados. Fizeram isso ainda há pouco tempo e obtiveram tal sucesso que os programas pensados para umas condições foram postos a funcionar noutras.

Mesmo assim, apesar de não ter sido cumprido qualquer ciclo sobre esses programas... voltamos a ver a cena. No básico e no secundário. E não é só o governo (velho, novo ou que há-de vir). Não! São especialistas diversos que aí estão para garantir que um novo projecto vai nascer sobre as cinzas de um passado a queimar. Só que não queimam o passado passado. Queimam o que ainda mal passou de papel, de que - garanto-vos eu! - está a ser esboçado em múltiplas adaptações de papel.

Os conteúdos de ensino da Matemática não mudam há dezenas de anos. Mas isso não inibe um professor ou um responsável de afirmar que o programa de papel passado está tão cheio de indecisão nos conteúdos que não se sabe onde e quando se ensina isto ou aquilo.

Passamos a vida a estudar e a escrever papéis... que alguém há-de queimar como se eles fossem realidade social para além de papéis. Escrevem-se novos papéis, tanto para incendiar a floresta como para que fique na mesma o essencial da realidade do ensino. Costumo falar da nesga do meu tempo, como quem fala de uma dobra do tempo. Um saudável pessimismo está a atirar-me para os braços da melhor designação que é "falha" no tempo.

3.

No país-piloto da civilização, a época de exames coincide com a época de fogos. Tanto os exames como os fogos se combatem com trabalho planeado e persistente e não com o espectáculo dos projectos efémeros. De cima chovem maus exemplos quando nós precisávamos de água verdadeira. Não há milagres verdadeiros!

Má nota de si dá dó!




[a página da educação; agosto de 2005]
 
21.7.05
  Mandaram-me este recado
"Um fascista grotesco"


Alberto João Jardim não é inimputável, não é um jumento que zurra desabrido, não é um matóide inculpável, um oligofrénico, uma asneira em forma de humanóide, um erro hilariante da natureza.
Alberto João Jardim é um infame sem remissão, e o poder absoluto de que dispõe faz com que proceda como um canalha, a merecer adequado correctivo.
Em tempos, já assim alguém o fez. Recordemos. Nos finais da década de 70, invectivando contra o Conselho da Revolução, Jardim proclamou: «Os militares já não são o que eram. Os militares efeminaram-se». O comandante do Regimento de Infantaria da Madeira, coronel Lacerda, envergou a farda número um, e pediu audiência ao presidente da Região Autónoma da Madeira. Logo-assim, Lacerda aproximou-se dele e pespegou-lhe um par de estalos na cara. Lamuriou-se, o homenzinho, ao Conselho da Revolução. Vasco Lourenço mandou arrecadar a queixa com um seco: «Arquive-se na casa de banho».

A objurgatória contra chineses e indianos corresponde aos parâmetros ideológicos dos fascistas. E um fascista acondiciona o estofo de um canalha. Não há que sair das definições. Perante os factos, as tímidas rebatidas ao que ele disse pertencem aos domínios das amenidades. Jardim tem insultado Presidentes da República, primeiros-ministros, representantes da República na ilha, ministros e outros altos dignitários da nação. Ninguém lhe aplica o Código Penal e os processos decorrentes de, amiúde, ele tripudiar sobre a Constituição. Os barões do PSD babam-se, os do PS balbuciam frivolidades, os do CDS estremecem, o PCP não utiliza os meios legais, disponentes em assuntos deste jaez e estilo. Desculpam-no com a frioleira de que não está sóbrio. Nunca está sóbrio?
O espantoso de isto tudo é que muitos daqueles pelo Jardim periodicamente insultados, injuriados e caluniados apertam-lhe a mão, por exemplo, nas reuniões do Conselho de Estado. Temem-no, esta é a verdade. De contrário, o que ele tem dito, feito e cometido não ficaria sem a punição que a natureza sórdida dos factos exige. Velada ou declaradamente, costuma ameaçar com a secessão da ilha. Vicente Jorge Silva já o escreveu: que se faça um referendo, ver-se-á quem perde.
A vergonha que nos atinge não o envolve porque o homenzinho é o que é: um despudorado, um sem-vergonha da pior espécie. A cobardia do silêncio cúmplice atingiu níveis inimagináveis. Não pertenço a esse grupo.



