relações em concorrência

Passa-me óleo pelas costas. Passa-me o creme na cana do nariz. Passa-me o microfone de mão em mão. Passa-me o óleo de rícino pelo peito. Passa-me o óleo de fígado de bacalhau pela cabeça. Passa-me a minha amiga numa hora boa.

Passa-me metade da tua caspa para os meus ombros. Passa-me metade da canção no teu programa. Limpa-me uma lágrima de rímel se as lágrimas me vierem aos olhos. Passa-me palavras de admiração pelo pescoço. Passa-me os teus dentes de cavalo pelas costas.

Passa-me a tua inteligência laroca para o meu canal. Dá-me dois dedos da tua testa para a concorrência. Passa-me o vestido aferro. Passa-me a concorrência a ferro. Gaba-me os índices de audiência do meu programa no teu programa da concorrência.

Podes assoar-te nas minhas costas. Passa-me o anúncio em que apareço ao lado do macaco de sucesso. Passa-me a canção do bandido. Passa-me o bandido da tua notícia. Eu quero-me bem passado.

Passa por mim no Rossio. Passa-me o fado ao lado. Passa-me o secretário de estado que mora no teu prédio. Passa-me o estado interessante. Passa-te.

Passa-me margarina vegetal pelo couro cabeludo dos meus sapatos. Passa-me bem o bife que negoceia a paz entre os bandos da “biela” do intendente. Passa-me um plano de mim em cima do leão do marquês de pombal. Passa-me de cá para lá. Deixa-me dar umas voltinhas no teu programa.

Passa-me a salada. Passa-me a salada russa. Passa-me as mãos pelo dorso. Passo à mesma hora que tu. Passo no horário nobre. Passo a passo, passo-te. Deixa lá que depois eu levo-te ao meu programa. Passo-te a cadeira de rodas.

Passa-me o comando.

Comentários

Mensagens populares