irmandade das almas - V

A linguagem do sonho é outra
Uma preocupação é a da linguagem, da língua falada e escrita.- Disse o irmão Bocas.
E, desentaramelando a língua, continuou:
Os partidos todos têm o discurso do poder, de sedução para apoio à manutenção ou conquista do poder. E mesmo quando dizem coisas diferentes dizem a mesma coisa. O receptor não distingue os diferentes discursos doss partidos de esuqerda, porque, da informação, o que permanece nas massas não é esta ou aquela "nuance", mas a estrutura do discurso, a sua organização, as ideias-base em que assenta a informação. E todos os partidos ditos de "esquerda" (e os de "direita"? não?) utilizam uma só estrutura lógica de linguagem, de discurso, organizam silogismos partindo das mesmas premissas e tirnado conclusões que só em pequenas aparências são diferentes, assentam sempre nos pressupostos fundamentais de que servem o povo, a classe operária, que a sua preocupação é com a situação das camadas desfavorecidas, que defendem o 25 de abril e que aunto a conclusões exprimem o sentir de amplas camadas e a necessidade do socialismo. Do lado do povo, que recebe a informação, não há diferença entre um discurso de sedução de um partido ou doutro. Assim, a primeira coisa que temos de ter presente é que não há ideias diferentes para fora sem linguagens diferentes. Temos de realizar, no campo da língua, um trabalho violador. - Concluíu o irmão Bocas.
João G. ria-se pelos olhos, lembrando-se daqueles artigos inflamados da bandeira rubra em que, das mesmas premissas, se tiravam conclusões diferentes em semanas diferentes. Que o João G. engolia logicamente e por devoção.
A irmã Marta D. referiu essas viragens bem explicadas que comiam os militantes, porque na política vencia a lógica, os argumentos válidos, quando se sabe que um argumento pode ser válido tendo tráfico ou tolice em cada uma das premissas ou na conclusão. E, pessimista, Mart D. aproveitou para dizer que os irmãos, cheios desses vícios de discurso, não iriam conseugir romper com essa língua passada.
E foi então que João G. disse:
Língua passada é bom! Coma-se e seja tudo pelas almas!
Irmão Organizado referiu, a propósito:
Nós, comunistas e irmãos, temos que experimentar. Esforcemos as meninges que ainda acabamos por conseguir. Se nos deixarmos ficar quietos é que não daremos nem um passo.
Todos os irmãos concordaram com esta filosofia de "estar quieto ser o contrário de andar". Um filósofo irmão, perdido no princípio do século passado e da filosofia, aproveitou para recitar o capítulo da unidade dos contrários, ao mesmo tempo que referia a necessidade de ter, no nosso estudo, referências que não podiam deixar de ser a classe operária e a sua doutrina, o marxismo-leninismo.
O irmão Domingo de Ramos apoiou esta coisa das referências e esclareceu que, dentre o material a adquirir para a Mesa, se devia dar prioridade a uma bússola que indicasse a esta irmandade pequeno-burguesa não o norte magnético mas o norte da classe operária e do marxismo-leninismo e que rebentasse caso a Mesa se desviasse desse admirável norte romântico.

[Já todos tinham saído quando, mais para si mesma, Marta D. denunciou Domingos de R. como vendedor de bússolas, manifestos e outros catecismos. E é para que conste que não consta da acta da sessão que aqui o comentário vem referido, em nota de rodapé.]

Comentários

Mensagens populares