a demolição

por aqui, como em casa, nunca abandono as pequenas coisas. não sei abandonar. a maldição de não saber sair de casa onde se amontoa a tralha que a enche como se enche o casinhoto ao canto do campo com as ferramentas e a sua ferrugem nem as ferramentas nem a ferrugem existem enquanto eu continuo a guardar na cabeça cada uma delas e as veja olhando o rasgão aberto, instalado na cabeça que não abandona e eu não abandono a ela antes de ser abandonado por ela

Comentários

Mensagens populares