Baptista Bastos
b.bastos@netcabo.pt
 
19.7.05
  Má   nota
Sete em cada dez estudantes portugueses tiveram classificação negativa nas provas de exame de Matemática do 9º ano. E da primeira fase de exames do 12º ano, ressalta que é negativa a classificação média dos estudantes portugueses que concluiram positivamente a frequência do ano escolar. E ela tem vindo a baixar nos últimos quatro anos.

Estes resultados negativos são consistentes com os resultados das provas de aferição e com as prestações dos estudantes portugueses nas provas internacionais.

Estes resultados revelam que a escola pública (e a privada também) está a falhar. Se acreditarmos no que se diz sobre as explicações e a sua generalização a uma grande parte dos estudantes, o falhanço é ainda mais dramático. Aparentemente, as famílias estão a gastar o que têm e o que não têm, aceitando que os jovens não trabalhem na escola e pagando mais falta de trabalho fora da escola.

Temos de saber que, para lá de todas as razões, há falta de disciplina e de trabalho dos estudantes e das famílias que mobilizam pouco os recursos disponíveis tanto quanto nos é dado ver no dia a dia das escolas. Tanto quanto nos é dado imaginar pelas reacções aos resultados dos estudantes e da comunidade em geral. Há uma certa displicência nacional inaceitável.

Temos de saber. Temos de discutir para evitar que todas as apreciações da situação apareçam derrotadas e sem sentido por atribuirmos todas as falhas a uma mutante entidade abstracta que muda com os governos que mudam as políticas. Temos de saber que o problema da educação é um problema nosso e que nos cabe a nós todos a responsabilidade de fazermos diferente, impondo disciplina e trabalho constantes que se sobreponham a políticos e políticas inconstantes e à indisciplina que o aparelho deste estado está a criar. [Afinal temos de fazer as pequenas revoluções opostas às reformas desta união nacional de multireformados palradores. Sabemos hoje de que é que eles falam quando falam de impulsos reformistas e da inevitabilidade das reformas da sociedade. Falam das suas reformas antecipadas e da sociedade anónima em que transformaram o país, como o mau exemplo... a não seguir.]

Temos de saber que nos podemos salvar. Opondo trabalho persistente à tralha arranjista e negocista. Podemos passar nos exames trabalhando. Podemos exigir de nós e das escolas. Podemos contar connosco. Nada de conformismos! Quem precisa de mais explicações? Não vale a pena dar mais explicações para tão maus resultados.

[o aveiro; 21/07/2005]
 
17.7.05
  o dia sumário
Este último dia da minha vida fica ligado ao sumário do Geometria. A classificação dos artigos pelas categorias escolhidas é um problema. Não se trata de um índice remissivo, nem de um glossário. Para já é só uma arrumação. Para já é só uma experiência (em construção, sempre!) de arrumação por assuntos. Nada é fácil. E começava a ser cada vez mais difícil manter a coisa tal como estava. O desenvolvimento que se vai seguir exige o aperfeiçoamento do trabalho de arrumação e de pesquisa. Pode ser muito interessante experimentar o trabalho da geometria interactiva usando as funcionalidades diarísticas do "blogger", mas tudo tem um limite. Vamos indo e vamos vendo. Se houver alguém que queira dar alguma sugestão e ajuda, nós aceitamos. Para já estou farto deste dia sumário.
 
