A ponte

Na ultima sessão pública da Câmara, muitos mais aveirenses do que o costume compareceram para discutir a ponte pedonal do Rossio para o Alboi. Muito bom o trabalho de grupos de cidadãos atentos e capazes de discutir verdadeiramente a cidade. E correspondido, como se viu.
A ponte pedonal foi defendida pelo presidente da Câmara com vários argumentos. Um deles é m argumento habitual - facto consumado que se aceita discutir; o povo pode discutir, mas não pode mudar uma decisão errada ou, pelo menos, mal informada e mal debatida.
O outro é a declaração de amor pela mobilidade dos peões. No regresso a casa, verifiquei que ainda existem as ruas com passadeiras sem rampas, com rampa de um só lado da rua, sem passeios ou com passeio interrompido por muro, com charcos de água para regar peões à passagem dos carros, com obras a interromper passeios sem qualquer cuidado digno desse nome que é o mesmo que dizer sem qualquer inspeção camarária. Ainda existem. Passei por elas. Sei que o amor da Câmara pelos direitos dos peões é mentira para os peões verdadeiros que também andam a pé pelas ruas quando vão das suas casas para o trabalho. Talvez seja verdade para os presidentes de câmaras que vão de carro para a câmara ou vão de carro até aos lugares feitos para peões atletas. O enquadramento da ponte numa estratégia que pretende afastar os carros do centro da cidade significa o quê para quem vive pelo seu pé? Uma estratégia boa, dizemos todos. Um argumento oportunista, paleio politicamente correto por quem mantém uma prática quotidiana de desprezo pelos peões e desprezo pelo debate sério com consequências e mantém o hábito ordinário de não responder aos cidadãos com problemas concretos enquanto mantém o ambiente de diálogo para conversas da treta.

Comentários

Mensagens populares