Abril


sigo um pequeno pássaro que saltita à minha frente. parece distraído, mas não deixa de debicar pequenas coisas que eu não vi e nem sei se existem. sigo-o e estendo as mãos como se fosse apanhá-lo. parece que o apanho e seguro-o de encontro ao meu peito, uma mão firme e fechada a segurá-lo gentilmente e a outra que o acaricia. gestos para um público que nem sei se existe. sigo com passos firmes pela minha rua com um pássaro ao colo. é o que parece. mas eu sei que ele se escapou sob o carro mais próximo e vi-o a voar instantes depois aproveitando o vento que sopra mansamente, tão mansamente como a minha mão o acaricia no gesto de o acalmar no meu colo protetor. um pensamento sobre a carícia e o calor das minhas mãos para o pássaro que voa. nada é melhor que acariciar quem voa.

Comentários

Mensagens populares