13.7.05
  O crime despido.
Quem nunca se deixou afundar em irracionalidade e aceitar ou justificar perseguições, deportações, guerras, invasões, assassinatos? Em nome disto ou daquilo, de pequenos deuses, nações e interesses quem não seguiu as palavras de ordem dos pequenos lideres do nosso mundo para participar, ainda que contrariado ou cheio de medo, em doentios delírios colectivos? Se não participamos directamente, fincamos os pés no nosso chão e, em defesa dos "nossos", justificamos o injustificável. Na nossa história, quantas vezes? Na história dos outros, quantas vezes?
Estamos a chegar ao tempo do mundo pequeno demais para não sabermos reconhecer as vítimas ou os carrascos nos acontecimentos que nos são relatados em detalhe enquanto acontecem. Mesmo que fiquemos a milhares de quilómetros não deixamos de ver as caras das vítimas. Como se fossem nossos vizinhos. Na semana passada, reconhecemo-nos a viajar de comboio e autocarro em Londres e ouvimos as explosões e os gritos de terror. E reconhecemos, com os londrinos, que não podemos deixar de sair para os autocarros e comboios do dia seguinte.
Para vivermos nas nossas sociedades abertas temos de olhar para o que acontece, para o que pode acontecer-nos, com olhos de ver tão bem ao longe como ao perto. Usando modernas lentes progressivas, sabemos que nenhuma razão (política, religiosa ou outra) justifica a morte de inocentes ou qualquer dos ferimentos físicos e psíquicos deliberadamente infligidos. Nestes últimos acontecimentos, não consigo nomear qualquer política, não consigo falar de terrorismo político ou religioso. Já só posso nomear criminosos e constatar crimes hediondos.
Não é possível continuar a justificar politicamente ou a dar razões políticas para a demência criminosa. Os crimes de Londres vão ser muito provavelmente assumidos e atribuídos a criminosos que vivem na Inglaterra. Podemos vir a saber que eram fanáticos religiosos ou outra coisa qualquer, mas isso não os torna menos vulgares criminosos, sem razão e sem coração.
O nosso pequeno mundo não pode embrulhar em razão política os criminosos sérvios (ou quaisquer outros) que continuam a monte após os 10 anos dos massacres, como não pode deixar de perseguir criminosos terroristas, fabricantes e negociantes de armas, criminosos ditadores ou modernos senhores da guerra, incluindo os promotores das guerras que, em defesa dos valores sagrados da nossa civilização, transformam os sacrifícios de inocentes em danos colaterais.

Todos os dias, as liberdades acenam gestos de paz. E de combate.

[o aveiro; 14/07/2005]
 
11.7.05
  sons do corredor.



ouve!
usa os sentidos
todos como os ouvidos
todos que algum dia houve.

noutro lugar
podes respirar.

 
  desenho, logo existe



salvem-se sonhos da mais antiga das velhas arcas
aonde poise luz coada pelas nuvens em teu regaço

travestida imaginação em calças das mais largas
abra o pano do teu riso à minha pirueta de palhaço.

 
  desenho, logo existe



os sonhos existem

e resistem

 
8.7.05
  começo
quando não me apetece o futuro sei que em algum lugar adiante no tempo estou perdido num instante que existe e me escapa sem eu saber por onde se escapa.
começo a desconfiar que aquilo que sempre me disseram sobre a fragilidade do sagrado é verdade e que nenhuma divindade ou inspiração vital se dará a ver ou será adivinhada como forma em dobra de cortina.
enfunadas pelo vento repentino que parte do tal instante adiante para a depressão cavada no meu corpo como um corredor para a corrida dos animais ferozes em retirada, as cortinas armam-se em velas e nem os mastros do navio as seguram a este mundo partindo elas antes do naufrágio que não puderam evitar.
porque é que me sinto um náufrago andrajoso a quem falta tudo até a vontade de encontrar terra e uma enseada é o que te pergunto mais a ti do que a mim sem soltar um único som.
quando não me apetece o futuro deixo-me andar de um lado para o outro e nada do que não interessa me escapa para me doer aí no lugar mais improvável a que a razão chama coração.
 
  o não dito
o que é que ainda te não disse? eu sei que o que te não digo é tudo quanto precisava de te dizer.
que interesse pode ter dizer-te o não dito?
dizer o não dito a quem?
o não nomeado não existe.
o não dito não existe senão nesta afirmação da existência do não dito.
defendo-me dizendo que o que é só pensado é um não dito.
(outras vezes penso que o que penso é tão fortemente dito que não podes ter deixado de me ouvir.)
sei que pensar coisa que se saiba tem de ser composto mentalmente ou dito para dentro.
o que é dito para dentro fica entre os não ditos?
agora porque assim penso e o escrevo não considero os meus pensamentos entre os não ditos.
sei com toda a certeza que são mal ditos talvez malditos.

nada mais que isso. quem me ouve? o que pensa quem lê? a quem eu falo? ninguém fala comigo enquanto me afundo ou sou eu que não entendo os sinais?
 
6.7.05
  a grande escada
a grande escada
por onde sobes
cansada
tem um patamar
para gestos lentos
desatando
os cabelos brancos


desespero como se fosse
quem não ouve
o vestido roçar
como quem não vê
a janela onde espreita
o decote vermelho
vivo dos lábios


como se fosse quem
depois
do último degrau
de braços abertos
te espera sentindo e sabendo tudo
e até que não vens.
 
  o absurdo que dói
A minha vida é um copo de tempo vazio de dores. É tão banal que há pessoas convencidas da minha extrema banalidade e, logo, da minha (in)felicidade feita de rotinas (in)felizes.

Numa noite já passada, o meu filho guiava o automóvel que nos trazia do Porto para Aveiro. De repente, na auto-estrada, pus a cabeça fora da janela. Podia ter perdido a cabeça se ela tivesse voado inteira para longe da parte do corpo que, incapaz de voar, ficasse preso ao assento. Em vez disso, voaram os óculos e foi como se a cabeça que olha tivesse voado com eles.
Por ter deixado de ver claramente, o princípio da minha passada semana fez-se um copo de tempo cheio de problemas. Com antigos óculos fui vendo o que precisava até que enjoei e passei a sentir-me tão miserável que o meu copo de tempo transbordou de tristeza. Cada pequena dificuldade passou a ser tudo e convenci-me que o que dói a cada pessoa pode ser a dor do mundo, ser o mundo dorido a vaguear nos nossos nervos e medos. Da dor e da impotência nascem desesperos e raivas surdas, partes do sentimento de quem se sente para ser filho de boa gente.
A doença acabou expulsa pela minha resistência interior, mesmo sem ter sabido de ordem da cabeça que pensa e devia conduzir as operações no campo de batalha do meu corpo. Tenho estado a escrever sobre as minhas maleitas e das ideias tenebrosas que podem assaltar quem sofre ainda que pouco.

Agora imaginem o sofrimento físico e psíquico das pessoas adultas que ficam sem emprego num dia qualquer e recomeçam a vida como uma via sacra dolorosa em busca de outro emprego quase impossível (a confiar nas notícias), sendo que isso significa procurar alimento e fé para si mesmo e para dependentes, filhos ou não.
De cada vez que um patrão ou um político desvaloriza cada desempregado como coisa pouca a somar a outra coisa pouca, agita uma mistura de desespero, desesperança e raiva. Esta mistura já é perigosa em si mesma e, à pressão da vida de todos os que sofrem, ganha um detonador apropriado no comentário da moda que banaliza este sofrimento individual e colectivo.

Convencidos da impunidade de novos-ricos cegos, alguns jovens comentadores a brilhar hoje ainda não sentem o rabo que lhes atrapalhará a fuga por ordem do medo do irracional que ajudaram a criar, palavra a palavra.

O que faz mover o mundo? O absurdo que dói.

[o aveiro; 7/07/2005]
 
5.7.05
  segundo
dá-me o nome da tua rua
e o número da tua porta

não quero saber quem és
nem em que andar moras

só quero esperar-te
para te ver partir.
 
  até à foz
eu quero beijar um rosto
que se desfaça
mas não em lágrimas como nuvem

eu quero beijar um rosto
que se desfaça
mas não em nada como a divindade se desfaz

eu quero beijar um rosto
que se desfaça
mas não de faz de conta como faz o tempo

eu quero beijar um rosto
que se desfaça
como o meu se liquefaz na tua sede.
 
  o casario



no chão de minha casa,
o casario.

 
4.7.05
  desenho, logo existe



quem?

 
  uma semana
vou partir e quando voltar, já a semana passou.
talvez volte vivo do futuro.

sobrevivo,
 

o lado direito




(...) o homem que não dorme pensa: «o melhor é voltar-me para o lado esquerdo e assim, deslocando todo o peso do sangue sobre a metade mais gasta do meu corpo, esmagar o coração».
Carlos de Oliveira
Google

o lado esquerdo
World Wide Web

LIGAÇÕES


escreva-me que bem preciso.


bloGeometria
infinitamente Pequeno
mesura
desenha
combate pela Geometria

homem à janela


ARQUIVOS
Maio 2003 Junho 2003 Julho 2003 Agosto 2003 Setembro 2003 Outubro 2003 Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

Site Meter
Powered by Blogger


sob licença
Licencia de Creative Commons